Seguir o O MINHO

Braga

Condenado por “esmurrar” e “pontapear” bombeiro enquanto a casa ardia em Vila Verde

Na noite de Natal

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

Um homem foi condenado a dois anos e seis meses de prisão, com pena suspensa, pelo crime de ofensa à integridade física de um bombeiro da corporação voluntária de Vila Verde, num caso que remonta à madrugada de Natal (24 para 25 de dezembro) de 2018.

Segundo a acusação do Ministério Público, a que O MINHO teve acesso, o agressor “esmurrou repetidamente” um dos 15 bombeiros que combatiam um incêndio habitacional que deflagrou na noite de Natal, em Barros, zona Norte do concelho de Vila Verde.

O bombeiro terá sofrido “vários pontapés” em “diversas zonas do corpo”, enquanto desenrolava uma mangueira, resultando em vários hematomas e escoriações e num período de incapacitação profissional de dez dias.

O condenado ainda apresentou queixa contra o operacional, alegando que este lhe desferiu um pontapé numa perna, mas o processo acabou arquivado pelo MP por não existirem provas que apontassem nesse sentido.

Do incêndio em questão, resultou a destruição total de um telhado de uma moradia de classe média/alta, que tinha sido recentemente recuperada.

Na origem do incêndio estará um recuperador de calor. Os tubos terão aquecido demasiado e, em contacto com vigas de madeira que suportavam o telhado, deflagraram o incêndio.

Anúncio

Braga

Pai ferido após ser agredido pelo filho dentro de casa em Braga

Violência doméstica

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

A PSP deteve na madrugada de hoje, em Braga, um homem de 46 anos suspeito de violência doméstica sobre o pai, anunciou aquela força.

Em comunicado, a PSP refere que a vítima apresentava “vários ferimentos” e que o suspeito, mesmo na presença dos agentes policiais, continuou a proferir ameaças.

Encontrava-se “bastante exaltado e com uma atitude agressiva”, pelo que foi detido.

Continuar a ler

Braga

Cruz Vermelha de Braga acolhe os 20 sem-abrigo que dormem nas ruas

Estrutura abre, segunda-feira, na escola de Nogueira

em

Foto: Ilustrativa / DR

A Cruz Vermelha de Braga acolhe, a partir de segunda-feira, os 20 sem-abrigo da cidade numa estrutura montada para o efeito no pavilhão desportivo da Escola de Nogueira.

O seu presidente, Armando Osório disse a O MINHO que os cidadãos que ainda dormem nas ruas, serão ali acolhidos, tendo direito a cama e a comida, bem como apoio médico, social e psicológico.

No espaço, cuja montagem teve apoio da Câmara local e da Segurança Social e quem tem capacidade para 30 pessoas, haverá, ainda, locais para higiene pessoal, e uma estrutura de segurança.

A delegação de Braga tem já em funcionamento na mesma freguesia um Centro de Acolhimento Temporário que acolhe os sem-abrigo da urbe, mas que se encontra lotado.

Disponibiliza, ainda, um serviço de refeições que é aberto a todas as pessoas que estejam em situação de carência social.

Armando Osório sublinhou, ainda, que o organismo reforçou os seus serviços de apoio à população mais idosa, nomeadamente através de apoio domiciliário.

Continuar a ler

Braga

INL de Braga projeta testes rápidos para pandemias, mas já não vai a tempo da Covid-19

Covid-19

em

Foto: Divulgação

O Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), em Braga, pretende investir, nos próximos três anos, cerca de 5 milhões de euros numa investigação que visa criar um dispositivo para testes “rápidos, práticos e eficazes” em situações de pandemia.

Lorena Diéguez, coordenadora da área da saúde do INL e uma das investigadoras envolvidas naquele projeto, disse hoje à Lusa que aquele dispositivo permitirá prever a gravidade que o vírus atingirá em cada pessoa.

“A grande vantagem é que, para fazer o teste, não será preciso fazer chegar as recolhas a nenhum laboratório especializado e certificado. O teste poderá ser feito em qualquer lado, como centros de saúde, aeroportos ou fábricas, e numa hora o resultado é conhecido”, explicou.

A candidatura para a investigação vai ser entregue na terça-feira, ficando depois o avanço dependente da aprovação e do respetivo financiamento.

O projeto envolve centros de investigação e empresas tecnológicas de Portugal, Espanha, Dinamarca, Grécia e Alemanha, podendo ainda ser alargado a uma entidade francesa.

“Naturalmente, não chegaremos a tempo de acudir à pandemia da covid-19, mas o dispositivo é facilmente aplicável a outra qualquer virose, bastando para tanto adaptar os reagentes usados no chip”, disse ainda Lorena Diéguez.

No fundo, explicou, o dispositivo consistirá numa “pequena máquina” e num chip descartável.

À Lusa, fonte oficial do INL disse que este laboratório ibérico abriu posições para dez novos engenheiros de investigação e também dois investigadores, para reforçar a capacidade de desenvolver novos projetos e fortalecer as capacidades internas, nomeadamente no setor de saúde.

Um setor, sublinha, “que se tornou agora ainda mais crítico, após desafios globais que todos enfrentamos perante o surgimento da covid-19”.

“A contratação de novos investigadores vai ser particularmente benéfica em áreas como o diagnóstico e o desenvolvimento de protótipos”, acrescentou.

Citado em comunicado, o diretor-geral do INL, Lars Montelius, refere que o laboratório está consciente da sua responsabilidade, “mais ainda agora que todas as atenções e esperanças se voltam para a ciência e para aqueles que trabalham para resolver problemas complexos, como é a pandemia que mudou a forma como vivemos em todo o mundo”.

“É por isso que precisamos de mais pessoas para desenvolver e fazer acontecer a ciência para o benefício de todos. Este é o momento de fortalecer a ciência, e o INL está totalmente comprometido com essa missão”, disse ainda.

Continuar a ler

Populares