Seguir o O MINHO

Ave

PJ detém 11 empresários por suspeitas de burla, fraude e branqueamento

Terão lesado o Estado em cerca de dois milhões de euros

em

Foto: PJ

A Polícia Judiciária (PJ) deteve hoje 11 empresários na região Norte por suspeitas de crimes como fraude fiscal qualificada, burla tributária e fraude contra a Segurança Social, lesando o Estado em cerca de dois milhões de euros.


ATUALIZAÇÃO

Número de empresários detidos por suspeitas de burla e fraude sobe para 12

Em comunicado, a PJ adianta que os 11 empresários são de diferentes ramos de atividade e são ainda suspeitos dos crimes de associação criminosa, branqueamento e falsificação de documentos.

As 11 detenções – sete homens e quatro mulheres com idades entre os 25 e 55 anos – aconteceram no decurso de cerca de 40 buscas domiciliárias e não domiciliárias realizadas nos concelhos de Paços de Ferreira, Paredes, Porto, Vila Nova de Gaia, Santo Tirso, Guimarães, Maia, Marco de Canaveses e Felgueiras.

De acordo com o apurado até ao momento pela investigação, desenvolvida pela PJ do Porto em articulação com a Autoridade Tributária – Direção de Finanças do Porto, o presumível líder desta associação criminosa, proprietário de gabinetes de contabilidade manteve, entre 2016 e 2017, em conluio com terceiros, uma prática reiterada e constante de comportamentos para obtenção de benefícios fiscais indevidos para os seus clientes, nomeadamente em reembolsos de IVA e na diminuição artificial da matéria coletável para efeitos de IRC, colhendo desse modo proveitos e benefícios a que sabia não terem direito, adianta.

Para o efeito, refere a PJ, foram declarados dados falsos à Autoridade Tributária, emitindo faturas de compras e prestações de serviços por meios informáticos em nome de sujeitos passivos cuja contabilidade tinham a seu cargo.

“Elaboraram falsos documentos, designadamente contratos de trabalho, declarações de rendimentos, recibos de salários, inscrição ou manutenção de trabalhadores em empresas, declarações fiscais e da Segurança Social e outros, de modo a obterem para terceiros vantagens atribuídas pelo Estado e a aprovação de créditos junto de instituições financeiras, bem como a concessão de apoios no âmbito dos programas de financiamento, nomeadamente o ‘Portugal 2020’”, esclarece a PJ.

Segundo esta força policial, com este “esquema criminoso” esta “associação criminosa” e o grupo de sociedades envolvidas terão lesado o Estado em cerca de dois milhões de euros, relativamente ao IVA e IRC.

A operação policial envolveu cerca de 120 elementos, incluindo a participação de magistrados judiciais e do Ministério Público, investigadores da Diretoria do Norte e dos Departamentos de Braga e Aveiro da PJ e inspetores tributários da Direção de Finanças do Porto da Autoridade Tributária.

No decurso da operação foram apreendidas várias viaturas, equipamentos informáticos, telemóveis, documentação contabilística e fiscal a “evidenciar relevância probatória”, salienta a PJ.

Os detidos vão ser presentes ao Tribunal de Instrução Criminal para primeiro interrogatório judicial e aplicação de eventuais medidas de coação.

Anúncio

Ave

Um ferido após despiste em Fafe. Carro ficou na iminência de tombar

Em Travassós

em

Foto: Ivo Borges / O MINHO

Uma pessoa ficou ferida na sequência de um despiste em Fafe, ao início da noite desta terça-feira. O carro esteve prestes a tombar numa pequena ravina, valendo o trabalho dos bombeiros.

O acidente ocorreu na Rua do Arieiro, em Travassós, com alerta a ser dado às 22:33. Por motivos ainda não apurados, a viatura entrou em despiste acabando por tombar num pequeno barranco que dava para outra estrada inferior.

Foto: Ivo Borges / O MINHO

No local estiveram sete operacionais e duas viaturas dos Bombeiros de Fafe, uma ambulância Suporte Imediato de Vida do INEM e militares da GNR.

Fonte dos bombeiros disse que o ferido já estava fora do veículo à chegada da emergência, não sendo necessário desencarceramento.

Foto: Ivo Borges / O MINHO

A vítima foi transportada para o Hospital Senhora da Oliveira, em Guimarães, com ferimentos considerados ligeiros.

