Seguir o O MINHO

Guimarães

Guimarães vai ter uma estátua a representar a imagem de Vímara Peres

Fundador de Guimarães

em

Estátua de Vimara Peres no Porto. Foto: DR / Arquivo

Guimarães vai ter uma estátua a representar a imagem de Vímara Peres, que fundou a cidade de Guimarães (Vimaranes),200 anos antes do nascimento de D. Afonso Henriques, a que deu o seu nome, anunciou este sábado o presidente da Câmara, Domingos Bragança, durante a apresentação do livro “Religare”, do escultor Dinis Ribeiro, que será o autor da obra de arte.

Vímara Peres foi o fundador de um pequeno burgo fortificado designado por Vimaranis (derivado do seu próprio nome), que com o decorrer dos tempos, por evolução fonética, deu lugar a Guimarães, tendo sido o principal centro governativo do Condado Portucalense.

Domingos Bragança explicou que a escolha de Dinis Ribeiro para realizar esta escultura é sinal do “reconhecimento” pela obra do escultor vimaranense e que atingiu já uma ampla dimensão nacional.

“Em Guimarães temos uma história feita futuro, nesta religação do passado ao presente e do presente ao futuro e com esta escultura de Vímara Peres estamos a religar e homenagear o iniciador do burgo de Guimarães”, frisou.

Foto: Divulgação

A sessão de apresentação do catálogo da exposição de escultura “Religare”, de Dinis Ribeiro, decorreu na Plataforma das Artes e da Criatividade, com as presenças de Fernanda Ribeiro, diretora da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP), a vereadora da Cultura de Guimarães, Adelina Pinto, o curador da exposição, Delfim Sousa, entre outros convidados.

A exposição “Religare” foi inaugurada em maio do ano passado, no âmbito do centenário da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP), com o apoio do Município de Guimarães, e contempla uma mostra de arte pública com seis núcleos expositivos das unidades de conhecimento da história do centenário da FLUP.

A diretora da FLUP destacou a “exposição simbólica” e sublinhou na sua intervenção que “foi um gosto ter acolhido esta exposição, num ano especial, em que assinalamos os 100 anos da criação das Letras na Universidade do Porto. Uma das missões da faculdade é a ligação à sociedade e nada melhor que a ligação entre as letras e a arte para criar estes laços e partilhar a ciência que produzimos para a sociedade”, referiu Fernanda Ribeiro.

Dinis Ribeiro agradeceu o apoio da Câmara de Guimarães pela “forma como tem retribuído no apoio aos artistas vimaranenses”, destacando ainda a colaboração de todos os que contribuíram na elaboração desta exposição.

Natural de Rendufe, Guimarães, Dinis Ribeiro tem formação na área da cantaria e da talha e desenvolveu uma profícua atividade artística na área da escultura. Tem arte pública espalhada em várias regiões do território nacional e ainda em Espanha e França, contando com várias exposições em Portugal, nomeadamente em galerias de arte, museus e monumentos nacionais.

Anúncio

Guimarães

Penas suspensas para organizadores de rali que matou três pessoas em Guimarães

Em 2014

em

Foto: DR / Arquivo

O Tribunal de Guimarães condenou hoje a penas suspensas quatro organizadores de um rali realizado em setembro de 2014 naquele concelho que resultou na morte de três espetadores, atingidos por um carro que se despistou.

Os arguidos foram condenados por três crimes de homicídio por negligência.

A pena mais pesada, de 26 meses de prisão, foi para o diretor da prova, o presidente do Motor Clube de Guimarães, entidade que organizou o rali conjuntamente com a Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting.

Outros três organizadores foram condenados a 22 meses de prisão.

Todas as penas ficam suspensas na sua execução.

Um outro membro da direção do Motor Clube de Guimarães e o mecânico da viatura que se despistou eram também arguidos no processo, mas foram absolvidos.

O acidente registou-se em 07 de setembro de 2014, no Rali Sprint de Guimarães, quando um carro se despistou e matou uma mulher de 48 anos, o seu filho de 8 e ainda um adolescente de 13.

Na acusação, o Ministério Público (MP) diz que o rali foi levado a cabo “em flagrante violação das normas que regem a segurança” deste tipo de corridas.

Diz ainda que o acidente foi induzido pelas alterações efetuadas ao carro que se despistou, nomeadamente o alargamento da carroçaria.

Segundo o MP, foram montados espaçadores nas jantes traseiras, as rodas ficaram mais longe da suspensão, a pressão quadruplicou, quatro parafusos rebentaram e o despiste aconteceu.

Em tribunal, os diretores do Motor Clube de Guimarães recusaram qualquer responsabilidade na morte dos três espectadores, alegando que a segurança do público era uma competência das autoridades policiais.

“O rali estava aprovado e licenciado por todas as entidades, tendo ficado claro que a segurança dos espectadores ficava a cargo das autoridades policiais”, disse o presidente do Motor Clube de Guimarães (MCG).

