Seguir o O MINHO

Braga

Ministério Público investiga furto de um milhão através de “phishing” em Braga

Num processo com 50 arguidos

em

Inquérito em fase de conclusão no DIAP do Tribunal de Braga. Com mais de 50 arguidos, que terão furtado, através do método de phishing, e a partir de Braga, cerca de um milhão de euros de dezenas de contas bancárias, a maioria das quais do Montepio Geral, mas também, em muito menor número, do antigo Banif.

O esquema, que começou em 2012 e se prolongou até 2018, partiu de um núcleo de três homens, que arranjaram outros tantos “piratas informáticos”, os quais acediam às contas bancárias de cidadãos e empresas, delas retirando quantias várias, de valores que podiam ir dos mil aos dez mil euros. Na maioria dos casos, os lesados deixavam-se enganar por falsos e-mail’s do banco e davam os códigos de acesso, permitindo a fraude.

O primeiro furto conhecido remonta a agosto de 2013, quando os hackers acederam à conta de depósito à ordem de um homem de apelido Várzea, através do serviço de internet banking “Net 24”, do Montepio, transferindo 1995 euros para a conta de um dos principais arguidos. O qual levantou 1950 euros em dinheiro, nesse dia, da sua conta.

No dia 27, foram à conta, pelo mesmo modo, da vítima anterior e de um homem de apelido Teixeira, retirando 1950 euros de cada uma delas. Seguram-se mais 55 assaltos, em prejuízo de 47 pessoas ou empresas. Mais de 200 mil euros, nesta fase.

A investigação começou em 2014, tendo dado os primeiros resultados em 2017 altura em que o Tribunal de Instrução ouviu dois dos arguidos, dos seis já constituídos. Depois disso, alargou-se a dezenas de outras intrusões bancárias…

Usavam contas de terceiros

A PJ concluiu que os mentores do crime recorriam às contas bancárias de terceiros, para não se exporem demasiado, ou seja, as transferências eram feitas da conta do lesado para as de amigos ou familiares dos arguidos, sendo levantadas e entregues aos arguidos.

Este procedimento foi-se alargando na zona e no país, estendendo-se ao Brasil onde pessoas conhecidas dos criminosos recebiam o dinheiro na conta, levantando-o e transferindo-o, através de agências de câmbios, para Braga.

Em certos casos, foram feitas compras fictícias em empresas controladas pelos arguidos, caso da “Boi d’ouro” e da “RebeldStatus”.

Em algumas situações, os lesados detetaram a fraude e conseguiram que o Montepio anulasse a transferência, com a respetiva devolução do dinheiro.

Se o utente de uma dada conta bancária não notasse que lhe havia “desviado” dinheiro, os arguidos repetiam a dose, furtando-lhe várias vezes, dois mil euros, como sucedeu com um que ficou sem dez mil.

Montepio é seguro

Contactada, a PJ/Braga não se pronuncia, tendo um dos seus responsáveis dito, apenas, que todos os dias aparecem pessoas a queixar-se de fraudes na Internet, bancárias ou comerciais. Por seu turno, o jurista João Ferreira Araújo, que defende outro, disse a O MINHO que desconhece a evolução do inquérito, depois do interrogatório em 2017, do seu constituinte.

Já o Montepio respondeu – de acordo com uma notícia do Jornal de Notícias – dizendo que “a segurança dos clientes em qualquer um dos canais – home banking, app ou mesmo no balcão – e a proteção dos depósitos, dados e transações, sempre foi uma preocupação”. Para isso, – acrescenta – “dispõe de mecanismos de segurança robustos, e avançados tecnologicamente, que garantem níveis exigentes de segurança e privacidade nas plataformas, infraestruturas e serviços”.

Isso permite, também, “assegurar os mecanismos de autenticação e autorização das operações dos clientes, em qualquer um dos canais (autenticação forte)”

Além disso, “dada a rápida evolução das ciberameaças, o Banco divulga recorrentemente, no seu site, recomendações e as melhores práticas de segurança, bem como avisos e material de consulta, para identificação de possíveis riscos e ameaças”.

PJ alerta clientes

No seu site, a PJ lembra que” cabe aos utilizadores tomarem medidas de segurança suplementares”, atendendo aos “avisos de fraude” dos bancos. Aconselham ainda a que não preencham” ou não entreguem em páginas da Internet” os dígitos relativos ao “cartão matriz”. Pede que não cedam as contas bancárias para “receção de dinheiros movimentados ilicitamente” ou de cuja proveniência não esteja “certo de ser legítima” o que constitui crime punível com pena de prisão.

