Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Viana vai “desmontar” chafariz com 460 anos para o recuperar

Na Praça da República

em

Foto: Tripadvisor

O chafariz situado na Praça da República, em Viana do Castelo, monumento nacional que, em dezembro, completa 460 anos, vai ser “totalmente desmontado” para ser recuperado, num investimento que o presidente da câmara hoje estimou em 150 mil euros.

No final da reunião camarária de hoje, e questionado pelos jornalistas na sequência da intervenção de um munícipe no período aberto ao público, José Maria Costa explicou que os “especialistas” consultados pelo município dizem ser “necessário que o chafariz seja totalmente desmontado, tratado e para ser, novamente, recolocado”.

“Essa intervenção obedece a um projeto técnico específico, não só de consolidação da estrutura, mas de tratamento das patologias do granito e implica o acompanhamento por parte da Direção Regional de Cultura do Norte, sendo que o projeto terá de ser validado pela Direção-Geral do Património Cultural”, explicou.

O autarca admitiu que, por ser “um projeto complexo, há poucas empresas certificadas pelas entidades reconhecidas pelo Ministério da Cultura”, para o executar.

Costa adiantou que a pedra do monumento, localizado em pleno centro histórico da cidade, “apresenta algumas patologias, a parte superior partiu há cerca de 100 anos, num grande temporal que afetou a cidade e que toda a tubagem interior vai ter de ser substituída”.

“Estamos a concluir o caderno de especificação técnica de forma a que, no próximo ano, o chafariz esteja totalmente reabilitado e a funcionar como é vontade dos vianenses e da Câmara que já tem uma verba reservada no orçamento de 2020 para suportar a intervenção”, especificou.

O autarca recordou a “peripécia” em torno da construção do chafariz: “O chafariz demorou bastante tempo a ser construído. Na altura, a Câmara teve necessidade de vender algum património para o poder concluir”, observou.

Segundo informação que consta no sítio na Internet da Câmara de Viana do Castelo, o chafariz situado na Praça da República, ex-libris da cidade, “foi construído, ou pelo menos concluído em 1559, sendo obra do mestre canteiro João Lopes “o velho”, o mesmo que alguns anos antes executara o chafariz de Caminha e, muito provavelmente, alguns exemplares semelhantes que se podem encontrar em cidades galegas como Pontevedra”.

“Foi durante vários séculos o ponto de abastecimento de água potável da população vianense e, pela sua monumentalidade e localização, uma das referências urbanas do burgo”, explica a publicação da autarquia.

Anúncio

Viana do Castelo

Antigos alunos do politécnico de Viana ensinam a criar máscaras em casa

Covid-19

em

Foto: ipvc.pt / DR

Quatro antigos alunos do curso de design do produto do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) criaram um modelo de documento a ensinar a confecionar máscaras de proteção por cerca de 10 cêntimos, informou, esta sexta-feira, a instituição.

“A ideia é que cada pessoa possa, em sua casa, produzir a sua própria máscara e proteger-se da covid 19”, acrescenta o IPVC na nota hoje enviada à imprensa, adiantando que a empresa dos quatro antigo alunos “disponibilizou um ‘template’ gratuito que ensina como produzir uma máscara para proteção pessoas a custo muito reduzido”.

“Penso que não custará mais do que dez cêntimos e é muito fácil de fazer com materiais que são muito fáceis de adquirir”, revelou, citado naquela nota, Emanuel Ferreira, um dos designers da DevelopKings, um grupo que desenvolve ferramentas gratuitas para criadores.

Segundo o designer, “a ideia foi criar uma forma extremamente simples que seja possível de ser feita com o mínimo de material e que possa ser realizada mesmo por quem não tem técnica ou experiência”.

Segundo Emanuel Ferreira, os interessados “têm de imprimir o template, usando-o para cortar uma folha de apresentação padrão A4 – folha de acetato, uma folha plástica mais rígida”.

