Seguir o O MINHO

Desporto

Honda lembra Paulo Gonçalves na hora da vitória nas motas

Primeiro triunfo da marca nipónica desde 1989

em

Foto: Twitter

O português Paulo Gonçalves, que faleceu no decurso da sétima etapa do Rali Dakar de todo-o-terreno, foi hoje lembrado pela equipa Honda, que, na hora da vitória do seu piloto Ricky Brabec nas motas, usou um autocolante com a imagem do malogrado piloto de Esposende.

Em declarações à página Brasil no Dakar2020, o diretor geral da equipa, o português Ruben Faria, confessou sentir “um misto de emoções”.

“É um misto de emoções. Não é fácil. Ganhámos e ganhámos bem, mas eu perdi um amigo”, disse, com a voz embargada.

Paulo Gonçalves foi piloto da Honda entre 2014 e 2019, tendo conseguido um segundo lugar na prova em 2015.

A Honda terminou hoje com um domínio de 18 anos da KTM no Dakar com a vitória do norte-americano Ricky Brabec. Foi o primeiro triunfo da marca nipónica desde 1989 e teve “dedo” português.

A estrutura da marca japonesa que tem uma asa dourada como símbolo é, desde o ano passado, gerida por Ruben Faria, que em 2013 foi segundo classificado com a KTM, e tem em Hélder Rodrigues (duas vezes terceiro classificado) o conselheiro dos pilotos.

Anúncio

Futebol

SC Braga entra a vencer mas acaba derrotado na Escócia

Liga Europa

em

Foto: SC Braga

O SC Braga perdeu, esta quinta-feira, na Escócia, por 3-2, em jogo da primeira mão dos 16 avos de final da Liga Europa, frente ao Glasgow Rangers.

Os bracarenses chegaram a ter dois golos de vantagem, por Fransérgio (11) e Abel Ruiz (59), mas os escoceses conseguiram dar a volta ao marcador, com o filho da antiga estrela romena Hagi a marcar por duas vezes (67 e 82). Aribo (75) fez o outro golo dos Rangers.

Ficha de Jogo

Estádio do Ibrox, em Glasgow.

Rangers – SC Braga, 3-2.

Ao intervalo: 0-1.

Marcadores:

0-1, Fransérgio, 11 minutos.

0-2, Abel Ruiz, 59.

1-2, Hagi, 67.

2-2, Ayodele-Aribo, 75.

3-2, Hagi, 82.

Equipas:

– Rangers: Allan McGregor, James Tavernier, Connor Goldson, Nicola Katic, Borna Barisic (Greg Stewart, 73), Ianis Hagi, Steven Davis, Glen Kamara (Ayodele-Aribo, 54), Scott Arfield, Ryan Kent (Florian Kamberi, 69) e Alfredo Morelos.

(Suplentes: Wes Foderingham, George Edmundson, Andy Halliday, Ayodele-Aribo, Brandon Barker, Greg Stewart e Florian Kamberi).

Treinador: Steven Gerard.

– SC Braga: Matheus, Wallace (Galeno, 12), Bruno Viana, Raúl Silva, Esgaio, Palhinha (João Novais, 83), Fransérgio, Sequeira, Trincão, Abel Ruiz (Ricardo Horta, 70) e Paulinho.

(Suplentes: Tiago Sá, Diogo Viana, João Novais, André Horta, Ricardo Horta, Galeno e Rui Fonte).

Treinador: Rúben Amorim.

Árbitro: Xavier Estrada Fernandez (Espanha).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Alfredo Morelos (41), Ayodele-Aribo (58) e Galeno (69).

Assistência: cerca de 50.000 espetadores.

(em atualização)

Continuar a ler

Futebol

Sporting vence Basaksehir e dá passo rumo aos ‘oitavos’ da Liga Europa

Liga Europa

em

Imagem via SporTV

O Sporting colocou-se hoje em vantagem nos 16 avos de final da Liga Europa de futebol, ao vencer o Istambul Basaksehir, por 3-1, em jogo da primeira mão, disputado do Estádio José Alvalade, em Lisboa.

Sebastián Coates (03 minutos), Andraz Sporar (44) e Luciano Vietto (51) marcaram os golos dos ‘leões’, com Edin Visca (77) a reduzir para os turcos, na marcação de uma grande penalidade.

