Seguir o O MINHO

Ave

Guimarães: Horta Pedagógica finalista do Green Project Awards

em

Guimarães é uma das cidades finalistas da edição deste ano do Green Project Awards, tendo candidatado a Horta Pedagógica à categoria “Consumo Sustentável”, à qual concorrem mais seis projetos a nível nacional, cujos vencedores serão conhecidos na cerimónia de entrega de prémios que terá lugar em Lisboa, no dia 15 de setembro.


 O Green Project Awards é um projeto internacional, com edições em Portugal, no Brasil e em Cabo Verde. Após a receção de mais de 1000 candidaturas e a distinção de mais de 80 projetos e iniciativas, este concurso, que já vai na sua 8ª edição, mantém o seu propósito inicial de reconhecer as boas práticas em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável.

 Premiar e reconhecer boas práticas como complemento ao movimento de sensibilização para as temáticas da sustentabilidade, alertando e consciencializando a sociedade civil para a importância do equilíbrio ambiental, económico e social, são alguns dos objetivos do Green Project Awards Portugal 2015, que procura uma repercussão positiva no comportamento dos cidadãos e decisores em geral, fazendo da inovação e eficácia um caminho para a sustentabilidade.

 A Horta Pedagógica de Guimarães, uma das primeiras do país, está inserida numa área agrícola por excelência, na Veiga de Creixomil, a uma altitude média de 152 metros, inserida na sub-bacia hidrográfica do rio Selho, sendo atravessada pela Ribeira de Couros. 525 utentes ocupam um total de 6,5 hectares de terreno no coração da cidade, num espaço privilegiado de lazer e convívio com a natureza, juntando aos 3,5 hectares para projetos inovadores da base agrícola. Os solos da Horta Pedagógica estão classificados na Reserva Agrícola Nacional, Reserva Ecológica Nacional e Domínio Hídrico.

Novas formas de ocupação do solo

Com um diversificado programa de atividades pedagógicas, culturais e sociais, visando sensibilizar a adoção de boas práticas agrícolas associadas à agricultura biológica, com a atribuição de talhões às escolas, a Horta Pedagógica apresenta um conjunto de iniciativas de educação ambiental, nomeadamente um espaço dedicado à compostagem, eventos relacionados com as boas práticas de cultivo, celebração de datas comemorativas do calendário rural e ambiental, entre outras iniciativas com temáticas de proximidade.

Ao mesmo tempo, a Horta Social e Pedagógica de Guimarães desenvolveu uma base de inovação e experimentação relacionada com as práticas agrícolas, novas formas de ocupação do solo, nomeadamente a implementação recente de um laboratório de experimentação horto-florícola/frutícola, e projetos inovadores incorporando novas experiências e novas fileiras, considerando-se o início de uma incubadora de empresas de base agrícola.

 Esta Horta Pedagógica, cuja 3ª e última fase foi inaugurada a 20 de dezembro de 2014, é um espaço de domínio público onde se possibilita a melhoria da qualidade de vida das populações e o aumento da experiência prática e sensorial na ligação com a natureza, que se traduz na possibilidade de contacto entre a população e as espécies agrícolas utilizadas na alimentação, através do envolvimento das pessoas nas mais diversas atividades. A agricultura periurbana e urbana assume um papel fulcral de interesse cultural, social, recreativo e económico, na medida em que, além do abastecimento da família, se foca na ocupação sadia dos tempos livres.

Anúncio

Guimarães

Vice-presidente do PSD arrependido de ter estado nas Nicolinas em Guimarães

André Coelho Lima

em

Foto: Imagem SIC Notícias

Depois de imagens que circularam nas redes sociais mostrarem o vice-presidente do PSD, André Coelho Lima, no ajuntamento das Festas Nicolinas no domingo de manhã, o deputado de Guimarães afirmou à SIC Notícias que se arrepende de lá ter estado, mas salienta que se tratou de um acontecimento espontâneo.

André Coelho Lima considera que foi “um ato casual no qual todos [foram] surpreendidos” e diz ainda que “se veio a revelar imprudente” a sua presença ali.

O vice-presidente do PSD explicou que saiu de casa com os dois filhos e foram pela cidade, “desconhecendo absolutamente se haveria mais pessoas neste sítio ou menos pessoas naquele sítio”.

Ajuntamento no centro de Guimarães na manhã de arranque das Nicolinas

No entanto, admite: “Arrependo-me de ter lá estado, isso digo sem problema nenhum”.

André Coelho Lima diz também que a divulgação das imagens revela um aproveitamento político, que lamenta.

Questionado se considera que o que aconteceu em Guimarães representa um menor risco do que o congresso do PCP, cuja realização o PSD criticou, André Coelho Lima defende que as Festas Nicolinas não se realizaram.

“Se se realizassem as Festas Nicolinas, ou quaisquer outras festas (…), seria uma imprudência. Elas não se realizaram, nem se realizarão, aqui o que aconteceu é um ato absolutamente espontâneo e imprevisto. A festa em si, organizada, não existe foi cancelada, a comparação seria essa”, conclui.

Segundo os dados da DGS hoje revelados, Guimarães é o terceiro concelho do país com maior taxa de incidência cumulativa de novos casos de covid-19 (2.293 por cada 100 mil habitantes).