“Ela irá ajudá-lo a evitar fluidos corporais de outras pessoas e redirecionar a sua respiração para trás. A máscara pode ser lavada normalmente com sabão. Pode usar qualquer fita que tenha disponível em casa”, adiantou.

Os quatro antigos alunos “disponibilizam-se ainda a ajudar quem precisar de ajuda na construção desta máscara e lançam o desafio: “Compartilhe isto com seus entes queridos e se você construir uma, compartilhe suas fotos connosco”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil.

Em Portugal, registaram-se 76 mortes, mais 16 do que na véspera (+26,7%), e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 724 novos casos em relação a quinta-feira (+20,4%).

Continuar a ler

Alto Minho

Explosão causada por fuga de gás faz um ferido em Viana

Na Amorosa

em

Foto: Ilustrativa

Um homem sofreu, hoje, ferimentos ligeiros causados por uma explosão de gás numa habitação, na Amorosa, freguesia de Chafé, em Viana do Castelo, tendo sido transportado ao hospital de Santa Luzia, disse fonte dos bombeiros.

Segundo o comandante dos Bombeiros Sapadores de Viana do Castelo, António Cruz, o homem, “com cerca de 50 anos, sofreu queimaduras ligeiras”.

António Cruz explicou que a “explosão teve origem numa fuga de gás, tendo destruído as janelas e algum mobiliário da cozinha da habitação situada na urbanização da Amorosa, na freguesia de Chafé”, acrescetando que “os vidros, persianas e alumínio das janelas caíram para a via pública e causaram danos em cerca de quatro viaturas que se encontram estacionadas naquele local”, explicou.

Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo, o alerta foi dado pela 13:51 e ao local compareceram 17 operacionais e seis viaturas, dos bombeiros sapadores, dos voluntários, e a GNR.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Viana começa a rastrear infeções a partir da próxima semana

Covid-19

em

Foto: DR

O presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho indicou, esta sexta-feira, à Lusa o início da próxima semana para a entrada em funcionamento, em Viana, de um centro de rastreio à covid-19, em modelo “Drive Thru”.

Em declarações à agência Lusa, o socialista José Maria Costa adiantou que aquele centro de rastreio irá funcionar no parque da Escola Superior de Saúde (ESE), situada nas proximidades do hospital de Santa Luzia, em Viana.

José Maria Costa, que é também presidente da Câmara de Viana, adiantou que a informação lhe foi transmitida, esta sexta-feira, pela Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N), que realizou, com recurso a videoconferência, “uma reunião de coordenação com todas as comunidades intermunicipais da região e confirmada pelo presidente do conselho de administração da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM)”.

“Este despiste rápido da doença será realizado em pessoas referenciadas pelas autoridades de saúde e com prescrição médica”, sublinhou.

Nestes centros de modelo “Drive Thru”, os pacientes referenciados deslocam-se dentro do veículo ao ponto de recolha sem entrar em contacto com outras pessoas, reduzindo assim o risco de infeção em cada colheita.

O objetivo destes centros é o de aliviar o afluxo de potenciais suspeitos portadores aos hospitais.

José Maria Costa adiantou que a criação daquele centro se integra na fase de mitigação da pandemia da covid-19, que entrou em vigor em Portugal às 00:00 de quinta-feira, por determinação da Direção-Geral da Saúde, envolvendo todo o sistema de saúde, público e privado.

A fase de mitigação da doença Covid-19 corresponde ao nível de alerta e de resposta mais elevado, uma vez que é ativada quando as cadeias de transmissão estão estabelecidas no país, tratando-se de uma situação de epidemia ativa.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil.

Dos casos de infeção, pelo menos 112.200 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, registaram-se 76 mortes, mais 16 do que na véspera (+26,7%), e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 724 novos casos em relação a quinta-feira (+20,4%).

Dos infetados, 354 estão internados, 71 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Continuar a ler

Populares