A segunda mão disputa-se em 27 de fevereiro, em Istambul.

Continuar a ler

Futebol

Benfica perde na Ucrânia, mas sonha à custa de Vlachodimos e Pizzi

Liga Europa

em

Imagem via SporTV

O Benfica perdeu hoje 2-1 no reduto do Shakhtar Donetsk, na primeira mão dos 16 avos de final da Liga Europa em futebol, mantendo-se na corrida aos ‘oitavos’ à custa de Vlachodimos e de um penálti de Pizzi.

Numa fase da prova em que nunca havia perdido – oito vitórias e dois empates, para cinco apuramentos em cinco eliminatórias -, a formação da Luz ainda recuperou em Kharkiv de uma primeira desvantagem, mas um erro crasso de Rúben Dias ditou o desaire.

O brasileiro Alan Patrick, aos 56 minutos, e Kovalenko, aos 72, apontaram os golos do conjunto de Luís Castro, enquanto Pizzi marcou, aos 67, o seu 23.º golo da temporada, que pode vir a ter um peso determinante para o jogo de quinta-feira, na Luz.

Mas, para já, o Benfica está em desvantagem, após mais uma exibição que deixou muito a desejar, tanto na defesa como no ataque, para somar a terceira derrota em quatro jogos, com um empate pelo meio, em Famalicão, que valeu um lugar no Jamor.

Em Lisboa, os ‘encarnados’, salvos em várias ocasiões por Vlachodimos, terão de jogar muito mais, porque o Shakhtar, mesmo numa espécie de pré-temporada – não jogava um jogo oficial desde 14 de dezembro -, mostrou que tem vários desequilibradores na frente, como Taison, Marlos ou Júnior Moraes.

Em relação ao desaire caseiro com o Sporting de Braga (0-1, no sábado, para a I Liga), Bruno Lage procedeu a três alterações, com o castigado Weigl, Rafa e Vinícius a cederem os seus lugares a Florentino, Chiquinho e Seferovic.

O Benfica entrou, assim, com Tomás Tavares, Rúben Dias, Ferro e Grimaldo, à frente de Vlachodimos, dois médios centrais (Florentino e Taarabt), Chiquinho e Cervi nos extremos e Pizzi ao meio, nas costas do ponta de lança Seferovic.

O jogo começou com o Shakhtar mais tempo com a bola, mas a só rematar aos 13 minutos, por Taison, para, aos 20, Marlos marcar em contra-ataque, só que em fora de jogo, milimétrico, numa jogada iniciada num passe falhado de Florentino.

A jogada animou, ainda assim, os ucranianos, que acentuaram o domínio e assustaram por Kovalenko (24 minutos) e Júnior Morais (27), mas, rapidamente, o Benfica reequilibrou e, melhor na parte final da primeira parte, teve a primeira ocasião por Pizzi (44).

O ‘onze’ de Luís Castro começou melhor a segunda metade e criou várias oportunidades, com Vlachodimos a parar os remates de Júnior Morais (46 minutos) e Marlos (55) e, pelo meio (51), o poste esquerdo a ‘segurar’ o de Ismaily.

A insistência dos ucranianos acabou por dar frutos aos 56 minutos, numa jogada de envolvência entre Taison, Júnior Morais e Marlos, que tocou para o remate colocado de Alan Patrick, à entrada da área, sem hipóteses para o internacional grego.

O Benfica não demorou a reagir e conseguiu chegar ao golo, num penálti de Pizzi, aos 67 minutos, cinco depois de festejar o tento de Tomás Tavares, que o árbitro, após consultar as imagens, anulou, por fora de jogo, assinalando falta anterior sobre Cervi.

A igualdade não se aguentou, porém, muito tempo, pois, aos 72 minutos, Rúben Dias, em vez de atirar a bola para fora, facilitou e perdeu a bola para Marlos, que tocou para Júnior Morais oferecer o golo a Kovalenko. Vlachodimos nada podia fazer.

Na parte final, o Benfica ainda tentou chegar ao segundo golo, mas não conseguiu mais do que dois remates de Grimaldo, que o veterano Pyatov segurou, aos 75 e 79 minutos.

Continuar a ler

Populares