Continuar a ler

Guimarães

Guimarães aplica verba da passagem de ano em vales para restauração e comércio

40 mil euros

em

Foto: Divulgação / CM Guimarães

A Câmara de Guimarães vai investir 40 mil euros, valor equivalente ao que ia ser gasto na festa de passagem de ano que não se irá realizar, em vales para incentivar o consumo em estabelecimentos comerciais e restaurantes do concelho. Os consumidores poderão usufruir de vales de 15 euros através de uma aplicação móvel criada para o efeito. O município também vai garantir que as compras serão entregues em casa dos utilizadores sem custos, o que representa um investimento de mais 40 mil euros. Em comunicado, a autarquia adianta que já se inscreveram mais de 100 estabelecimentos.

A medida será votada na próxima quinta-feira em reunião da Câmara.

Para beneficiarem dos vales, os consumidores têm de aceder ao “Quiosque Eletrónico”, uma plataforma digital que entra em funções já no início de dezembro e cuja aplicação poderá ser descarregada para os telemóveis através das lojas Google Play (Android) ou da Apple Store (iPhone).

Com esta solução, desenvolvida de raiz pelo Município de Guimarães nos últimos cinco meses, os consumidores poderão encontrar produtos de lojas locais e ementas de restaurantes de todo o concelho.

Depois de se registarem na plataforma “Proximcity”, nome dado a esta aplicação, os utilizadores terão acesso a “uma grande montra digital”, atualmente com mais de cem lojas aderentes.

Em comunicado, a autarquia explica que, durante os próximos três meses, ao efetuar compras no valor igual ou superior a 15 euros, seja no comércio tradicional, loja, ou restaurante do concelho de Guimarães que esteja registado no “Quiosque Eletrónico”, os primeiros 15 euros serão convertidos num vale que, por sua vez, será descontado na compra final, numa medida que visa apoiar o comércio, restauração e similares.

Os vouchers são de atribuição única e são concedidos por ordem de registo de cada utilizador/consumidor, nas compras que faça na plataforma digital.

O apoio da autarquia, salienta a Câmara, corresponde a um total de 40 mil euros em cupões, valor equivalente ao que iria ser gasto na festa de passagem de ano no Centro Histórico de Guimarães – que não será possível realizar-se em 2020 devido à pandemia.

“Este quiosque digital, disponibilizado pelo Município e dedicado ao Comércio e Restauração de Guimarães, vai dinamizar, modernizar, inovar e tentar corresponder às necessidades e dificuldades deste tempo de pandemia, do nosso comércio, restauração, cafés, pastelarias e similares. Os comerciantes têm de se registar nesta plataforma e os vimaranenses também! A partir daqui, cria-se um ponto de encontro onde será possível fazer compras seguras por via digital a todos que escolham consumir no território vimaranense”, afirma Domingos Bragança, presidente da Câmara, citado no comunicado.

Por igual período, a Câmara vai garantir que qualquer artigo adquirido através do Quiosque Eletrónico seja entregue gratuitamente no domicílio de cada consumidor, com residência no concelho.

O acordo resulta de uma parceria com a Associação Vimaranense de Hotelaria (AVH) e a Associação do Comércio Tradicional de Guimarães (ACTG).

Para este serviço de transporte, esclarece o município, foi estabelecida a atribuição de mais um outro apoio financeiro até 40 mil euros, que será pago mediante a apresentação de relatórios onde constam os serviços de transporte prestados, designadamente, a data, número, valor da fatura do produto/serviço do estabelecimento comercial, montante da fatura do serviço de transporte, bem como o registo digital do pedido que o consumidor efetuou no Quiosque Eletrónico.

Continuar a ler

Guimarães

Exposição revisita 15 anos de arte no Palácio Vila Flor em Guimarães

Cultura

em

Foto: DR / Arquivo

O Palácio Vila Flor, em Guimarães, inaugura na sexta-feira uma mostra coletiva de obras de todos os artistas que ali expuseram nos últimos 15 anos, anunciaram hoje os serviços culturais do município.

Em comunicado, A Oficina, responsável pela gestão dos equipamentos culturais de Guimarães, sublinha que a exposição será “uma oportunidade rara” para “percecionar transversalmente aquilo que foi a dinâmica e singularidade programática” do Palácio Vila Flor, no contexto das artes plásticas e visuais.

Denominada “Palácio”, a mostra, distribuída por cerca de 850 metros quadrados e dois pisos, poderá ser visitada até 06 de março de 2021.

Alexandre Estrela, Adelina Lopes, André Cepeda, André Príncipe, António Júlio Duarte, António Olaio, Arlindo Silva, Daniel Blaufuks, Gabriela Albergaria, Gabriel Abrantes, Fernando Calhau, Fernando Brito, Hugo Canoilas, João Queiroz, José Almeida Pereira e José Loureiro são alguns dos artistas representados.

Há ainda para ver trabalhos de Manuel Caeiro, Paulo Mendes, Patrícia Almeida, Pedro Cabral Santo, Pedro Portugal, Pedro Sousa Vieira, Pedro Tudela, Sonoscopia, O Bergado, Salão Olímpico com Carla Filipe, Isabel Ribeiro, Renato Ferrão e Eduardo Matos.

A mostra contará também com obras saídas do Guimarães – Arte Contemporânea 2011 e do Laboratório das Artes – 10 Anos.

A exposição reúne, assim, obras da coleção d’A Oficina e obras mais antigas e recentes selecionadas pelos artistas.

Nos dias 19 de dezembro e 27 de fevereiro, haverá visitas orientadas à exposição, com duração aproximada de uma hora e limitadas a um máximo de sete participantes.

Disponíveis pelo valor de dois euros, as visitas decorrerão mediante inscrição prévia.

O Palácio Vila Flor é o espaço expositivo do Centro Cultural Vila Flor.

Continuar a ler

Populares