Seguir o O MINHO

Futebol

Famalicão vai pensar em novas metas após garantir a manutenção

I Liga

em

José Pedro Sousa Foto: FC Famalicão

O treinador do Famalicão admitiu, esta quinta-feira, que vai “pensar em novas metas”, depois de alcançado o “objetivo principal” da manutenção, na antevisão à receção ao Vitória SC, no sábado, da 20.ª jornada da I Liga de futebol.

João Pedro Sousa revelou que quer “fazer uma segunda volta igual à primeira”, sempre sem esquecer o principal objetivo, que é a manutenção na I Liga.

“Quando terminámos a primeira volta disse que queríamos fazer uma segunda volta igual à primeira, apesar de sabermos que era quase impossível. Mas estamos disponíveis para atacar a segunda volta da mesma forma. Chegando aos 35 pontos, o que nos garante o nosso principal objetivo, vamos continuar a ser ambiciosos e a pensar em novas metas”, afirmou o técnico, na conferência de imprensa de antevisão do encontro com o Vitória de Guimarães.

Sobre o próximo jogo, o treinador da equipa famalicense admitiu estar à espera de dificuldades com um adversário “cujos objetivos são semelhantes” aos do Famalicão.

“Temos que ter a consciência de que vamos defrontar uma equipa muito forte. Vem de alguns resultados negativos, mas é uma das excelentes equipas do nosso campeonato. [Tem] excelentes jogadores, um excelente treinador. Esperamos inúmeras dificuldades. Estamos a trabalhar para conseguir anular a organização ofensiva do Vitória”,detalhou.

João Pedro Sousa espera encontrar uma “equipa forte, muito competitiva, muito difícil de vencer”. “Mas o nosso objetivo é vencer e distanciarmos mais um pouco de um adversário cujos objetivos são parecidos com os nossos”, acrescentou.

Ainda assim, desvendou que vai fazer algumas alterações na equipa de forma a conseguir gerir o plantel para a carga de jogos que se avizinha.

“A nossa proposta de jogo vai manter-se. Vou ser muito honesto. Vamos mudar vários jogadores. Tínhamos isso planeado. Queremos estar muito fortes e para estar temos de mudar, devido ao desgaste e por causa do jogo de terça-feira [da Taça, com o Benfica]. Queremos estar fortes no sábado e terça e só gerindo jogadores é que conseguimos. Não preciso de dizer que tenho confiança nos que vão jogar. Sei que vão dar uma resposta forte e vencer o jogo”, garantiu.

João Pedro Sousa não quis comentar a arbitragem no jogo com o Benfica, a contar para primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal, nomeadamente o lance em que Gabriel alegadamente pisou Fábio Martins e poderia ter sido expulso.

“Não gostaria de falar de lances de arbitragem de jogos passados. Esse foi um lance rápido. No banco, nem percebi a gravidade do lance. Podia ser visto de outra forma pelo árbitro, mas entendo a decisão. São situações normais. Não foi por aí que perdemos o jogo”, afirmou.

O Famalicão, quinto classificado, com 32 pontos, recebe este sábado, às 15.30 horas, o Vitória SC, sétimo, com 25 pontos, em partida da 20.ª jornada da I Liga de futebol.

Anúncio

Desporto

Jogador do Famalicão, Pedro Gonçalves, doa material de proteção a hospital e bombeiros

Depois de ter doado um ventilador

em

Foto: DR / Arquivo

O jogador do Famalicão Pedro Gonçalves, da I Liga de futebol, vai oferecer, juntamente com o empresário Jorge Pires, 2.500 máscaras e 50 fatos de proteção ao Hospital de Chaves e Bombeiros de Vidago, após terem doado um ventilador.

O anúncio foi divulgado hoje na página na rede social Facebook de Jorge Pires e a oferta deve-se à “notória falta de material de proteção” nos profissionais de saúde do Hospital de Chaves e dos Bombeiros de Vidago face à pandemia covid-19.

O médio de 21 anos Pedro Gonçalves e o seu empresário Jorge Pires são naturais de Vidago, concelho de Chaves, distrito de Vila Real.

A oferta será de 2.500 máscaras cirúrgicas e ainda de 50 fatos de proteção, que “serão distribuídas por estas duas entidades”.

Na nota é ainda pedido à população de Vidago para que “ajudem os bombeiros nesta fase de extrema necessidade”.

Pedro Gonçalves, juntamente com os seus empresários Jorge Mendes e Jorge Pires, e ainda o jogador do Desportivo de Chaves André Liberal, anunciou em 24 de março a doação de um ventilador para o Hospital de Chaves.

O flaviense representa o Famalicão desde o início da temporada e soma 31 jogos oficiais e seis golos, após duas temporadas na equipa inglesa do Wolverhampton.

Pedro Gonçalves fez formação no Vidago, Desportivo de Chaves e Sporting de Braga, em Portugal, representando durante duas temporadas o Valência, de Espanha.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 866 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 43 mil.

