Seguir o O MINHO

Região

Minho registou 16 mortes por afogamento em 2018

Relatório

em

Morreram 16 pessoas por afogamento em 2018, no Minho, de acordo com o Relatório Nacional de Afogamento hoje divulgado pela Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores (FEPONS). Oito no distrito de Braga (cinco homens e três mulheres) e oito no distrito de Viana do Castelo (seis homens e duas mulheres).

No Alto Minho, sete dos oito óbitos registados aconteceram em rios.

Foto: Estudo

Lisboa (12%), Setúbal (10.3%), Aveiro (9.4%) e Faro (8.5%) foram os quatros distritos que registaram maior número de mortes por afogamento do que Braga e Viana do Castelo (6.3%).

Portugal registou 117 mortes por afogamento em 2018, menos 4,1% do que no ano anterior.

No páis, segundo os dados do relatório, a maioria das mortes ocorreu em pessoas com idades acima dos 40 anos e foram mais homens que mulheres, 88 e 28 respetivamente.

Abril foi o mês em que se registaram mais casos, com 16 afogamentos (13,7%), seguido de setembro e outubro, com 15 (12,8% cada), sendo a tarde o período do dia com mais registos, 42,7%, e a terça-feira o dia em que ocorreram mais mortes (18,8%).

De salientar no relatório é que os registos das mortes nos meses da época balnear, entre maio e setembro, são inferiores (44,4%) ao dos meses fora da época balnear (55,6%).

Nos meses de junho a setembro registaram-se 45 mortes por afogamento o que, comparando com os dados de 2017, 51 mortos, indica uma descida de 11,8%.

No mar é onde mais pessoas continuam a morrer, com 43 registos (36,8%), seguido dos rios, com 35 (29,9%) e barragens, 12 (10,3%). Em 2018 registaram-se, igualmente, oito mortes (6,8%) em poços e seis em piscinas domésticas (5,1%).

Em relação à distribuição geográfica, a maioria das mortes ocorreu no distrito do Porto, com 18 mortes (15,4%), Lisboa com 14 (12%) e Setúbal com 12 (10,3%).

De acordo com o relatório, a maior parte das mortes aconteceu quando as pessoas estavam a tomar banho recreativamente, 19 casos (16,2%), e em atividades ligadas à pesca com cana, 12 (17,1%).

A maioria das mortes (71 casos) não foi presenciada por ninguém, tendo 46 tido a presença de alguém no momento, enquanto 27 casos foram alvo de tentativa de salvamento e em 90 deles não houve qualquer tentativa.

O Relatório Nacional de Afogamento de 2018 foi elaborado com dados estatísticos obtidos pelo Observatório do Afogamento, criado pela Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores, após recomendações da Organização Mundial de Saúde e da Internacional Lifesaving Federation, que catalogaram o afogamento como um problema de saúde pública.

A Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores lança agora a segunda fase da campanha de prevenção “SOS Afogamento” para escolas de natação, uma iniciativa que difunde trimestralmente conselhos de segurança com base estatística do Observatório do Afogamento.

Esta fase promove a segurança aquática nas escolas de natação portuguesas, através de um processo de certificação da FEPONS, aumentando a prevenção do afogamento em Portugal e tornando as escolas de natação mais atrativas, estando disponível no site da Federação.

A campanha de prevenção tem o apoio da Internacional Lifesaving Federation – Europe, da Federación Latinoamericana de Salvamento y Socorrismo, da Fundação Vodafone Portugal.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Alto Minho

Alvarinhos de Monção e Melgaço triunfam nos Óscares do vinho verde

Cinco vinhos alvarinhos de Monção e de Melgaço arrebataram os prémios “Best of 2019”

em

Foto: Divulgação / Arquivo

Cinco vinhos alvarinhos de Monção e de Melgaço arrebataram os prémios “Best of 2019” do Concurso “Os Melhores Verdes”, que foram entregues esta quinta-feira noite na Sala do Arquivo, na Alfândega do Porto.

A eleição dos melhores vinhos verdes é uma iniciativa anual da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV) e esteve a cargo, este ano, de um júri composto por “críticos e provadores de sete países, selecionados nos principais mercados de exportação do vinho verde”, informou o organismo.

Desde 2009 que a CVRVV inclui a categoria “Best Of” no Concurso Melhores Verdes, visando promover um “Top 5” alvo de maior divulgação e promoção internacional, e este ano os distinguidos “são uma vitória unânime da casta Alvarinho da sub-Região de Monção e Melgaço”, uma das nove da Região Demarcada dos Vinhos Verdes.

Os vinhos “Best Of 2019” são Valados de Melgaço Reserva Alvarinho 2017, Encosta dos Castelos Alvarinho 2018, Dom Ponciano Colheita Seleccionada Alvarinho 2013, Vinha Antiga Escolha Alvarinho 2017 e Portal do Fidalgo Alvarinho 2018.

