Seguir o O MINHO

Braga

RUM: 30 anos de uma rádio que não envelheceu – “Parabéns!”

A RUM – Rádio Universitária do Minho lidera as audiências na cidade de Braga e, em dia de aniversário, entra numa nova era. Muda de instalações, ganha um café-concerto. Nasce uma rádio ‘nova’

em

Fotos: DR

São 30 anos de irreverência, com várias fases e dores de crescimento. A Rádio Universitária do Minho lidera as audiências na cidade de Braga, segundo os barómetros oficiais e em dia de aniversário entra numa nova era. Muda de instalações, ganha um café-concerto. Nasce uma rádio ‘nova’. O MINHO foi conhecer a história da emissora que nunca envelheceu.

Foto: Facebook de Município de Braga

1989. Governo liderado por Cavaco Silva mandou silenciar todas as “rádios livres” e abriu um concurso público. As rádios, piratas até então, são obrigadas a avançarem para o processo de legalização. São atribuídas frequências e as candidaturas abertas.

10 Julho de 1990. Vai para o ar a primeira emissão da Rádio Universitária do Minho (RUM) oficial. O processo de legalização, “difícil e complicado”, teve como rosto principal o presidente da Associação Académica de então, Luís Novais.

“Lembro-me dos momentos em que tive um papel muito ativo na legalização da RUM, naquilo que foi o culminar do trabalho que vinha de outras direções e estava sustentado na persistência de dois colegas que, eles sim, montaram o projeto: o Fernando Araújo e o Norberto Moreira”, haveria de recordar anos mais tarde, Novais.

Foto: Divulgação

Primeiro em 107.8 FM e depois nos atuais 97.5 FM, a RUM assumiu-se “como um projeto irreverente, alternativo à radio mais comercial”, ideários que ainda hoje se mantêm como confirma a O MINHO, Vasco Leão, actual presidente da estação.

Foto: Facebook de Universidade do Minho – Oficial

“A rádio foi sempre crescendo, teve várias fases, e culmina agora com a criação de uma rádio totalmente nova”. Isto é, a RUM deixa as atuais instalações por baixo de uma das residências universitárias em Santa Tecla e passa para o edifício GNRation: “temos estúdios novos, tecnologia totalmente nova e adquirimos uma nova centralidade que irá permitir à rádio continuar a crescer”.

O novo espaço terá um café concerto com a programação a cargo da própria estação: “já fazíamos muita programação de cultura emergente em vários espaços. Agora, teremos um espaço próprio, programado de três em três meses”. A parte de cafetaria será concessionada e o concurso já está a decorrer.

História

Decorria o ano de 1984 quando um grupo de alunos, após a subida do preço das refeições nas cantinas universitárias, decidiu criar uma rádio pirata para mobilizar a comunidade estudantil para esta e outras questões do interesse dos alunos.

Numa época em que as vozes ainda não se faziam ouvir com tanta facilidade como actualmente, o projeto contou com o apoio do reitor de então, João de Deus Pinheiro.

Se programas como o ‘Roxo Urubu’, uma sátira à sociedade bracarense levada a cabo por elementos ligados aos Mão Morta e a outras bandas emergentes na cidade, marcaram o éter dos primeiros tempos, ainda hoje, ‘O Domínio dos Deus’ de Pedro Portela, ‘Só Jazz’ de José Carlos Santos, ‘O Baile dos Bombeiros’ de Ivo Martins ou ‘Blast’ de Emanuel Ferreira continuam, três décadas depois, a brilhar nas ondas hertzianas.

Nestes 30 anos, a rádio já foi, por um dia, ‘tomada de assalto’ pelos Mão Morta, já editou discos de bandas locais, já foi palco para emissões de rádios nacionais e sempre teve exclusivos musicais de bandas internacionais.

Colaboradores

Vasco Leão está à frente dos destinos da RUM desde 2004 e identifica dois marcos antes da sua chegada: “as emissões piratas e o processo de legalização conduzido pelo Luís Novais e que sem ele não teria sido possível”.

Foto: Facebook de Município de Braga

Leão, também ele ex-presidente da AAUM, assume os ‘cursores’ com o objetivo de restruturar financeira e funcionalmente a RUM. “Foi a nossa primeira conquista que aconteceu mais cedo do que o previsto e permitiu desenvolver o projeto que temos hoje”.

Depois houve uma forte aposta na informação e no multimédia. “Em termos de informação, somos uma referência na cidade e não só, cobrimos o que se passa na Universidade trazendo isso para a cidade e não descuramos os restantes concelhos do quadrilátero, sobretudo, Guimarães, onde há um polo universitário”.

Quanto ao audiovisual, a rádio “faz prestação de serviços e é daqui que vem grande parte das receitas”.

Nova fase

Com 15 pessoas nos quadros, alguns com mais de 20 anos de casa, a RUM entra numa nova fase: “a de uma rádio nova, com novas instalações, uma nova centralidade e um novo espaço cultural”.

Elsa Moura, atual diretora de informação da RUM. Foto: Facebook de Município de Braga

“Temos gente muito jovem, recém-licenciada, que ao fim de 4/5 anos partem para outros projetos. Mas esta também é a nossa essência”, reconhece Vasco Leão, um ouvinte RUM ainda antes de entrar na Universidade em Braga. “Sou do Porto e sempre ouvi a rádio. Aliás, temos muitos ouvintes de lá”.

Que venham mais 30 anos, RUM!

