Redes Sociais

Região

Militar morto na Guerra Colonial sepultado em Vila Verde

a

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Os restos mortais de um militar vilaverdense falecido há 56 anos na Guerra Colonial, em Angola, foram este domingo sepultados no Cemitério Paroquial de Ponte de São Vicente, em Vila Verde, sempre num ambiente com grande comoção, principalmente por parte da sua irmã.

A urna do 2º cabo Aquilino Silva Gonçalves tinha chegado este sábado ao Aeroporto de Francisco Sá Carneiro, na Maia, tendo sido finalmente sepultado na sua terra natal, Ponte de São Vicente, na zona Norte de Vila Verde, já perto da margem direita do Rio Homem.

As cerimónias fúnebres foram hoje presididas pelo arcipreste de Vila Verde, padre Carlos Lopes, tendo custado cerca de oito mil euros, dos quais 6.500 destinados ao Estado da República Popular de Angola, sendo os outros 1.500 para pagar a uma agência funerária.

Vítima de um acidente de viação, o vilaverdense, nascido em 1940, faria 78 anos em 2018 e tinha dez irmãos, entre os quais Otília Gonçalves, que nunca desistiu de concretizar a transladação do militar para a sua freguesia, em Vila Verde, com o apoio de um português, Carlos Rosa, que já tinha conseguido trazer para Portugal restos mortais de outro militar.

Sempre sem ajuda do Estado da República Portuguesa, o processo decorreu no Cemitério do Sassa, da Província do Bengo, onde permaneciam, já desde outubro de 1961, os restos mortais deste militar então integrado no Batalhão de Artilharia 147 do Exército Português e que deixou assim aquele cemitério já abandonado, nos arredores da cidade do Caxito, a mais de 60 quilómetros de Luanda, a capital de Angola, para regressar agora a Vila Verde.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

Choque entre dois carros deixa duas mulheres feridas na Avenida João XXI

Ao princípio da noite desta sexta-feira.

Publicado

a

Foto: O MINHO

Um choque entre dois carros provocou ferimentos em duas mulheres, esta sexta-feira, no cruzamento da Avenida João XXI com a Rua Doutor Francisco Duarte, na zona de Santa Tecla, em São Victor, Braga.

Foto: O MINHO

O acidente ocorreu aparentemente quando um carro que seguia pela Avenida João XXI, chocou com um outro, vindo da Rua Doutor Francisco Duarte, das traseiras do Palácio da Justiça de Braga, tendo o primeiro veículo andado ainda cerca de 30 metros, até embater contra uma árvore logo seguir à paragem de autocarro.

Foto: O MINHO

A condutora do automóvel que seguia desde o início pela Avenida João XXI sofreu vários ferimentos, assim como outra mulher, esta dentro do carro que sofreu o impacto, mas as duas sinistradas não apresentavam ferimentos graves, continuando a ser assistidas ainda no Hospital de Braga.

Foto: O MINHO

Os primeiros socorros foram prestados pelos Bombeiros Sapadores de Braga e pelo INEM a ambas as mulheres, tendo agentes da Esquadra de Trânsito da PSP de Braga registado a ocorrência.

Continuar a ler

Guimarães

Farfetch: Empresa do vimaranense José Neves entrou hoje na bolsa em Nova Iorque

A Farfetch é a primeira empresa tecnológica portuguesa a entrar na New York Stock Exchange (NYSE), principal índice da Bolsa de Nova Iorque.

Publicado

a

José Neves, à esquerda, em Nova Iorque, no dia em que a Farfetch entrou na bolsa. Foto: Facebook

A empresa Farfetch, retalhista digital de marcas de luxo fundada por o vimaranense José Neves e com ligações à cidade, desde a sua fundação, entrou esta sexta-feira, 21 de setembro, na bolsa de valores de Nova Iorque, com mais de 44 milhões de ações a 27 dólares cada (23 euros).

Em julho, a empresa que emprega mais de 3.000 trabalhadores nas áreas da fotografia, desenvolvimento de ‘software’, ‘design’ e outras, inaugurou o 13.º escritório mundial, na cidade de Braga e espera um novo edifício para servir de sede em Guimarães.

Vídeo: CNBC

Hoje, em Nova Iorque, menos de dez minutos depois do início das negociações, o valor de cada ação já estava a rondar os 28,5 dólares (24,3 euros ao câmbio atual).

