Seguir o O MINHO

Desporto

Mariana Machado bate recorde pessoal nos 1.500 metros em Madrid

em

Foto: DR / Arquivo

Mariana Machado, do SC Braga, bateu o recorde pessoal nos 1.500 metros, com 4.12,52 minutos, ficando a menos de um segundo de bater o recorde nacional sub-23. Aconteceu em Madrid, onde a jovem atleta de Celeirós terminou a distância no nono lugar do meeting internacional.

Detentora do recorde nacional de juniores nos 1.500, o qual conseguiu bater por três vezes, a bracarense esteve inserida na comitiva portuguesa que disputou o open, onde Patrícia Mamona esteve em destaque após conquistar o bronze no triplo salto.

Pela terceira vez esta época: Mariana Machado bate recorde nacional de juniores nos 1.500 metros

Quem esteve em grande plano, também, foi Cátia Azevedo (Sporting), que obteve um recorde pessoal nos 400 metros em pista coberta (5.ª, com 53,10 segundos).

No lançamento do peso, Francisco Belo (Benfica), foi sétimo, com 19,90 metros. O vencedor foi o croata Filip Mihaljevic, com 21,74 m arrancados no último ensaio, ultrapassando o polaco Konrad Bukowiecki (21,73).

Nos 60 metros, o sportinguista Yazaldes Nascimento foi sexto na eliminatória com 6,76 segundos.

Quanto ao triplo-salto, Nelson Évora fez três saltos nulos.

Anúncio

Desporto

Patrocinador do SC Braga vai comprar dez ventiladores para o Hospital de Braga

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A empresa de apostas ‘online’ Betano está a apoiar, através da iniciativa “SC Braga Solidário” o hospital daquela cidade, contribuindo para arrecadar 270 mil euros, para fazer face à pandemia de covid-19, adiantou em comunicado.

Este valor será usado para comprar dez ventiladores, 15 mil máscaras e 500 fatos de proteção hospitalar, detalhou a empresa, recordando que o apoio faz parte de uma iniciativa contínua e prolongada que a Betano “está a desenvolver nos países europeus onde opera e que começou com a doação de 250 mil máscaras para o sistema de saúde na Grécia e está a ser atualmente lançada na Roménia e em Chipre”, indicou o grupo.

A iniciativa em Portugal, disse a Betano, conta com “pequenos números, mas que tornam maiores instituições como o SC Braga, a fazer a diferença no apoio à sua cidade e ao seu país”.

Continuar a ler

Desporto

Capitã do AVC Famalicão, médica e ‘salva-vidas’: Vanessa e a luta contra a pandemia

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A voleibolista e médica Vanessa Rodrigues, capitã do AVC Famalicão, trocou o equipamento pela bata a tempo inteiro e está envolvida na luta contra a covid-19, que, disse hoje à agência Lusa, “não dá tréguas”.

“É uma luta dura. Não tenho fins de semana e todos os dias são segunda-feira”, disse Vanessa Rodrigues, a médica/distribuidora, de 32 anos, que após o Europeu2019 se despediu da seleção nacional, da qual também era capitã, precisamente “por motivos profissionais”.

Embora sem estar na linha da frente do combate ao novo coronavírus, Vanessa Rodrigues, enquanto médica de saúde pública, está na retaguarda, na não menos importante missão de gestão dos contactos de risco, identificação, deteção, isolamento profilático e vigilância.

Tendo como áreas de intervenção a Póvoa de Varzim e Vila do Conde, uma das zonas de Portugal com maior comunidade chinesa, que na primeira fase da doença com origem em Wuhan mereceu especial atenção, Vanessa Rodrigues esteve na linha da frente dos primeiros planos de contingência.

“A comunidade chinesa na primeira fase [de contenção à pandemia de covid-19] requereu especial atenção, mas acabou por se revelar uma comunidade bem organizada e cumpridora das medidas implementadas”, admitiu a profissional da Administração Regional de Saúde do Norte, IP.

Com cerca de 12 horas de trabalho por dia, Vanessa Rodrigues reconhece que conciliar o dia-a-dia de médica, numa altura tão exigente como esta para os profissionais de saúde, com a de atleta de alta competição “é uma tarefa praticamente impossível”.

