Seguir o O MINHO

Braga

GreenFest: Braga recebe maior evento de sustentabilidade a nível nacional

Água, alternativas aos plásticos, lixo zero e banhos de floresta no Greenfest Braga 19, junto ao Mosteiro de Tibães

em

Foto: DR

Um projeto para substituir o plástico ou outro para acabar com a esferovite vão ser discutidos e apresentados esta semana no ‘Greenfest’, um festival de sustentabilidade de quatro dias, a partir de quinta-feira em Braga.


De quinta-feira a domingo, no Mosteiro de Tibães, dezenas de iniciativas vão juntar especialistas e público em geral, a primeira edição do ‘Greenfest’ deste ano, com a segunda marcada para de 17 a 20 de outubro, no campus da Universidade Nova, em Carcavelos.

“A ideia é que estes dois eventos criem um movimento que ganhe mais força e que esteja o ano todo em ativação”, disse à Lusa Pedro Norton de Matos, o criador e organizador da iniciativa.

Doze anos depois de ter começado no Estoril e agora com duas edições por ano, o ‘Greenfest’ vai juntar conferências e palestras mas também teatro, música, jogos, alimentação, desporto e até um desfile de moda sustentável.

Em declarações à Lusa, Norton de Matos explicou que os primeiros dois dias são especialmente dedicados aos alunos das escolas (espera pelo menos 1.500 jovens), porque “a sustentabilidade é um compromisso intergeracional e transversal”, e que o fim de semana está pensado para famílias e tem conteúdos mais variados, incluindo desporto ao ar livre e contacto com a natureza.

Norton de Matos, que “importou” a ideia do ‘Greenfest’ dos Estados Unidos, disse que em Braga quer dar visibilidade “aos protagonistas do ecossistema” do Minho, a pequenos projetos e a pequenas empresas, sempre na área das “tendências verdes que vão moldar o futuro”.

“Procuramos captar tendências que vão do desenvolvimento tecnológico ao estilo de vida”, afirmou, exemplificando com a luta contra os plásticos. Nas palavras de Pedro Norton de Matos há um fenómeno crescente de consciencialização para um problema que se tornou mundial e que há 70 anos nem sequer existia.

Hoje, disse, há uma pressão dos consumidores à qual as empresas não são alheias e sabem que têm de se adaptar a novas práticas, que passam pela substituição do plástico.

E os novos tempos levam a que o ‘Greenfest’ contenha também intervenções sobre economia circular e sobre a ideia de que a reciclagem deve ser “o último recurso”, neste caso com a colaboração do movimento “Lixo Zero Portugal”, criado no ano passado.

Depois, ainda de acordo com Pedro Norton de Matos, a água e a sensibilização para a necessidade de evitar o desperdício vai ser tema muito presente nos quatro dias, como também vão estar em destaque as freguesias e as escolas com uma preocupação e prática ecológica (eco-freguesias e eco-escolas), a que se junta o programa “Green Key”, de promoção do turismo sustentável em Portugal.

Do Japão chega no fim da semana a ideia e a prática da “shinrin-yoku”, ou terapia florestal, porque, diz Norton de Matos, “os banhos de floresta têm um efeito benéfico para a saúde das pessoas”.

E depois da música, dos jogos, das palestras e dos ‘workshops’, ainda haverá tempo, garantiu o responsável, para passeios noturnos, com a natureza explicada por um biólogo.

Se houver tempo, só no sábado o programa contém, entre muitas outras iniciativas, ‘workshops’ sobre nutrição, cosmética, artes, cerveja artesanal, costura ou felicidade. E yoga, e hortas em família, e uma palestra sobre alimentos terapêuticos, e outra sobre cozinha saudável, e um concerto com gongos e taças tibetanas, e uma peça de teatro, e dança.

Anúncio

Braga

Carro de emigrante roubado no Gerês recuperado em Famalicão

GNR

em

Foto: DR

A GNR recuperou um carro que tinha roubado, na tarde da passada sexta-feira, enquanto a proprietária, emigrante, estava a desfrutar das férias, no rio Caldo, no Gerês, Terras de Bouro.

O Mercedes Class A com matrícula luxemburguesa foi localizado, pelo Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Braga, numa garagem em Brufe, Famalicão.

“No âmbito de uma denúncia de um furto de veículo no Gerês no dia 7 de agosto, avaliado em 40 mil euros, os militares da Guarda encetaram diligências policiais que permitiram encontrar o veículo estacionado numa garagem na localidade de Brufe”, explica a GNR, em comunicado.

