Seguir o O MINHO

Região

Militar morto na Guerra Colonial sepultado em Vila Verde

em

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Os restos mortais de um militar vilaverdense falecido há 56 anos na Guerra Colonial, em Angola, foram este domingo sepultados no Cemitério Paroquial de Ponte de São Vicente, em Vila Verde, sempre num ambiente com grande comoção, principalmente por parte da sua irmã.

A urna do 2º cabo Aquilino Silva Gonçalves tinha chegado este sábado ao Aeroporto de Francisco Sá Carneiro, na Maia, tendo sido finalmente sepultado na sua terra natal, Ponte de São Vicente, na zona Norte de Vila Verde, já perto da margem direita do Rio Homem.

As cerimónias fúnebres foram hoje presididas pelo arcipreste de Vila Verde, padre Carlos Lopes, tendo custado cerca de oito mil euros, dos quais 6.500 destinados ao Estado da República Popular de Angola, sendo os outros 1.500 para pagar a uma agência funerária.

Vítima de um acidente de viação, o vilaverdense, nascido em 1940, faria 78 anos em 2018 e tinha dez irmãos, entre os quais Otília Gonçalves, que nunca desistiu de concretizar a transladação do militar para a sua freguesia, em Vila Verde, com o apoio de um português, Carlos Rosa, que já tinha conseguido trazer para Portugal restos mortais de outro militar.

Sempre sem ajuda do Estado da República Portuguesa, o processo decorreu no Cemitério do Sassa, da Província do Bengo, onde permaneciam, já desde outubro de 1961, os restos mortais deste militar então integrado no Batalhão de Artilharia 147 do Exército Português e que deixou assim aquele cemitério já abandonado, nos arredores da cidade do Caxito, a mais de 60 quilómetros de Luanda, a capital de Angola, para regressar agora a Vila Verde.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

Parada de Natal atraiu milhares a Braga

“Braga é Natal”.

em

Foto: Facebook de Altino Bessa

A Parada de Natal, iniciativa que integra a programação natalícia do “Braga é Natal”, atraiu este domingo milhares de pessoas à cidade que é capital do Minho.

População local e forasteiros, assistiram ao desfilar de soldadinhos de chumbo, bailarinas, circo de malabares, trenós, duendes, elfos, o Pai Natal e a rena Rudolfo, num cortejo que encheu as ruas de cor e alegria.

Foto: Facebook de Altino Bessa

Na Praça da República, onde está instalada a árvore de Natal, foram também muitos os que aproveitaram para ver o espetáculo de luz e som que ali decorre, a todas as horas, durante três minutos, e, claro está, para tirar as selfies da praxe junto do ex-líbris da época que se vive.

Braga é Natal durante um mês

O programa “Braga é Natal” teve início no passado dia 01, e prolonga-se durante o mês de dezembro, com uma agenda que inclui mais de 200 espetáculos e iniciativas com música, dança, teatro, circo, literatura, cinema, exposições e gastronomia.

Continuar a ler

Braga

Câmara de Braga transfere 5,5 milhões para pagar dívida dos TUB

TUB – Transportes Urbanos de Braga.

em

Novos autocarros elétricos. Foto: Facebook de Município de Braga (Arquivo)

A Câmara de Braga vai transferir 5,5 milhões de euros para pagar a dívida contraída desde a sua constituição em 1999, pelos TUB – Transportes Urbanos de Braga.

“O Município apenas efetuou transferências para cobrir os prejuízos verificados nos exercícios de 2006, de 2008, de 2009 e de 2013”, salienta a proposta da sua Administração, a qual sublinha que, com exceção de 2013, o primeiro ano de mandato da atual maioria PSD/CDS, os TUB tiveram cinco anos sucessivos de resultados líquidos positivos.

Recorda que o Município “inscreve nas suas preocupações de coesão social a prática de preços do transporte que facilitem a mobilidade de pessoas de mais baixos recursos e/ou com especiais necessidades de deslocação por razões que se relacionam com as necessidades do seu dia a dia, especialmente os estudantes”. Para 2019 não haverá aumentos de tarifas.

Considera, ainda, que as obrigações de índole social que o Município se impõe em matéria de transporte coletivo de passageiros estão atribuídas aos TUB, cujo objeto social principal consiste precisamente na prestação de serviço público de transporte de passageiros.

Anualmente, e ao contrário do que sucede em Lisboa e no Porto, a Administração Central apenas transfere o montante de 103 mil euros para compensação de passes sociais, nomeadamente estudantis.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Bolo-rei de 50 metros deliciou Viana

Dezasseis pastelarias de Viana do Castelo voltaram a juntar-se, pelo segundo ano, para confeccionar e servir um bolo-rei com 50 metros de perímetro e cerca de 500 quilogramas. Foi este sábado, na Praça da República, e foram muitas as pessoas da cidade e os turistas que participaram na iniciativa, considerada “um sucesso” pela organização. A acompanhar o bolo-rei, foi ainda oferecido vinho do Porto. Imagens: Facebook de Câmara Municipal de Viana do Castelo

em

Dezasseis pastelarias de Viana do Castelo voltaram a juntar-se, pelo segundo ano, para confeccionar e servir um bolo-rei com cerca de 50 metros de perímetro e 500 quilogramas. Foi este sábado, na Praça da República, e foram muitas as pessoas da cidade e os turistas que participaram na iniciativa, considerada “um sucesso” pela organização. A acompanhar o bolo-rei, foi ainda oferecido vinho do Porto.

Continuar a ler

Populares