Anúncio

Braga

Bombeiro de férias salva jovem de se afogar em Braga

Esta não foi a primeira vez que João Paulo Sá, dos Bombeiros Sapadores de Braga, tirou uma pessoa do rio

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Um bombeiro de férias salvou, esta segunda-feira à tarde, um jovem de afogamento no rio Cávado, na praia fluvial do Parque de Lazer da Ponte do Bico, em Palmeira, Braga.

João Paulo Sá, de 48 anos, Sub-Chefe de 2.ª classe dos Bombeiros Sapadores de Braga, mal teve tempo de se deitar na toalha. Correu para o rio e salvou o homem de 25 anos de afogamento.

Há dois anos atrás João Paulo Sá salvou, juntamente com o cunhado, outro homem de afogamento no mesmo local.

Continuar a ler

Braga

Automóvel e empilhador envolvidos em acidente rodoviário em Braga

Na Estrada Municipal (EM) 1316

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Um empilhador colidiu esta manhã com um automóvel, em frente ao Centro Profissional de Mazagão, na Rua Número 02, na freguesia da Aveleda, em Braga.

Ao que O MINHO apurou, a condutora do carro, de 25 anos, sofreu ferimentos considerados ligeiros, mas recusou ser transportada ao hospital.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O alerta foi recebido cerca das 08:40, tendo o desencarceramento sido ativado, embora não tenha chegado a ser necessário, visto que a vítima a conseguir sair pelos próprios meios.

No local estiveram oito operacionais, incluindo os Sapadores de Braga, com dois meios de socorro.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O trânsito esteve temporariamente condicionado na Estrada Municipal (EM) 1316.

A GNR tomou conta da ocorrência.

Continuar a ler

Braga

Eleições: PS aprova hoje listas de candidatos a deputados com Braga ainda em aberto

Reunião em Lisboa

em

Foto: DR / Arquivo

A Comissão Política Nacional do PS aprova hoje as listas de candidatos a deputados às próximas eleições legislativas, num processo em termos globais pacífico internamente, mas em que Braga tem ainda os seus nomes em aberto.

O processo para a escolha dos candidatos a deputados do PS começou no início deste mês, com as comissões políticas do território nacional a indicarem cerca de dois terços da totalidade dos candidatos, cabendo o restante terço ao secretário-geral do partido, António Costa. Uma repartição que está estipulada nos estatutos do PS.

Na escolha dos cabeças de lista, a opção que prevaleceu foi a da continuidade face aos candidatos apresentados nas eleições legislativas de 2015, principalmente no caso dos maiores círculos eleitorais do país, como Lisboa (com António Costa), Porto (Alexandre Quintanilha) e Setúbal (Ana Catarina Mendes).

A mesma lógica de continuidade existiu nos casos da Madeira (Carlos Pereira), Viana do Castelo (Tiago Brandão Rodrigues), Bragança (Jorge Gomes), Ascenso Simões (Vila Real), Aveiro (Pedro Nuno Santos), Castelo Branco (Hortense Martins), Portalegre (Luís Testa), Évora (Capoulas Santos) e Pedro Carmo (Beja).

O PS apresentará novos “números um” nos Açores (Isabel Maria Rodrigues em substituição do líder parlamentar Carlos César), no Algarve (Jamila Madeira), em Santarém (Alexandra Leitão), Leiria (Raul Castro), Coimbra (Marta Temido), Viseu (João Azevedo) e Guarda (Ana Mendes Godinho).

Na lista do círculo de Lisboa, na parte cimeira, em terceiro lugar, vai figurar Eduardo Ferro Rodrigues, o que indicia que o antigo líder socialista poderá ser de novo candidato à eleição para o cargo de presidente da Assembleia da República na próxima legislatura.

Mário Centeno, ministro das Finanças, chegou a ser apontado como cabeça de lista por Faro, mas deverá ocupar a quinta posição na lista do círculo de Lisboa, após António Costa, a deputada Edite Estrela, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues e a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva.

Neste momento, os casos mais problemáticos para a direção do PS registam-se na Guarda e em Braga.

No caso da Guarda, o nome de Ana Mendes Godinho, atual secretária de Estado do Turismo, não foi contestado pela estrutura distrital – até porque a sua indicação é uma competência do líder partidário -, mas o resto da lista proposta pela direção federativa mereceu a rejeição.

Além do caso da Guarda, a Comissão Política Nacional do PS teve de avocar o processo da Federação de Braga, que aprovou a sua quota de dois terços de nomes para a lista logo no início deste mês.

A Comissão Política da Federação de Braga do PS optou por deixar os primeiros dois nomes da lista em aberto para posterior escolha de António Costa e colocou em terceiro lugar o líder federativo, Joaquim Barreto, seguido por Luís Soares da concelhia de Guimarães.

Neste processo na Comissão Política de Braga, foram deixados de fora para eventual escolha do secretário-geral socialista nomes como o da deputada Sónia Fertuzinhos, ou o do secretário nacional do PS para a Organização, Hugo Pires.

Em Braga, o PS elegeu sete deputados nas eleições legislativas e assume agora como “objetivo mínimo” a eleição de oito ou mesmo nove (tal como aconteceu em 2005 e em 2009).

Este processo de escolha de candidatos a deputados do PS deverá ser hoje contestado pela minoria liderada por Daniel Adrião, cuja fação representa cerca de 15% dos membros da Comissão Política Nacional. Esta corrente minoritária exige ter lugares de candidatos a deputados em lugares elegíveis.

A Comissão Política Nacional do PS reúne-se hoje, a partir das 21:00, na sede nacional deste partido, em Lisboa. Além de António Costa, o processo de escolha dos candidatos a deputados foi coordenado pela secretária-geral adjunta, Ana Catarina Mendes.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares