Seguir o O MINHO

Futebol

“Não temos o talento de outros, mas temos um carácter fantástico e o cheiro a suor”

Declarações no final do Gil Vicente FC-Belenenses SAD (2-0)

em

Declarações após o jogo Gil Vicente-Belenenses SAD (2-0), da 16.ª jornada da I Liga de futebol, disputado hoje no Estádio Cidade de Barcelos, em Barcelos.

Vítor Oliveira (treinador do Gil Vicente): “Foi uma vitória muito importante, perante um adversário direto, que queria inverter a imagem deixada no último jogo [goleada caseira sofrida diante do SC Braga, por 7-1]. Demos uma resposta boa e conquistámos uma vitória justa.

Pelo que fizemos nos primeiros 30 minutos, podíamos ter ido para o descanso em vantagem. Não conseguimos por ineficácia nossa, mas, na segunda parte, alcançámos dois golos e fechámos a primeira volta em casa sem derrotas, o que nos orgulha depois de termos recebido FC Porto, Sporting, Vitória SC e SC Braga.

Não temos o talento de outros adversários, mas temos um carácter fantástico e o cheiro a suor, fator importantíssimo no campeonato. O Gil Vicente trabalha muito e quando está organizado é difícil para qualquer oponente. Não somos tão eficazes quanto gostaríamos no plano ofensivo, mas funcionamos como uma equipa.

A invencibilidade caseira deve-se ao espírito coletivo. Queremos fazer do nosso estádio uma casa importante para nós e os próprios resultados ditam isso. Vamos continuar a querer ser fortes nos jogos em Barcelos e durante os treinos.”

Pedro Ribeiro (treinador do Belenenses SAD): “A nossa imagem foi totalmente distinta face ao último jogo, apesar de termos perdido. O futebol é assim: as equipas mais serenas, normalmente ganham.

O Gil Vicente conseguiu sê-lo em detrimento de nós próprios. Vi um jogo equilibrado, em que a equipa com mais estabilidade emocional conquistou os três pontos. O futebol é um jogo de competência e o adversário foi mais competente que nós.

Ganhámos ao Desportivo das Aves, ao Paços de Ferreira e ao Tondela, três equipas à nossa semelhança e que também lutam pela permanência. A forma como perdemos em Barcelos e em Moreira de Cónegos foi igual à forma como derrotámos essas equipas.

De pouco importam as boas exibições quando não trazemos pontos. Não queremos vitórias morais e vínhamos aqui claramente à procura dos três pontos. Não conseguimos, ficámos desiludidos por isso, mas há que seguir em frente e trabalhar.

Naturalmente queríamos estar mais acima, mas a diferença pontual entre estar um patamar ou cinco posições acima da linha de água é muito curta e reflete o equilíbrio da I Liga, que é ainda mais notório esta temporada. Hoje lutámos e estivemos comprometidos do primeiro ao último minuto, mas apanhámos uma equipa eficaz na fase decisiva do jogo.

Hoje estreámos dois sub-23 [Tomás Castro e Edi Semedo]. Independentemente de o jogador ser mais jovem ou mais experiente, o treinador precisa de qualidade. É uma questão de oportunidades. Aqueles grandes jogadores que estamos habituados a ver na televisão tiveram de ser lançados algum dia, caso contrário, não conseguiam atingir o estrelato. No Belenenses SAD apostamos em quem devemos apostar por mérito.”

Anúncio

Desporto

Plantel do Gil Vicente empenhado em manter atividade física à distância

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

O médico do Gil Vicente, António Araújo, explicou hoje que os futebolistas do nono classificado da I Liga estão prevenidos para a pandemia da covid-19, enquanto se mantêm ativos em casa com planos individuais de treino.

“Olhamos para esta situação com alguma seriedade, mas sem alarmismos, até porque é fundamental apostar na consciencialização da sociedade civil. No nosso caso, adotámos todas as medidas de prevenção com jogadores, funcionários e respetivas famílias, para que o risco de contágio entre eles seja o menor possível”, frisou o líder do departamento médico dos minhotos ao sítio oficial da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) na Internet.

Além das instruções sociais destinadas a minimizar qualquer possibilidade de infeção, os pupilos de Vítor Oliveira receberam um esquema para conservar a “forma física e psicológica”, tendo em conta as limitações impostas pelo estado de emergência.

“Derivado de fatores de risco e antecedentes de lesão, alguns atletas têm especificidades no treino atribuído, mas todos estão a cumprir à regra e são monitorizados por videoconferência. Em paralelo, os jogadores respondem todos os dias a um questionário para acompanhar sintomas que possam indicar uma possível infeção”, elucidou.

Perante a “diminuição substancial” dos gastos energéticos, em virtude da paragem das competições profissionais decretada em 12 de março pela LPFP, o Gil Vicente também adaptou planos nutricionais às exigências físicas de cada jogador.

“O isolamento social não é uma realidade que seja agradável e usual. É difícil para toda a gente e não só para os jogadores de futebol. Eles tentam, apesar de tudo, compensar esta lacuna através do contacto não presencial, mas é evidente que já existem alguns sinais de ansiedade e de preocupação, também originados pelas dúvidas existentes”, observou.

António Araújo considera ser “prematuro” antever o ritmo de crescimento do novo coronavírus em Portugal, deixando prognósticos sobre um eventual regresso à normalidade quando for atingido o pico epidemiológico.