A primeira empresa tecnológica portuguesa a entrar na New York Stock Exchange (NYSE) é agora reconhecida na bolsa sob a abreviatura “FTCH”, cerca de um mês depois de apresentar os documentos e oficializar o pedido de cotação, em 20 de agosto.

A entrada da Farfetch na NYSE aconteceu às 11:30 de Nova Iorque (16:30 em Lisboa), com as presenças do empresário português fundador, José Neves, do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e de representantes das instituições bancárias que prepararam o processo de candidatura.

A cerimónia do toque do sino aconteceu às 09:30 locais e foi acompanhada por muitos convidados, empresários e investidores.

Na oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês), a Farfetch iniciou a dispersão de capital de 44.243.749 milhões de ações a 27 dólares cada, o que excedeu o preço inicial previsto, que começou com o intervalo de 15 a 17 dólares.

A Farfetch “está a criar riqueza para o país e está hoje, aqui, a dar uma notoriedade às nossas empresas tecnológicas”, afirmou o ministro da Economia português, Manuel Caldeira Cabral, acrescentado que este facto pode “atrair ainda mais investidores para Portugal”, fazendo alusão à forma como o Governo tem ajudado os empreendedores através do programa Startup Portugal.

José Neves, fundador da Farfetch, tem residência em Guimarães e em Londres. Foto: DR/Arquivo

A Farfetch “é uma empresa que trabalha em Portugal para o mercado global (…), que está a ajudar outras ‘startup’ portuguesas (…), que está a alavancar marcas portuguesas, mas é óbvio que tem grandes marcas de todo o mundo”, disse.

O ministro lembrou que, quando o atual Governo entrou em funções, “havia quem discutisse se esta empresa já valia mil milhões de euros”.

“Agora essa discussão está totalmente ultrapassada”, acrescentou o governante.

Empresas como a Farfetch já se estão a desenvolver em Portugal, criando um “valor em termos de criação de tecnologia e de emprego muito grande”, disse Manuel Caldeira Cabral.

O ministro da Economia considerou que José Neves, fundador da Farfetch, está a ajudar na “preparação de outras ‘startup’ portuguesas, para, quem sabe, daqui a quatro ou cinco anos, estarem elas” em Nova Iorque, a estrearem-se em bolsa.

Portugal pode ser um mercado “demasiado pequeno” para “projetos feitos em Portugal, altamente tecnológicos”, que colocam o país ao lado dos melhores, declarou.

A Farfetch é uma plataforma digital de comércio de luxo, que junta mais de 3.200 marcas a mais de 935.000 utilizadores, apresentando soluções de apresentação ‘online’ e envio dos produtos.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Guimarães

Guimarães quer voltar a receber Taça do Mundo de ginástica artística em 2019

Guimarães já entregou a candidatura à Federação Internacional de Ginástica (FIG).

Publicado

a

Taça do Mundo de Ginástica Artística em Guimarães. (2018) Foto: Facebook de Multiusos de Guimarães

Guimarães entregou uma candidatura à Federação Internacional de Ginástica (FIG) para organizar, pela segunda vez, a Taça do Mundo de ginástica artística, em 2019, anunciou hoje a Tempo Livre, régie-cooperativa municipal ligada ao desporto.

A cidade minhota acolheu a prova pela primeira vez em 2018, de 14 a 17 de junho, tendo reunido no seu pavilhão multiusos cerca de 100 ginastas, oriundos de 21 países, e apresentou uma candidatura a organizar novamente o evento no próximo ano, através da Federação de Ginástica de Portugal, em parceria com a Câmara Municipal de Guimarães e com a Tempo Livre.

A cooperativa responsável pela gestão dos equipamentos desportivos municipais, em Guimarães, justificou a candidatura com a capacidade da cidade “para acolher grandes eventos”, a “qualidade e versatilidade do multiusos” e o “considerável retorno gerado pelos eventos de ginástica” anteriormente realizados.

Cartaz de 2018. Foto: Divulgação

Em maio e junho de 2018, a cidade acolheu não só a Taça do Mundo de ginástica artística, mas também o campeonato do mundo de ginástica aeróbica e as finais dos campeonatos nacionais em múltiplas variantes da ginástica, tendo reunido cerca de 1.500 atletas de 47 países.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Populares