Seguir o O MINHO

Caminha

Maestro de Caminha vai dirigir orquestras na Bielorrússia, Itália e Geórgia

Lourenço Cruz já recebeu sete prémios internacionais em direcção de orquestras dos quais dois primeiros lugares: “É o reconhecimento de que o estou a fazer é o caminho certo e isso é reconfortante”

em

O maestro Lourenço Cruz, com raízes em Caminha, vai dirigir nos próximos meses algumas das mais importantes orquestras do Mundo. Em Minsk, na Bielorrússia, terá a seu cargo a Orquestra da Rádio Televisão da Bielorrússia e Orquestra Nacional da Bielorrússia, depois dá um salto a Itália Rimidi para ficar à frente da Chamber Orchestra e finalmente na Geórgia, a Geórgia Summer Festival.

Lourenço Cruz é filho de pais emigrados em França, onde nasceu, mas aos oito anos muda-se ‘de armas e bagagens’ para o concelho de Caminha. Apesar de ser de uma família com fortes ligações musicais, é o desporto e mais concretamente o remo, que lhe enche as medidas.

Só por volta dos 14/15 anos quando andava na Escola Profissional de Música de Viana do Castelo, “é que comecei a trabalhar e a estudar com mais profundidade”, é que o gosto pela música foi surgindo.

“O primeiro ano custou-me muito” mas “os professores muito bons que tive aliado ao ambiente saudável que existia foram importantes”. Aqui destaca o professor Paulo Silva, “foi ele que me pôs o bichinho da música” como um dos pilares desta altura. O trompete assume a condição de instrumento prioritário e será neste instrumento que fará a formação superior.

Foto: DR

Tira o curso no Conservatório de Música de Vigo onde o professor José Vicente Simeon o vai marcar. “Foi preciso fazer provas para entrar”.

A verdade é que a direcção de orquestra é transversal a este percurso: “sempre me interessei pelo papel dos instrumentos dentro de uma orquestra e a direcção foi sempre algo que me chamou atenção”.

Direcção de orquestra

“Gerir 80/90 pessoas depois de criar algo e fazer com que o público responda de forma positiva é o que me preenche”, diz o maestro reconhecendo que a direcção de orquestra é completa: “precisamos de investigar o compositor, o seu carácter, a época, o estilo e depois transmitir isso aos músicos para fazer com que chegue ao público. Para mim, é fantástico”.

O resultado está à vista: já recebeu sete prémios internacionais em direcção de orquestras dos quais dois primeiros lugares.

“É o reconhecimento de que o estou a fazer é o caminho certo e isso é reconfortante”.

Foto: DR

Um dos mais recentes aconteceu no concurso Internacional de Direção de Orquestra, realizado em Espanha, onde ficou em primeiro lugar entre nove concorrentes vindos de várias partes do mundo. Participar num evento como este implica “muito estudo, uma preparação prévia muito grande porque somos avaliados por um júri com um currículo enorme”.

Professor de música

Atualmente, Loureno Cruz é professor no Agrupamento de Escolas de Murça onde dirige a orquestra marcial local. Tem ainda a seu cargo a Orquestra Energia, um projeto da EDP de inclusão social e combate ao abandono escolar; o coro da Cruz Vermelha de Mirandela e a Orquestra Clássica de Trás os Montes e Alto Douro da qual é maestro titular.

Foto: DR

Depois de muitos anos em Espanha, a vontade de voltar era muita até porque “ainda há muita coisa a trabalhar na música. Somos um país de grandes artistas que precisam de recorrer ao estrangeiro para trabalhar e reconhecer o seu trabalho”. Mas os desabafos não se ficam por aqui.

“O apoio à cultura é muito desequilibrado e quem tem a faca e o queijo na mão da decisão deveria saber para que serve cada uma das áreas e formação”. Aliás para Lourenço Cruz esta pode ser “uma das explicações para que as pessoas fujam da música, sobretudo para quem estuda tanto”.

No entanto, não custa ao maestro admitir que as coisas, actualmente, estão a melhorar, sobretudo, nas grandes cidades, “onde já há espaços com comodidade, um trabalho de base interessante e pessoas que começam a ter sentido crítico”.

Na forja está outro projeto que o está a entusiasmar: na rede de escolas de música do Caribe, em Medellin, Colômbia, vai ser desenvolvido um projeto, no seguimento do trabalho com a Orquestra Energia, para resgatar as crianças com condições sociais mais desfavorecidas.

Enquanto isso não acontece irá dirigir orquestras na Bielorrússia, Itália e Geórgia.

Anúncio

Caminha

Paddle, kayak e bicicleta animam fim de semana em Caminha

Atividades gratuitas

em

Foto: Divulgação

Caminha vai promover no fim de semana a iniciativa “experiências BlueWays”, que inclui a prática de paddle, kayak ou de pedalar entre Caminha e Vila Praia de Âncora, informou a Câmara local.