Anúncio

Braga

Covid-19: Bombeiro dos Sapadores de Braga com teste positivo

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

Um elemento da Companhia de Bombeiros de Sapadores de Braga acusou positivo no teste de despistagem à Covid-19, apurou O MINHO junto de fonte da corporação.

O elemento em questão fez um transporte de um doente covid positivo no passado dia 17 de março, levando a que efetuasse o teste de despistagem, que acusou positivo.

O elemento faz parte de um turno de 22 elementos, onde alguns dos bombeiros apresentam sintomas do novo coronavírus.

O MINHO sabe que os elementos que permanecem fora de quarentena têm de assegurar o turno dos elementos que contactaram com o bombeiro infetado, levando a um receio de sobrecarga de trabalho por parte destes profissionais.

(Notícia atualizada às 00h29)

Continuar a ler

Braga

Há uma nova linha de apoio Covid-19 para utentes de Braga

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Os utentes do ACES do concelho de Braga passam a ter uma nova linha telefónica e três Áreas Dedicadas Covid-19 (ADC) a funcionar diariamente, das 08:00 às 20:00 horas, de forma a não incentivar o contacto presencial, anunciou o agrupamento de centros de saúde.

Para além da Linha SNS24 (808 24 24 24) já existente, surge agora a Linha COVID Braga (220 411 194), com atendimento feito por parte de especialistas em medicina geral e familiar do ACES de Braga.

Para além do número, a ACES Braga conta com ADC (para atender casos suspeitos de Covid-19) em Infias, na Rua Padre António, n.º 7 (253 201 580), em Maximinos, no Largo Paulo Orósio (253 209 230) e em Carandá, na Praça Cândido Costa Pires (253 201 510).

Continuar a ler

Braga

Utente da AAPACDM de Braga em estado crítico. 40 utentes ficam fechados 14 dias nos lares

Covid-19

em

Foto: Divulgação

Um utente e uma funcionária do lar da APPACDM de Lomar, em Braga, acusaram positivo nos testes de despistagem ao nova coronavírus, disse a O MINHO fonte da instituição.

Há um outro utente com sintomas e que já fez o teste, mas ainda não há resultado. O resultado será quarentena obrigatória para 40 utentes e sete funcionários, dentro de três lares.

Utente e funcionária da APPACDM de Braga infetados. Lares entram em quarentena

Segundo António Melo, presidente da direção da APPACDM de Braga, os lares de Lomar, São Lázaro e Gualtar vão entrar em quarentena obrigatória a partir desta noite, com cerca de 40 jovens e sete funcionários a permanecerem dentro das instalações durante os próximos 14 dias.

O responsável explica que o jovem infetado pertencia ao Centro de Atividades Ocupacionais mas não frequentava a instituição desde 13 de março, nem nunca frequentou o lar residencial.  Quanto à funcionária infetada, o diretor explica que a infeção pode não ter sido contraída no lar.

Os restantes utentes e funcionários vão ser sujeitos ao teste de despistagem da doença, que devem ser conhecidos nos próximos dias, enquanto permanecem em quarentena dentro dos lares.

António Melo disse que cada utente será confinado a um quarto e será servido por uma funcionária, de modo a evitar múltiplos contactos.

“É uma situação muito difícil de gerir porque vários jovens têm doenças do foro mental e não vão querer estar confinados o dia todo num quarto”, alertou o responsável a O MINHO.

Em declarações ao Correio do Minho, a diretora-téncnica da APPACDM de Lomar revelou que o homem infetado, de 44 anos, estará em estado crítico, e já possui histórico de problemas respiratórios.

Queixas de funcionários

Alguns trabalhadores do organismo apontam críticas à direção por não ter tomado medidas anteriores, mas António Melo refuta-as, indicando que está a proceder conforme as determinações das autoridades de saúde.

Há ainda queixas de que existem ameaças para com os funcionários para que estes trabalhem, acusação também negada pelo diretor.

Sobre a ausência de apoio médico, António Melo explica que o enfermeiro habitual está a trabalhar no Hospital de Famalicão, que acresce o risco de contaminar os utentes, face a essa exposição.

O responsável reforça ainda que cada jovem está em quarto individual e isolado, por determinação da saúde pública.

Continuar a ler

Populares