Seguir o O MINHO

País

Rui Rio avança com “lista própria” ao Conselho Nacional no congresso de Viana

Marcado para 07, 08 e 09 de fevereiro

em

Foto: DR

O reeleito presidente social-democrata, Rui Rio, afirmou no sábado que no congresso do partido vai apresentar uma “lista própria” ao Conselho Nacional, porque há dois anos a tentativa de “unidade” com o opositor, então Pedro Santana Lopes, “não correu bem”.

“Relativamente ao congresso [o 38.º, marcado para 07, 08 e 09 de fevereiro, em Viana do Castelo], vou ceder a todos os que se zangaram comigo por ter feito unidade com Pedro Santana Lopes, que não correu bem. Desta vez, há uma lista própria e os congressistas vão votar”, disse, em resposta aos jornalistas na sala de um hotel do Porto onde fez o discurso de vitória nas eleições diretas do partido.

Para Rio, o resultado de sábado é “inequivocamente claro” e significa que voltou “a ganhar as eleições para presidente do PSD”, para além de ser, do seu ponto de vista, “suficiente para a unidade” no partido.

“Se queria ter mais [percentagem de votos]? Queria ter, como é lógico. Mas isso não é politicamente relevante. Só faltava, após três meses [de campanha eleitoral para as diretas], ainda ver se falta mais um voto aqui ou acolá”, avisou.

Rio observou ainda que “uma coisa” é o presidente do PSD “querer a unidade e dar passos nesse sentido” e “outra coisa é os outros quererem”.

“Aí não consigo fazer milagres”, notou.

Em 2018, após as diretas que opuseram Rui Rio e Pedro Santana Lopes, levando o primeiro a vencer com 54% e o segundo a obter perto de 46%, os dois chegaram a acordo para listas de unidade aos órgãos nacionais do partido, algo que o presidente reeleito agora recusa.

Em janeiro de 2018, Rui Rio foi eleito presidente do PSD com 22.728 votos, correspondentes a 54,1%, contra os 19.244 (45,85%) de Pedro Santana Lopes.

A distância entre aqueles dois candidatos, nas oitavas eleições diretas da história do partido, foi de 3.484 votos.

Rio foi este sábado reeleito com 53,02% dos votos (16.420), derrotando o ex-líder parlamentar Luís Montenegro, que teve 46,98% (14.547), anunciou o Conselho de Jurisdição Nacional do partido pelas 23:20.

Questionado sobre se a diferença de cerca de dois mil votos relativamente a Montenegro pode levar os seus opositores a tentar infernizar o partido, Rio assegurou que, se fosse o perdedor, um voto bastava para que não o fizesse.

“Para mim, um voto a mais de quem ganhasse, era suficiente, se tivesse perdido, para ninguém infernizar a vida de ninguém. Para mim, bastava um voto e eu respeitava”, garantiu.

Quanto à composição das listas para as autárquicas de 2021 e para as eleições regionais nos Açores, o presidente reeleito do PSD frisou contar “com todos que estejam pela estabilidade e com lealdade”.

“Todos têm lugar, desde que obedeçam a este princípio”, frisou.

“Com seriedade e lealdade cabem todos sem exceção”, acrescentou.

Rui Rio descreveu que aceita, “desde pequenino, todas as diferenças de opinião, porque enriquecem”.

“O que não aceito é quando não há diferenças de opinião e se inventam para criar problemas”, notou.

Rio lembrou ainda os três principais objetivos aos quais está “amarrado”, e que foram os que serviram de mote à sua candidatura.

O reeleito presidente começou por referir o “reforço da implantação autárquica e regional nos Açores”.

Relativamente às eleições regionais nos Açores, marcadas para outubro, Rio afirmou que o PS tem naquela região, “há 24 anos, um poder tentacular”.

“Penso que estamos em condições de disputar as eleições taco-a-taco”, frisou.

Rio recordou ainda o compromisso com a abertura do PSD à sociedade civil e com uma “oposição construtiva e credibilizadora”.

“Acredito que servimos o país tanto no governo como na oposição”, destacou.

O presidente do PSD, Rui Rio, e o antigo líder parlamentar Luís Montenegro disputaram no sábado eleições diretas para a liderança do partido, numa inédita segunda volta em que podiam votar 40.604 militantes com as quotas em dia.