“Há que cumprir as diretivas dadas pelos órgãos de soberania, sendo importante manter o exercício físico, tendo em conta as consequências originadas por este cenário de isolamento social. O exercício pode e deve ser realizado, seja em casa ou numa zona isolada perto do local de residência, por um curto espaço de tempo”, aconselhou.

A I Liga está suspensa por tempo indefinido e o Gil Vicente entra para as 10 jornadas finais na nona posição, com 30 pontos, 14 acima da ‘linha de água’, numa temporada marcada pela reintegração administrativa na elite, na sequência do ‘caso Mateus’.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 112.200 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, registaram-se 76 mortes e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde.

Dos infetados, 354 estão internados, 71 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram. Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Continuar a ler

Futebol

Federação Portuguesa de Futebol cancela campeonatos de futebol dos escalões de formação

Covid-19

em

Foto: FPF

Os campeonatos de futebol e futsal dos escalões de formação da época 2019/20 foram hoje cancelados pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), devido à pandemia da covid-19.

“Devem dar-se por concluídas as competições nacionais de todos os escalões de formação de futebol e futsal, masculinas e femininas, não resultando das mesmas qualquer efeito desportivo imediato”, anunciou hoje em comunicado a FPF, acrescentando que “não serão atribuídos títulos nas referidas competições, nem aplicado o regime de subidas e descidas”.

Esta decisão decorre do entendimento de que “a prioridade de pais, avós, filhos e netos deve ser, obviamente, a de se dedicarem à proteção uns dos outros e às exigências escolares, em nome do direito à proteção da saúde”, atendendo ao atual estado de emergência.

O Benfica liderava a fase de apuramento do campeão de juniores, após quatro das 14 jornadas, com 12 pontos, mais três do que o Rio Ave.

Em juvenis, as ‘águias’ venceram a série sul e o FC Porto a série norte, que antecedia a fase final, enquanto nos iniciados os ‘dragões’ eram os primeiros a norte, o Anadia no centro e o Sporting no sul.

Benfica e Sporting dividiam a liderança da fase de apuramento de campeão do Nacional de juniores em futebol feminino, após uma jornada.

O cancelamento dos campeonatos nacionais de futebol e futsal dos escalões de formação, masculinos e femininos, é acompanhado pelas “22 associações distritais e regionais que vão igualmente dar sem efeito as suas competições destinadas aos escalões de formação de futebol e futsal”.

“A decisão agora tomada visa proteger a população, especialmente os jovens e as crianças que amam o futebol, salvaguardando-os e a todos os seus familiares de perigos bem presentes. Desta forma, assegurar-se-á o valor primordial da saúde e o desenvolvimento desses jovens e crianças, em segurança e estabilidade possíveis”, lê-se ainda no comunicado da FPF.

As competições nacionais dos escalões de formação tinham sido suspensas por duas semanas, em 10 de março, dois dias antes de a FPF ter decidido suspender todas as competições, incluindo as seniores, que assim permanecem.

“A situação provocada pela pandemia de covid-19 continuará a ser monitorizada pelo grupo de emergência criado pelo presidente da FPF, que poderá rever – ampliando ou reduzindo – as medidas agora implementadas”, remata o organismo.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 112.200 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, registaram-se 76 mortes e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde.

Dos infetados, 354 estão internados, 71 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram. Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Continuar a ler

Futebol

Portugal desce um lugar e é 32.º no “ranking” feminino da FIFA

Futebol

em

Foto: pintrest.com / DR

Portugal voltou a descer uma posição no “ranking” mundial feminino da FIFA e é agora 32.º classificado, depois de perder os três jogos que disputou na Algarve Cup, segundo a classificação, esta sexta-feira, divulgada.

Na edição deste ano do torneio algarvio, a equipa comandada pelo selecionador Francisco Neto perdeu no início de março com a Itália (14.ª do mundo), por 2-1, com a Bélgica (17.ª), por 1-0, e com a Suécia (5.ª), por 2-0.

A melhor classificação da equipa das “quinas” no “ranking” da FIFA continua a ser o 30.º lugar, obtido em março do último ano.

Na liderança do “ranking” continuam as campeãs mundiais, os Estados Unidos, à frente da Alemanha, segunda, e em terceiro surge agora a França, que ultrapassou os Países Baixos, cuja seleção, vice-campeã mundial e campeã europeia, caiu para quarto.

Entre as seleções adversárias de Portugal no grupo E de apuramento para o Europeu de futebol de 2021, a Escócia é 21.ª (subiu um lugar), a Finlândia é 30.ª (desceu dois lugares), a Albânia passou a 75.ª (subiu dois lugares) e o Chipre é 123.º (desceu seis posições).

O apuramento para o Europeu está suspenso, com o jogo de 10 de abril em casa da Finlândia a ser adiado, tal como todos os jogos sob a égide da UEFA, devido à pandemia da Covid-19, que parou as competições em quase todo o mundo.

A seleção feminina portuguesa esteve pela primeira vez num campeonato Europeu em 2017, com o apuramento para a edição organizada pelos Países Baixos, sendo eliminada na fase de grupos, depois de perder com a Espanha e a Inglaterra, e vencer a Escócia.

Continuar a ler

Populares