Seguir o O MINHO

País

PS considera “sem fundamento” criticas sobre recusa em reduzir preço de gás de botija

José Luís Carneiro em Guimarães

em

Foto: DR / Arquivo

O secretário-geral adjunto do PS considerou hoje “sem fundamento” a acusação de Jerónimo de Sousa que afirmou que os socialistas recusaram as propostas para reduzir o preço do gás de botija para manterem os “lucros milionários” de grandes empresas.

Em Guimarães, para o primeiro fórum local “Confiança no futuro”, José Luís Carneiro salientou o “esforço para minorar os efeitos dos custos energéticos” feito pelo Governo.

Esta manhã, o secretário-geral do PCP acusou o PS e o PSD de “impediram” a redução da taxa de IVA sobre as bilhas de gás para os 6%, “só para servir os interesses” das grandes multinacionais.

“A critica do PCP, do nosso ponto de vista, não tem fundamento e trata-se de olhar para a árvore e não olhar para a floresta”, respondeu o responsável pelo PS quando confrontado as acusações de Jerónimo de Sousa.

Sobre os fóruns locais “Confiança no futuro”, José Luís Carneiro adiantou que inicialmente estava prevista a realização de 60 sessões, mas que esse número já aumentou.

“Neste momento já temos cerca de 100 agendados começamos com 60, mas já temos 100 programados até segunda-feira”, disse.

Segundo explicou, esta iniciativa “é um amplo movimento de auscultação da sociedade”.

“O objetivo é ouvir com muita atenção pessoas de várias áreas e procurar incorporar as propostas apresentadas nos eixos fundamentais da nossa visão para o país”, apontou.

Da primeira sessão, disse, “saiu um conjunto de propostas já bastante objetivas sobre melhorias que se podem introduzir na autonomia das escolas, formação profissional, cultura, autonomia da administração hospitalar, Saúde”, entre outras áreas.

“As propostas recolhidas vão ser enviadas ao gabinete de estudos nacional do PS, sendo que os contributos de nível distrital ficarão para os gabinetes de cada distrito para os compromissos distritais e depois aquelas que tenham que ver com o programa nacional serão integrados nas propostas de desenvolvimento nacional”, explicou.

Populares