O atual presidente do PSD foi o candidato mais votado na primeira volta das diretas, realizada há uma semana, com 49,02% dos votos expressos, enquanto o antigo líder parlamentar social-democrata conseguiu 41,42%.

Miguel Pinto Luz, o terceiro candidato mais votado, obteve 9,55% (3.030 votos) e ficou fora da segunda volta.

Anúncio

País

Os números do Euromilhões

Sorte

em

Foto: DR / Arquivo

É esta a chave do sorteio do Euromilhões desta terça-feira, 25 de fevereiro: 1, 4, 18, 27 e 42 (números) e 4 e 6 (estrelas).

Em jogo para o primeiro prémio está um valor de 51 milhões de euros.

Continuar a ler

País

Mulher suspeita de estar infetada não tem o coronavírus

Covid-19

em

Foto: DR

A mulher proveniente de Milão, em Itália, que foi dada na segunda-feira como o 15.º caso suspeito de Covid-19 em Portugal, recebeu, esta terça-feira, informação de que não está contaminada, anunciou a Direção-Geral da Saúde (DGS).

A mulher estava no Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ) para realizar colheitas de amostras biológicas para análise.

Um outro caso suspeito em Portugal de infeção pelo novo coronavírus de uma pessoa também proveniente de Milão foi na segunda-feira declarado negativo depois de testes realizados no CHUSJ.

Esta terça-feira, um outro homem que viajou também de Milão para Portugal, foi igualmente considerado suspeito de estar infetado, tendo sido encaminhado para São João como o 16.º caso suspeito de Covid-19 no país.

Os restantes 13 casos obtiveram análises negativas, ou seja, não estavam infetados.

O único caso conhecido de um português infetado pelo novo vírus é o de um tripulante de um navio de cruzeiros que está hospitalizado no Japão.

Em todo o mundo, o balanço provisório da epidemia do coronavírus Covid-19 é de 2.707 mortos e cerca de 80.300 pessoas infetadas, de acordo com dados reportados até esta terça-feira, por cerca de 30 países.

Além de 2.665 mortos na China, onde o surto começou no final do ano passado, há registo de vítimas mortais no Irão, Coreia do Sul, Itália, Japão, Filipinas, França e Taiwan.

A Organização Mundial de Saúde declarou o surto do Covid-19 como uma emergência internacional e alertou para uma eventual pandemia, após um aumento repentino de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão nos últimos dias.

Continuar a ler

País

Português detido por tráfico de medicamentos para a disfunção sexual

Em Espanha

em

Foto: Ilustrativa / DR

A polícia espanhola anunciou hoje a detenção de 47 pessoas, incluindo um português, envolvidas numa rede de tráfico de medicamentos para a disfunção sexual da Ásia para vários países europeus, entre os quais Portugal.

Numa “grande operação” contra o tráfico ilegal de drogas em várias províncias espanholas foram detidas 47 pessoas, “todas de nacionalidade espanhola, exceto um cidadão português”, que foram acusados de crimes contra a saúde pública, pertença a uma organização criminosa, fraude, contrabando e lavagem de dinheiro.

De acordo com um comunicado da Guarda Civil (correspondente à GNR), a venda dos medicamentos ilegais era feita em todo o território de Espanha, assim como em países como Portugal, Reino Unido, França, Alemanha, Itália e Rússia.

O líder da rede criminosa foi preso no Dubai, onde estava escondido, sendo procurado com três mandados de captura internacionais.

A rede importava da Malásia grandes quantidades de medicamentos, como Tadalafil e Sildenafil, princípios ativos diagnosticados para o tratamento da disfunção erétil, passando-os como suplementos alimentares naturais.

Foram realizadas 12 buscas domiciliares, 55 inspeções de locais de venda deste tipo de produto, bem como bloqueadas 59 páginas da internet e 39 contas bancárias.

“Estes produtos, uma vez manuseados no nosso país [Espanha], destinavam-se a ser vendidos em locais como ginásios, ervanárias, ‘sex-shops’ e através da internet”, explica o comunicado da polícia.

A investigação começou há mais de um ano e foi iniciada por uma queixa anónima que fez com que várias remessas aduaneiras da Malásia, suspeitas de conter princípios ativos de medicamentos sem serem declaradas como tal, começaram a ser seguidas.

Continuar a ler

Populares