Segundo o município, a participação naquelas atividades é gratuita, mas é necessária inscrição prévia.

O programa prevê a descida do rio Coura em kayak, que deverá ter início pelas 10:00, enquanto a experiência em SUP (Paddle) decorrerá a partir das 15:00.

O “Blueways” é um projeto é liderado pela Comunidade Intermunicipal do Alto Minho (CIM Alto Minho) e tem como objetivo o “desenvolvimento e promoção sustentável de uma rede de percursos azuis inseridos em espaços de conservação da natureza presentes no Alto Minho.

Continuar a ler

Caminha

Câmara de Caminha quer aprovar 200 mil euros de apoios escolares

Ano letivo de 2019/2020

em

Foto: DR / Arquivo

A maioria socialista na Câmara de Caminha vai propor a aprovação, na segunda-feira, em reunião ordinária do executivo, vários contratos no valor de 200 mil euros de apoio à educação, no ano letivo de 2019/2020.

Em comunicado, hoje, o município liderado pelo socialista Miguel Alves adiantou que os “contratos interadministrativos, protocolos e um subsídio” que serão submetidos à apreciação do executivo municipal prendem-se com a rede de transportes escolares, atividades de apoio à família e refeições.

Aqueles apoios, acrescentou a autarquia do distrito de Viana do Castelo, integra-se na “descentralização de competências e busca de parcerias”.

A reunião, decorrerá pelas 15:00, no salão nobre dos Paços do Concelho.

Na nota hoje enviada à imprensa, o município destacou que “o investimento em transportes escolares, ultrapassa os 110 mil euros, e abrange os ensinos pré-escolar, 1º, 2º e 3º ciclos e secundário”.

“A Câmara também procede, por outros meios ao transporte escolar, buscando ao mesmo tempo parcerias noutras entidades, como é o caso, e descentralizando competências previstas na lei”, especifica.

Desde “o ano letivo de 2015/2016, os alunos do ensino secundário do concelho de Caminha também têm acesso a transporte escolar gratuito”, frisou, referindo que são “alunos do ensino secundário que frequentam a escola básica e secundária Sidónio Pais e estabelecimentos de ensino de fora do concelho”.

Continuar a ler

Caminha

Caminha paga reforço de policiamento para travar “vandalismo”

Município justifica “atos de vandalismo” com “acréscimo invulgar” do número de turistas, com especial incidência no centro histórico e em Moledo

em

Foto: DR/Arquivo

A Câmara de Caminha vai suportar os custos de um reforço de policiamento para fazer face a “atos de vandalismo” que têm ocorrido no centro histórico da vila, informou hoje a autarquia.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, não especificou o montante a investir naquele reforço por se tratar de “um valor evolutivo caso seja necessário tomar mais alguma medida”.

“Durante o verão, juntando policiamento especial por causa de eventos, regulação e segurança pública, a Câmara vai investir este ano mais de 60 mil euros do orçamento municipal. Face à nossa situação, é um esforço considerável”, especificou o autarca socialista referindo-se ao plano de recuperação financeira municipal, previsto na lei n.º 53/2014, que a autarquia vai apresentar até final de outubro para resolver o “caos” que o PS diz ter herdado do anterior executivo do PSD.

O município justificou os “atos de vandalismo” com o “acréscimo invulgar” do número de turistas no concelho que, de acordo com números da autarquia, “cresceu 87% nos últimos cinco anos sem que tivesse havido acréscimo significativo do número de efetivos policiais”.

A “posição de força” de reforço do policiamento foi tomada na sequência de “diversos relatos”, que a autarquia disse ter recebido nos últimos dias, de “atos de vandalismo no espaço público, especialmente durante a noite, com especial incidência no centro histórico de Caminha e em Moledo”.

“Sabendo-se do extremar da situação na última semana e perante a ausência de soluções, a Câmara de Caminha, apesar de não se tratar de uma competência municipal, decidiu assumir o encargo financeiro com a contratação de serviços de policiamento da Guarda Nacional Republicana (GNR), de modo a reforçar o patrulhamento e manutenção da ordem pública até ao final do mês de agosto”.

A Câmara de Caminha adiantou que “irá apresentar uma exposição sobre a situação junto do Comando Geral da Guarda Nacional Republicana e do Ministério da Administração Interna, solicitando um reforço policial adequado e proporcional ao crescimento do número de turistas no concelho de Caminha nos últimos anos”.

A autarquia acrescentou estar “em permanente contacto com as forças policiais de modo a acompanhar e a minimizar o impacto” daqueles casos.

“O vandalismo denunciado põe em causa a ordem pública e a segurança de pessoas e bens, e estará relacionado com o acréscimo inusual de pessoas no concelho de Caminha nestes últimos 15 dias e com a exponenciação do consumo de bebidas alcoólicas no exterior dos estabelecimentos noturnos”, sustenta na nota enviada à imprensa.

Continuar a ler

Populares