Seguir o O MINHO

Ave

Inditex faz soar os alarmes do têxtil

Sindicatos, empresários e partidos políticos atentos

em

Foto: DR

A situação do têxtil nos Vales do Ave e do Cávado está a fazer soar o alarme junto de sindicatos, associações industriais e partidos políticos. A ‘culpa’ é do grupo Inditex, o gigante têxtil espanhol, dono de marcas como Zara, Massimo Dutti, Pull and Bear e Bershka, entre outras, que tem diminuído as encomendas e deslocalizado a produção para o Norte de África.

“Estamos a acompanhar com especial atenção a situação”, começa por dizer a O MINHO, Francisco Vieira, do Sindicato Têxtil do Minho. “Desde 2018 estamos em contacto permanente com a empresa e em breve iremos tomar uma posição pública sobre o assunto”.

Até porque para Francisco Vieira “há muitas contradições” que carecem ser esclarecidas. “É verdade que há o encerramento de micro empresas” mas “há outras coisas bem piores: há produção colocada em Portugal feita em Marrocos ou na Turquia”.

Isto é: quer-se “concentrar a produção em países de salários mais baixos e procurar impor custos de produção equivalentes em Portugal quando, por falta de capacidade naqueles países, têm de recorrer às empresas portuguesas”.

As denúncias vão mais longe: “temos empresas que nasceram e morreram sem pagarem um cêntimo de impostos ou contribuições. Abrem com um capital social de 50 ou 500 euros e depois fecham sem cumprirem com as suas obrigações”.

O sindicalista reconhece que “há outras empresas, sobretudo, na área do têxtil-lar que estão em grande dificuldade”. No entanto, o Sindicato irá, em breve, tomar uma posição pública sobre isso.

Também a Associação Comercial e Industrial de Barcelos, através do seu diretor-geral, João Albuquerque, disse ao Jornal de Barcelos que “se nada for feito, o sector estoira em cinco anos” que “a crise pode afectar 75% das exportações do concelho” estando em risco “dezanove mil postos de trabalho” em Barcelos.

Segundo informação prestada pela Confederação Portuguesa das Micro, Pequenas e Médias Empresas, as dificuldades são, sobretudo, sentidas no sector do vestuário e em particular pelas “microempresas que trabalham em regime de subcontratação”.

Partidos políticos

Tanto o Bloco de Esquerda como o Partido Comunista Português já vieram a terreiro chamar a atenção para a situação atual.

Os dados oficiais dão conta do encerramento de pequenas e microempresas em concelhos como Fafe, Guimarães, Vizela e Póvoa de Lanhoso, alastrando-se para concelhos como Vila Verde ou Barcelos.

No primeiro trimestre de 2019, segundo informação da Confederação Portuguesa das Micro, Pequenas e Médias Empresas, grande parte das empresas subcontratadas no Vale do Ave estiveram sem trabalho.

Pedro Soares, do Bloco de Esquerda, diz que “se corre o risco de apenas haver encomendas nos períodos em que a capacidade de produção em Marrocos for excedida. Uma espécie de regime sazonal de trabalho”.

Por isso, para o bloquista, “com toda a urgência, é essencial defender postos de trabalho e condições laborais. É necessário canalizar apoios para formação profissional, efetivamente necessária, a ser levada a cabo nos períodos de menor volume de trabalho, e o estabelecimento de planos alargados de regularização de dívidas que garantam a continuidade da produção e do emprego com direitos”.

Pedro Soares já exigiu ao governo “uma ação urgente no Vale do Ave para proteger os trabalhadores e a economia da região”.

O PCP apresentou uma iniciativa legislativa para que sejam tomadas “medidas urgentes” e recomendou ao Governo que “proceda ao recenseamento urgente das micro, pequenas e médias empresas do sector têxtil e vestuário sitas na região do Ave e Cávado que atravessem dificuldades económicas fruto da diminuição de encomendas; que crie um plano de emergência destinado às micro, pequenas e médias empresas, particularmente do setor do têxtil e do vestuário, das regiões do Ave e Cávado, que contemple um Fundo de Segurança de Subcontratação ou que desenvolva, em articulação com as associações empresariais representativas dos setores têxtil, vestuário e confeções e dos trabalhadores, um modelo de contratualização” baseado nas realidades dos mercados.

INDITEX

O grupo Inditex, recentemente, numa conferência de imprensa na Galiza garantiu que “vai continuar a manter uma relação estreita com as empresas portuguesas, até porque a produção de proximidade é importantíssima para a essência do negócio e para a qualidade da confecção”,

E para sustentar a sua opinião, Pablo Isla atirou com números: “em termos de produção não há uma variação significativa no peso dos fornecedores de Portugal [em 2018 face a 2017]. Portugal é um dos nossos mercado-chave em termos de produção e fornecimento e vai continuar a ser no futuro”.

Empresários

Para João Rui Pereira, um dos sócios da Pafil Confecções, ouvido por O MINHO, o têxtil português, “em alguns sectores já tem uma dinâmica interessante”. A aposta devem ser “peças com valor acrescentado” deixando de lado “o ser mais rápido e mais barato 10 cêntimos porque não conseguimos competir com os asiáticos”.

O empresário barcelense é da opinião que “temos capacidade e conhecimento do mais evoluído do Mundo. Temos que acreditar que fazemos bem e deixar de lado o preconceito de país pequeno”. E volta a insistir: “temos que ser diferentes, mais rápidos na produção de peças de valor acrescentado porque isto é que nos diferencia dos outros países”.

Já Samuel Costa, membro do Conselho de Administração do Grupo Sonix, na iniciativa AEP Link, realizada em Braga, reconheceu que “há muita dificuldade em encontrar pessoas qualificadas para trabalhar nesta indústria porque há ainda um grande preconceito relativamente a este setor, porque há uma visão do setor ainda muito ligada ao que era antigamente”.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Famalicão

Trinta e nove finalistas vão ‘lutar’ para vencer o Festival de Vídeo Ecológico de Famalicão

Cerca de 500 projetos de 19 países concorreram ao festival

em

Foto: CM Famalicão

Participantes dos quatro cantos do mundo do Burundi à Índia, do Brasil à Colômbia, da França à Irlanda, submeteram 500 trabalhos à edição deste ano do Bgreen – Festival de Vídeo Ecológico, cuja grande final decorrerá no dia 07 de junho, em Vila Nova de Famalicão.

O júri terá que apreciar os 39 finalistas para depois escolher os vencedores.

“Grande Prémio Bgreen”, “Bgreen Júnior” “Menção Honrosa”, “Melhor Making-Of”, “Prémio do Público” e “Prémio Alphonse Luisier” são as seis categorias a concurso. Os vencedores serão revelados numa gala de entrada livre que terá lugar no auditório do Parque da Devesa, pelas 21:30.

O festival, promovido pela Escola Profissional Oficina, nesta sua nona edição contou com projetos oriundos de 16 países.

“Blue Home” foi o tema escolhido para a edição deste ano do Bgreen.

Originalidade, inovação, impacto social e ambiental foram alguns dos critérios tidos em conta pelo júri do concurso na pré-seleção dos trabalhos.

Segundo nota municipal, “sensibilizar os jovens estudantes do ensino básico e secundário, com idades compreendidas entre os 13 e os 21 anos, para as questões ambientais é o principal objetivo do Bgreen, que se realiza alternadamente no concelho famalicense e no concelho de Santo Tirso”.

Continuar a ler

Guimarães

Fogo em prédio obriga a evacuação de 13 pessoas em Guimarães

Rápida intervenção dos Bombeiros evitou males maiores

em

Foto: Bombeiros das Taipas

Treze pessoas foram evacuadas depois de ter deflagrado um incêndio num anexo nas traseiras de um prédio, na rua Comandante Carvalho Crato, na Vila das Taipas, em Guimarães.

O fogo atingiu um apartamento e uma loja comercial e o alerta foi dado por volta das 22:25 tendo mobilizado 20 elementos em seis viaturas dos Bombeiros das Taipas.

Segundo fonte da Protecção Civil, “os bombeiros foram chamados para um incêndio num anexo nas traseiras de um prédio que depois se propagou para a varanda de um primeiro andar e para um comércio de ferragens”. O anexo era pertença da loja de ferragens.

A rápida intervenção dos bombeiros impediu que o fogo se alastrasse a mais habitações. O incêndio provocou elevados prejuízos materiais na loja, tendo ainda propagado à fachada do bloco de apartamentos existente na parte superior da loja, obrigando à evacuação dos moradores.

A evacuação das treze pessoas aconteceu por precaução e regressaram depois a casa onde passaram o resto da noite.

A GNR das Taipas também esteve no local e irá investigar as causas do incêndio.

Continuar a ler

Guimarães

Mediadores municipais e interculturais vão ser uma realidade em Guimarães

Projeto junto da comunidade cigana e migrantes

em

Foto: DR

O ‘Território Desenvolvido e Intercultural’ é um projeto de mediadores municipais e interculturais junto das comunidades ciganas e migrantes do Concelho de Guimarães.

A ideia passa por desenvolver “diversas ações em diferentes dimensões da vida destas comunidades favoráveis à sua integração, desde a mediação escolar, a promoção da sua empregabilidade, compromisso com a saúde, a organização associativa e participação cívica”, como refere nota municipal.

Em parceria com a Sol do Ave, a autarquia vai dar, hoje, pelas 11:30, no Museu Alberto Sampaio, mais pormenores sobre este projeto.

No entanto, já foi tornado público a intenção das entidades envolvidas organizarem um mercado intercultural e criaremuma Rede para a Interculturalidade que “pretende mobilizar a comunidade institucional no aprofundamento do diálogo intercultural entre estas e a restante comunidade vimaranense, contribuindo para a desconstrução de estereótipos e para a valorização da diversidade cultural”.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Patrocinado

Reportagens da Semana

Populares