Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Presidente da Câmara de Viana apela à suspensão da campanha eleitoral

Covid-19

em

Foto: CM Viana do Castelo

O presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, apelou hoje à suspensão da campanha eleitoral para as eleições presidenciais de 24 de janeiro.

Em comunicado, o autarca mostra-se preocupado com a evolução no número de óbitos registada e que, só hoje, ultrapassa as duas centenas, e aos milhares de portugueses internados nos hospitais de todo o país.

De acordo com o edil, este cenário configura “uma situação grave e que deve merecer todo o respeito e, acima de tudo, a compreensão e apoio a todos os familiares e entes queridos dos afetados pela pandemia”.

Para José Maria Costa, neste momento, os portugueses estão já devidamente esclarecidos das suas opções de voto, pelo que, para o cidadão comum e para os familiares enlutados ou com os seus entes queridos em situação de risco de vida ou em tratamento,  começa a ser difícil de aceitar que nos meios de comunicação social e logo após reportagens sobre o seu sofrimento, surja uma campanha eleitoral que, muitas vezes, ultrapassa aquilo que é o sentido cívico de esclarecimento necessário em democracia para raiar o insulto ou a deselegância não compagináveis de todo com a situação atual do país.

“O país está a sofrer profundamente, temos milhares e milhares de pessoas que estão a dar o seu melhor no Serviço Nacional de Saúde, outros que estão a sofrer profundamente e que não conseguem fazer o seu luto adequadamente e não se entende que se continue a fazer campanha eleitoral como se nada estivesse a passar-se. Apelo, pois, ao bom senso e ao sentido de humanidade de todos os candidatos para que suspendam a campanha e respeitem os que estão a ser vítimas desta implacável pandemia”, defendeu.

“Como responsável político, começo a ter dificuldade em entender a continuação desta campanha e tenho obrigação de dar apelar ao respeito pela vida e pelos que estão a sofrer”, enfatizou, rematando que “situações excecionais precisam de decisões excecionais”.

As eleições presidenciais estão marcadas para o próximo dia 24 de janeiro.

Populares