Durante a ação, foi constituído arguido um homem de 37 anos por recetação de veículo furtado.

Os factos foram remetidos ao Tribunal Judicial de Braga e o veículo devolvido à proprietária.

Continuar a ler

Braga

Há 15 casos ativos de covid-19 no concelho de Braga

Pandemia

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

O concelho de Braga registava, até ao final da tarde desta segunda-feira, 1.425 casos acumulados de infetados com covid-19 desde o início da pandemia, mais seis do que na passada quarta-feira, apurou O MINHO junto de fonte local da saúde.

Destes, 1.336 estão recuperados, ou seja, mais onze desde o último balanço feito pelo nosso jornal. Lamentam-se ainda 74 óbitos, número que permanece igual desde o passado dia 16 de junho.

Existem, atualmente, 15 casos ativos de covid-19 em todo o concelho de Braga.

Estes dados são apurados por O MINHO junto de fonte local do setor da saúde e não coincidem com os divulgados pela Direção-Geral de Saúde (DGS), no qual o concelho de Braga regista 1.280 acumulados.

Covid-19: Mais 3 mortos, 157 infetados e 89 recuperados no país

Portugal regista hoje mais 3 mortes e 157 novos casos de infeção por covid-19, em relação a domingo, segundo o boletim diário da DGS.

De acordo com o boletim, desde o início da pandemia até hoje registam-se 52.825 casos de infeção confirmados e 1.759 mortes.

Há 38.600 casos recuperados, mais 89.

Continuar a ler

Braga

“O marido da motorista da Uber diz que me vai matar”, alega taxista em Braga

Agressões

em

Foto: DR / Arquivo

“Pedi hoje proteção à PSP de Braga. O marido da motorista da Uber que me acusa, infundadamente, de agressão e de insultos xenófobos anda de pistola e diz que, se me encontrar, me vai matar”, disse a O MINHO o taxista, que solicitou o anonimato.

O profissional de transportes  afirmou que a versão da motorista de TVDE (serviço de “transporte individual e remunerado de passageiros em veículos descaraterizados a partir de plataforma eletrónica) – vulgo Uber – sobre o seu comportamento num incidente ocorrido há uma semana junto ao estacionamento do centro comercial Braga Parque “é falso”.

Na sua versão, a motorista Liane Silva, de nacionalidade brasileira, estava mal estacionada na zona, o que impedia o seu táxi de sair do aparcamento: “pedi-lhe para sair, ela fez apenas uma manobra insuficiente, de tal modo, que eu corria o risco de embater no carro da frente”.

“Saí do meu carro e dirigi-me a ela, sem qualquer ameaça ou agressão. Pegámo-nos de razões e eu apenas lhe disse que, enquanto imigrante ela devia respeitar as regras do país que a acolhe. No meio da conversa, usei a expressão: ”puta que pariu”! Ela entendeu que eu a estava a chamar-lhe puta e insultou a minha mãe”, explica.

O taxista nega ter batido na mulher, garantindo que só lhe pôs a mão no queixo e diz que lhe tirou o telemóvel, não para o roubar, mas porque ela começou a fotogrfá-lo, sem autorização”.

Aceita ter dado um murro num dos seguranças do Braga Parque chamados pela uberista, e assume a resptiva responsabilidade: “não sou racista, nem xenófobo, nem contra os brasileiros. E nem tenho nada contra os TVDE’s, agora que estão legais”, reafirma, garantindo que, também ele se queixará à justiça do caso.

Imigrante queixa-se

Conforme O MINHO noticiou, a cidadã brasileira apresentou queixa na PSP de Braga contra um taxista que a terá agredido: “Já tenho advogada! Vou, também, queixar-me ao Tribunal por agressão e atitudes racistas e xenófobas, devido aos insultos e ameaças que proferiu por eu ser brasileira”, disse Liane Silva, em declarações ao MINHO.

O caso ocorreu no começo desta semana junto à porta lateral daquele centro comercial: a motorista estava estacionada e o taxista chegou, começando a dizer-lhe que não podia parar ali, passando a importuná-la e agredi-la. Tirou-lhe, também, o telemóvel quando ela se predispôs a chamar a Polícia, levando-o para um carro particular que lhe pertencia”, sublinha a Eliane.

De seguida, a cidadã chamou o segurança do Bragaparque, dizendo-lhe que o taxista lhe furtara o telefone, só que – garante – também este foi agredido, tendo, por isso, recebido tratamento hospitalar. Nesse entretanto, a equipa de segurança do espaço chamou a PSP, que identificou o alegado agressor.

Continuar a ler

Populares