Segundo Eduardo Crespo, que era também o diretor da prova, aquelas autoridades é que decidiram o número de agentes necessários e os locais em que cada um seria colocado.

Disse ainda que as vítimas terão passado por uma zona onde estaria um agente da GNR para aceder ao local onde foram colhidos mortalmente.

A versão foi corroborada pelo então vice-presidente do MCG, João Júlio, que assegurou que os diretores do clube “não tinham qualquer poder decisório” sobre a segurança do público, porque as autoridades policiais “nunca lhes deram qualquer possibilidade”.

“Disseram que ou faziam a prova como eles queriam ou não se fazia prova nenhuma”, referiu.

Por sua vez, o mecânico também refutou qualquer responsabilidade, afirmando que não teve qualquer intervenção nas alterações do carro e assegurando que se limitou a fazer uma espécie de revisão, antes da prova, por ser amigo do piloto dono da viatura.

Continuar a ler

Guimarães

“Casa torcida” em Guimarães vence prémio mundial de arquitetura

Prémios ArchDaily

em

Foto: Ivo Tavares

A Casa A, do atelier de arquitetura REM’A, com sede em Guimarães, venceu a categoria de “Melhor Produto Aplicado” nos prémios “Building Of The Year 2020”, organizado pelo prestigiado portal de arquitetura ArchDaily, foi hoje anunciado.

O projeto, também conhecido como “casa torcida”, foi desenvolvido pelos arquitetos Romeu Ribeiro e José Pedro Marques, do atelier REM’A, e localiza-se num loteamento dentro da cidade de Guimarães.

Casa A em Guimarães do atelier de arquitetura REM’A. Foto: Ivo Tavares Studio

Casa A em Guimarães do atelier de arquitetura REM’A. Foto: Ivo Tavares Studio

“O betão e a madeira fundem-se numa escala de cinzas, numa constante mutação cromática”, escreveu, a propósito da obra, o Diário Imobiliário.

A engenharia ficou a cargo da Fortunato & Paulo e a construção é obra das Construções Bairro do Sol, ambas de Fafe. A obra foi concluída em 2019 ocupando uma área total de 450 metros quadrados.

Casa A em Guimarães do atelier de arquitetura REM’A. Foto: Ivo Tavares Studio

Casa A em Guimarães do atelier de arquitetura REM’A. Foto: Ivo Tavares Studio

A Casa A foi escolhida entre mais de quatro mil projetos a concurso, sendo a mais votada nos cinco finalistas da categoria de produto aplicado.

Para além da obra vimaranense, a Casa Monsaraz, do atelier Aires Mateus, venceu na categoria “Casas”.

O ArchDaily é um weblog que cobre notícias, projetos, produtos, eventos, entrevistas e competições de arquitetura, artigos de opinião, entre outros, atendendo a arquitetos, designers e outras partes interessadas.

Continuar a ler

Guimarães

Deputado de Guimarães eleito pelo PSD assume problemas de alcoolismo

Pedro Rodrigues

em

Foto: Twitter

O deputado Pedro Rodrigues, natural de Guimarães, assumiu esta quinta-feira, através das redes sociais, ter “um problema de alcoolismo”, de forma a evitar “ataques pessoais inaceitáveis” que, diz, tem vindo a ser alvo.

É que Pedro Rodrigues, contra alguma da corrente atual do partido, foi o primeiro subscritor de uma iniciativa de um grupo de deputados do PSD que pediu uma consulta popular (referendo) sobre a eutanásia, ao invés de ser aprovado apenas pelos deputados.

Eleito pelo círculo eleitoral de Lisboa, onde tem vivido nos últimos anos, o advogado de 40 anos e ex-líder da JSD nacional revela que, face ao problema de que é alvo, há quem “considere” que o mesmo não é capaz de defender “uma posição política de princípio”, a propósito dos projetos-lei sobre a despenalização da eutanásia, aprovados esta quinta-feira na Assembleia da República.

“Sim tenho um problema de alcoolismo. É um tema que apenas diz respeito à minha intimidade e à minha família. Tenho vivido esse tema com o firme apoio da minha mulher e da minha família. Decidi hoje assumi-lo porque além do sofrimento pessoal em que estou mergulhado tenho sofrido ataques pessoais inaceitáveis”, escreveu.

“A ideia de que não posso assumir uma posição política de princípio, porque alguém considera que não sou capaz é algo que me repugna profundamente. Não estarei hoje na Assembleia da República como devia. Peço desculpa aos que acreditam em mim. Mas não consigo fazê-lo… Estarei junto dos meus sempre… Mas jamais deixarei de lutar intransigentemente por aquilo em que acredito…”, vinca.

Pedro Rodrigues é licenciado e doutorando em Direito, desempenhando funções como advogado. Já havia sido eleito deputado à Assembleia da República na XI legislatura (2009) pelo círculo eleitoral de Braga.

Continuar a ler

Populares