Dos casos de infeção, pelo menos 172.500 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 187 mortes, mais 27 do que na véspera (+16,9%), e 8.251 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 808 em relação a terça-feira (+10,9%).

Dos infetados, 726 estão internados, 230 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Continuar a ler

Desporto

Fernando Gomes reúne-se com presidentes dos 34 clubes profissionais

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e os presidentes da Liga e dos clubes das competições profissionais vão reunir-se hoje, após o encontro da UEFA com as suas filiadas devido à pandemia de covid-19.

Fonte ligada ao processo confirmou à Lusa a realização durante a tarde de hoje deste encontro de Fernando Gomes com os 34 presidentes de clubes da I Liga e da II Liga, para a qual foi convidado o presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença.

Esta reunião ocorre no mesmo dia em que a UEFA, que rege o futebol europeu, se reuniu com as 55 federações nacionais, na qual o diretor-executivo Tiago Craveiro foi o representante da FPF, e um dia depois de Gomes ter-se reunido com os representantes das 22 associações distritais e regionais.

Na sexta-feira, a FPF decidiu cancelar as provas dos escalões de formação, que estavam suspensas desde 10 de março, dois dias antes de o organismo regulador do futebol português ter decidido suspender também as competições de seniores.

A FPF optou por concluir “as competições nacionais de todos os escalões de formação de futebol e futsal, masculinas e femininas, não resultando das mesmas qualquer efeito desportivo imediato”, acrescentando que “não serão atribuídos títulos nas referidas competições, nem aplicado o regime de subidas e descidas”.

Os jogos da I Liga e II Liga de futebol estão suspensos, por tempo indeterminado, desde 12 de março.

Após 24 das 34 jornadas, o FC Porto lidera o principal escalão, com 60 pontos, mais um do que o campeão Benfica, enquanto o Nacional segue no primeiro lugar da II Liga, com 50 pontos, no mesmo número de jogos, mais dois do que o Farense.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de covid-19, já infetou mais de 865 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 43 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 165 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril, registaram-se 187 mortes e 8.251 casos de infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Continuar a ler

Desporto

Sindicato alerta para “dramas humanos” devido a salários em atraso a jogadores

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A pandemia de covid-19 tem sido usada como justificação da gestão desportiva irresponsável dos clubes e estão a surgir “dramas humanos” devido a incumprimentos salariais, disse hoje à Lusa o presidente do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF).

Joaquim Evangelista revela que estão a surgir “dramas humanos”, com “a privação de recursos financeiros para que jogadores, em especial os estrangeiros, satisfaçam as necessidades mais básicas, como a alimentação”.

“Neste momento a situação é preocupante, temos muitos pedidos de apoio, em especial no Campeonato de Portugal (CP) e não vemos da parte dos clubes a capacidade, ou mesmo o interesse, em responder eficaz e solidariamente”, alerta Joaquim Evangelista.

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) está ao corrente e em articulação diária, para se poder responder com o Fundo de Garantia Salarial, no imediato, mas o SJPF quer mais: “É momento de os dirigentes do CP serem chamados a assumir os compromissos a que se vincularam”, acrescenta.

Para o dirigente, a pandemia de covid-19 foi usada como pretexto “para justificar uma gestão desportiva irresponsável, que já resultava de momento anterior” e a situação verifica-se nas competições profissionais e no CP.

“A situação salarial nas competições profissionais não é tão complexa, ainda, porque, felizmente, os mecanismos de licenciamento introduzidos ajudam a mitigar este tipo de situação”, realça.

Sobre o pagamento dos salários de março, Joaquim Evangelista explica que “alguns clubes já realizaram ou garantiram o pagamento”, mas há casos de clubes que “mesmo sem fundamento legal estão a adiar ou a pressionar os jogadores para aceitarem os cortes”.

“Estamos a monitorizar, com preocupação, existem muitos casos de incumprimento já registados, isso podemos confirmar”, aponta.

Com a pandemia de covid-19 houve ainda pedidos de ajuda ao SJPF por parte de jogadores estrangeiros para abandonarem o país.

Segundo Joaquim Evangelista, os “pedidos de informação” não foram em grande número e o sindicato ajudou os jogadores a contactar as embaixadas dos respetivos países em Portugal.

“Procurámos perceber as condições de um voo de retorno ao país de origem ou repatriamento, em caso de abandono, e articular algumas informações úteis com o SEF, se necessário”, explica.

Considerando que Portugal tem respondido com segurança a esta crise e que dá aos cidadãos que vivem no país, apesar do medo natural, alguma tranquilidade, o responsável do sindicato garantiu que continuará atento.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 828 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 41 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 165 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril, registaram-se 160 mortes e 7.443 casos de infeções confirmadas, segundo o balanço feito na terça-feira pela Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Populares