“Neste momento, é mesmo impossível a conciliação. Estou a 200% como profissional de saúde e 200% na proteção da saúde pública”, admitiu Vanessa Rodrigues, que disputou o último jogo pelo AVC Famalicão em 07 de março, relativo à meia-final da Taça de Portugal, frente ao FC Porto, em Santo Tirso.

“Já nessa altura estava a trabalhar cerca de 12 horas por dia”, recordou Vanessa Rodrigues, admitindo que tem pouco tempo para se dedicar ao treino personalizado, mas que o faz, sempre que pode, para bem da sua “saúde física e escape mental”.

O facto de contar com a experiência de muitos anos como atleta de alta competição de voleibol, Vanessa Rodrigues encara de forma diferente a situação de emergência nacional que se vive no país e consegue “manter o foco e não virar a cara a esta luta”.

“Acredito que o meu ‘background’ como atleta de alta competição me permite ser mais resiliente, orientar uma equipa multidisciplinar, manter o foco e não virar a cara a esta luta, dia após dia, continuamente”, defendeu.

Vanessa Rodrigues, em jeito de conselhos para enfrentar a pandemia do novo coronavírus, recomenda às pessoas para não entrarem em pânico, adotarem uma atitude consciente, informada e racional, e seguirem as indicações da Direção-Geral da Saúde (DGS).

A médica recomenda, para conter a transmissão do vírus, o distanciamento social, etiqueta respiratória e a lavagem das mãos e, no sentido de ocupar da melhor forma os dias em isolamento profilático, exercício físico e alimentação saudável.

“É importante que se mantenham saudáveis e não diminuam a resistência do sistema imunitário. Para isso, é preciso que se mantenham ativos fisicamente e mentalmente, comam de forma adequada e desfrutem à janela do ar puro e dos raios de sol”, observou.

A atleta diz que, mais do que as medidas aplicadas pelo Governo, DGS e forças de segurança, “têm que ser as pessoas a manter o bom caminho, seguindo, inequivocamente, todas as indicações e recomendações dadas por estas instituições”.

“Depois da tempestade, vem a bonança. Eu não posso, mas quem puder, fique em casa”, pediu Vanessa Rodrigues.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 905 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 46 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 176.500 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro de 2019, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia, e o continente europeu é neste momento o mais atingido, com perto de 33.000 mortos e acima de 490 mil pessoas infetadas.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril, registaram-se 187 mortes e 8.251 casos de infeções confirmadas, segundo o balanço feito na quarta-feira pela DGS.

Continuar a ler

Desporto

Principais ligas europeias de futebol têm até 03 de agosto para terminarem campeonatos

Covid-19

em

Foto: DR

As principais ligas europeias de futebol têm até ao dia 03 de agosto para encerrar a atual época, tendo a UEFA deixado nas mãos de cada federação a decisão de retomar ou dar por terminados os seus campeonatos.

Essa recomendação da UEFA foi hoje transmitida pelo presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Fernando Gomes, na reunião que manteve com os presidentes da Liga e dos clubes das competições profissionais, na sequência do encontro da UEFA com as suas filiadas devido à pandemia da covid-19.

Fonte ligada ao processo confirmou à agência Lusa que foi fixado o dia 03 de agosto como prazo limite para as federações do top-15 do futebol europeu, enquanto as federações abaixo terão de ter os seus campeonatos decididos ainda antes dessa data.

Deste modo, e de acordo com a mesma fonte, cada federação terá a possibilidade de decidir o que fazer, se completa a sua competição e em que formato, ou se opta por dar por concluída a sua prova.

Esta reunião ocorreu no mesmo dia em que a UEFA, através de videoconferência, se reuniu com 55 federações que são membros do organismo regulador do futebol europeu, incluindo a Federação Portuguesa de Futebol.

À exceção da Bielorrússia, todos os campeonatos europeus estão suspensos devido à pandemia da covid-19, sendo que, no caso de Portugal, as I e II ligas estão paradas desde 12 de março.

Continuar a ler

Populares