Testemunha no local disse a O MINHO que os bombeiros efetuaram “um grande trabalho” pela forma como “escoraram e estabilizaram a viatura”, impendindo que a mesma tombasse para o acesso inferior.

A GNR registou a ocorrência.

Continuar a ler

Guimarães

Aluimento de muro faz tombar camião a um campo em Guimarães

Junto às pedreiras de Gondomar

em

Foto: António Cardoso / O MINHO

Um camião de transporte de brita tombou a um campo de cultivo, na tarde de segunda-feira, em Guimarães, provocando avultados danos na zona da cabine.

Ao que apurou O MINHO junto de testemunhas, a viatura procedia a manobras na Estrada Municipal 538, em Gondomar, em frente aos acessos da pedreira Nicolau de Macedo, explorada pelo grupo barcelense ABB, e a quem pertence a viatura, quando um muro terá aluído, provocando um deslizamento de terra e consequente tombo do camião.

Foto: António Cardoso / O MINHO

Foto: António Cardoso / O MINHO

Foto: António Cardoso / O MINHO

Fonte daquela pedreira disse a O MINHO que o muro estava já bastante danificado naquela zona, onde estava a ser feita a pavimentação da via pública.

A mesma fonte indica que o local já tinha vestígios de aluimentos anteriores, mas nada tão grave como o que aconteceu na segunda-feira.

“Felizmente, do acidente não resultou qualquer ferido, apenas danos avultados ao nível da cabine do camião”, disse a fonte.

Foto: António Cardoso / O MINHO

Foto: António Cardoso / O MINHO

Foto: António Cardoso / O MINHO

Ao que apurou o nosso jornal junto de fonte da empresa, há a possibilidade da pedreira pedir uma indemnização à Câmara Municipal, que é a gestora daquela estrada. “Estamos a avaliar essa situação”, disse.

A GNR de Guimarães esteve no local e registou a ocorrência.

Continuar a ler

Ave

Têxtil de Famalicão cria “sweat” com gola que substitui a máscara

Covid-19

em

Foto: Divulgação

Uma têxtil de Vila Nova de Famalicão vai lançar, no outono, uma “sweat” que tem integrada uma gola de proteção, alternativa à máscara facial, com elevados níveis de filtração e respirabilidade, anunciou hoje a gerente.

Em declarações à Lusa, Márcia Oliveira sublinhou que a ideia foi criar uma “sweat” simultaneamente eficaz, funcional e atrativa.

“É um produto pensado essencialmente para o regresso às aulas. Em vez de terem de andar sempre com a máscara, os alunos terão apenas de levar a ‘sweat’, ficando o problema resolvido de uma forma ‘fashion’ e prática”, referiu.

Disse ainda que o produto se destina também às atividades de grupo, como caminhadas.

A gola ajusta-se ao rosto e, na zona frontal, agrega uma membrana de nanofibra que, segundo Márcia Oliveira, confere um nível de filtração de 99,9 por cento de todos os microorganismos e partículas perigosos presentes no ar.

Todas as peças têm acabamento antimicrobial de última geração, com efeito neutralizador de vírus envelopados, como é o caso do Sars Cov-2.

Ambas as tecnologias já foram testadas pelo Textile Research Institute, de Espanha, e pelo Institut Pasteur de Lile, na França, respetivamente.

A “sweat” estará disponível no mercado a partir do final de setembro.

O mercado nacional é o alvo imediato, mas a empresa já está a “fazer alguns contactos” com vista à exportação, designadamente para Espanha e França.

Com sede em Fradelos, Famalicão, a MO Tex – Márcia Oliveira Têxteis foi fundada há cerca de meio ano.

Pouco depois, surge a pandemia de covid-19 e a consequente crise económica e social, que obrigou muitas empresas a reinventarem-se.

“Foi o que fizemos. Nascemos com uma confeção têxtil ‘normal’ e rapidamente virámos a agulha para produtos que não estavam, obviamente, no nosso horizonte mas que passaram a ser prioritários por causa da pandemia”, explicou Márcia Oliveira.

Além da “sweat”, a MO Tex decidiu também apostar em máscaras, golas que servem que máscaras e calças de fato de treino.

Continuar a ler

Populares