Bloco de Esquerda questiona governo sobre situação na Casa de Saúde de Amares

Política

O Bloco de Esquerda questionou o Governo sobre o encerramento da unidade hospitalar da Casa de Saúde de Amares e quer que o Ministério do Trabalho esclareça que medidas vai tomar para garantir os direitos dos trabalhadores, nomeadamente o pagamento dos vencimentos em atraso, e se o Ministério da Saúde pretende assegurar o funcionamento deste estabelecimento tão necessário nesta situação de emergência de saúde pública.

A iniciativa do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda surge após denúncia do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte, que reclama o pagamento do subsídio de férias de 2019, 50% do subsídio de Natal de 2019 e a atualização dos salários desde janeiro de 2020.

Sindicato denuncia fecho parcial de Casa de Saúde de Amares e ordenados em atraso

A posição do sindicato foi contestada pela administração da Casa de Saúde de Amares, que fala de informação “incorreta”.

Na questão colocada ao Governo, os deputados eleitos pelo círculo de Braga, José Maria Cardoso e Alexandra Vieira, consideram que que “a situação exige uma intervenção urgente do Governo e da Autoridade para as Condições do Trabalho para que os direitos destes trabalhadores e trabalhadoras sejam assegurados, nomeadamente quanto ao pagamento dos vencimentos em atraso”.

Direito de Resposta: Sindicato denuncia fecho parcial de Casa de Saúde de Amares e ordenados em atraso

Os deputados bloquistas consideram ainda que “o Governo deve intervir também para a garantia da disponibilidade dos recursos da unidade de saúde, instalações e profissionais, no combate a este período de emergência”.
“Não se pode permitir que entidades privadas com recursos hospitalares tão necessários ao Serviço Nacional de Saúde para o combate à epidemia do Covid-19 sejam desperdiçados em resultado de encerramento de instalações por motivos de interesses económicos”, acrescentam os deputados nos documentos.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Centro de rastreio em Vieira do Minho arranca quarta-feira

Próximo Artigo

Cinco anos de cadeia para homem que abusou de irmã de 13 anos em Famalicão

Artigos Relacionados
x