O júri deste concurso elegeu ainda 12 referências na categoria Ouro, entre 291 amostras a concurso, agrupadas nas categorias Vinhos Verdes Brancos, Rosados, Tintos, de Casta, Colheita igual ou anterior a 2016, Espumantes, Aguardentes e Regional Minho.

Entre os vinhos premiados com o ouro figuram dois “Best Of”, o Dom Ponciano Colheita Seleccionada Alvarinho 2013, na categoria Colheita anterior a 2016, e o Encosta dos Castelos Alvarinho 2018, na da casta Alvarinho.

Os outros premiados com Ouro são Quinta dos Encados Grande Escolha 2018 (Branco), Desfiado Reserva 2018 (Rosado), Quinta da Samoça Vinhão 2018 (Tinto), Ardina Colheita Seleccionada 2018 (Arinto), Quinta de Linhares 2018 (Avesso), Vale do Homem 2018 (Loureiro), Opção Azal 2018 (Azal), Alvarinha (Aguardente), Muralhas de Monção Branco Reserva Bruto Alvarinho 2015 (Espumante) e Quinta de Gomariz Colheita Seleccionada Alvarinho 2018 (Regional Minho).

O prémio “A melhor Vinha 2019”, que reuniram 15 concorrentes, foram para a Quinta da Calça (Esposende), Quinta de Ornellas (Amares) e Solar das Bouças (Amares), o de “Melhor Viticultor do ano” foi entregue a João Tomás (Quinta da Calça) e o de “Vinha e Ambiente” coube à Quinta de Santiago.

O presidente da CVRVV, Manuel Pinheiro, disse à agência Lusa que o triunfo dos alvarinhos na categoria “Best Of” mostra que “é uma casta internacionalmente” reconhecida” e que esses “vinhos estão prontos para a exportação e serão bem recebidos nos mercados externos”.

“A esmagadora maioria dos vinhos verdes exportados são de lote e o alvarinho ainda está ser descoberto como uma grande casta a nível mundial. A Região tem é que agarrar esta oportunidade”, acrescentou, referindo que a nova aposta deve ser “valorizar” o produto” mais do que “crescer”.

Manuel Pinheiro declarou-se ainda “muito satisfeito pelo número recorde” de 291 vinhos concorrentes e pelos prémios atribuídos, pois “o último ano foi difícil e ainda assim conseguiram-se bons vinhos”, mérito, em sua opinião, da “viticultura, que tem sido a alavanca da região”.

Continuar a ler

Braga

Procissão do “Ecce Homo” saiu às ruas em Braga – imagens

FOTOGALERIA

em

Fotos: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

A Procissão do Senhor “Ecce Homo”, que se repete, todos os anos, na Quinta-feira Santa, saiu esta noite às ruas, em Braga.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Procissão é organizada, desde os tempos antigos, pela Irmandade da Misericórdia, evocando “o julgamento de Jesus, ao mesmo tempo que celebra a misericórdia por Ele ensinada”.

Segundo é explicado no site da Semana Santa de Braga, “abre o cortejo o exótico grupo dos farricocos com grosseiras vestes de penitência, descalços e encapuçados, de cordas à cinta, como outrora os penitentes públicos, uns empunhando matracas e outros alçando fogaréus (taças com pinhas a arder). Daí chamar-se também «Procissão dos Fogaréus». Integrados na procissão, os fogaréus evocam os guardas que, munidos de archotes, foram, de noite, prender Jesus”.

“A imagem do Senhor “Ecce Homo” (ou “Senhor da cana verde”) representa o Cristo que se declarara rei e que o governador romano pôs a ridículo pondo-lhe na mão um simulacro de ceptro (uma cana verde). Foi assim que Pilatos o apresentou à multidão, dizendo: ― “Eis aí o Homem!” (“Ecce Homo”)”.

A página oficial da Semana Santa de Braga está acessível através do endereço semanasantabraga.com.

Continuar a ler

Guimarães

Posto de combustível em Guimarães assaltado pela quarta vez esta semana

PJ investiga

em

Um posto de abastecimento de combustíveis, na Rodovia de Covas, em Urgezes, Guimarães, foi assaltado, esta quinta-feira, por volta das 18:00 horas.

Segundo conta o Guimarães Digital, que avança a notícia, esta foi a quarta vez, só esta semana, que aquela bomba da Galp foi visitada por o assaltante que, ao que se presume, será o sempre o mesmo.

O suspeito, que poderá ter “entre 17 e 18 anos”, exigiu o dinheiro ao funcionário do posto e colocou-se em fuga pelas traseiras.

A PSP tomou conta da ocorrência, enquanto a PJ continua a investigar.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Patrocinado

Reportagens da Semana

Populares