Seguir o O MINHO

Ave

Famalicão: Empresa que já investiu 16,5 ME quer fazer tecidos resistentes a chama direta

em

Uma empresa alemã sediada em Vila Nova de Famalicão quer produzir um tecido que resista a uma chama direta e encontrar um substituto têxtil de vidro resistente a grandes amplitudes térmicas.

A ambição da Olbo&Mehler foi dada a conhecer numa visita do presidente da autarquia famalicense às instalações da empresa, contexto do roteiro Famalicão Made IN, que em 2014 concentrou em Vila Nova de Famalicão a produção de telas para correias de transporte e o desenvolvimento de outros têxteis técnicos e de valor acrescentado, usados em corrimões de escadas rolantes, lagartas de motos de neve ou coletes à prova de bala.

No total, a empresa, que comprou, ampliou e modernizou a antiga Segures, já investiu em Vila Nova de Famalicão 16,5 milhões de euros e desenvolveu parcerias com o Centro de Nanotecnologia e Materiais Tecnológicos e Inteligentes CeNTI, o Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal (Citeve) e com a Universidade do Minho para o desenvolvimento de tecidos inovadores.

“Uma das missões a cumprir é encontrar um tecido capaz de resistir a uma chama direta a incidir sobre ele, com temperaturas de 800 graus Celsius. Outro desafio é encontrar um substituto têxtil da fibra de vidro resistente a grandes amplitudes térmicas. Em estudo estão ainda soluções antibacterianas”, revelou o presidente da Olbo&Mehler, Alberto Tavares, que espera que dentro de cinco anos estes produtos façam parte da produção diária da empresa.

Alberto Tavares apontou como “fatores competitivos” para a decisão do grupo de centralizar a sua produção no concelho com o “know how têxtil existente na região nas áreas de desenvolvimento de produto e inovação, a mão de obra altamente qualificada e a posição geográfica privilegiada do município famalicense”.

Para o presidente da câmara local, Paulo Cunha, “é um orgulho para Vila Nova de Famalicão ter esta empresa de dimensão internacional no seu território”.

“A Olbo&Mehler é mais um sinal da pujança empresarial e da atratividade do nosso concelho para o investimento”, concluiu.

Anúncio

Ave

Festa das Camélias de Celorico de Basto inspira-se nos 500 anos do foral

13, 14 e 15 de março

em

Foto: Divulgação / CM Celorico de Basto

A Festa das Camélias de Celorico de Basto, de 2020, inspira-se nos 500 anos do foral do concelho, com atividades evocativas do período manuelino, destacando-se um desfile com mil figurantes trajados à época.

“O tema deste ano da nossa Festa Internacional das Camélias (17.ª edição) é muito especial, porque estamos a assinalar os nossos 500 anos”, assinalou, esta quinta-feira, o presidente da câmara, Joaquim Mota e Silva.

Um painel gigante com cerca de 15 metros de comprimento e quatro de largura, enfeitado com dois mil azulejos, pintados por crianças e jovens das escolas, constitui uma novidade este ano. A peça poderá ser apreciada junto ao antigo edifício dos Paços do Concelho.

À Lusa, o autarca disse que os preparativos para a “grande festa” começaram há vários meses, envolvendo centenas de pessoas, de todo o concelho minhoto, incluindo crianças e jovens das escolas e os idosos das instituições de solidariedade social.

Joaquim Mota e Silva reforçou que, como tem ocorrido nas edições anteriores, são aguardadas dezenas de milhares de pessoas nos três dias do evento, muitas das quais oriundas de localidades espanholas com as quais Celorico de Basto mantém, há vários anos, ligação no âmbito da tradição das camélias.

Das 50 mesas com decorações de camélias de vários tipos que podem ser vistas na festa, instaladas numa tenda gigante – uma das maiores atrações do evento – cerca de metade é oriunda de localidades do país vizinho, assinala a organização.

O desfile das camélias, no domingo à tarde, costuma ser outro ponto alto da festa, que vai decorrer de 13 a 15 de março. Naquele momento, cerca de mil pessoas, de várias gerações, evoluem pelas ruas da vila, com decorações inspiradas nas camélias e no foral. Este ano, os trajes serão inspirados no período manuelino e as vestes foram preparadas nos últimos meses pela comunidade concelhia.

“Esta não é uma festa da câmara, esta é uma festa de todo o concelho, é uma festa da comunidade, porque toda a gente participa”, vincou o presidente.

O autarca deixou mais exemplos do envolvimento da comunidade, nomeadamente as centenas de vasos que estão a ser preparados por crianças e jovens, num atelier de cerâmica, para decorar a vila, no âmbito de um projeto de combate ao insucesso escolar.

O município também distribuiu 2.000 pequenos arcos às crianças para que possam ser decorados com camélias, destinados a embelezar as ramadas do centro da vila, complementando a decoração das fachadas dos edifícios feita por moradores e comerciantes.

A batalha das flores, outro momento marcante do programa, que era uma tradição antiga recuperada recentemente pela organização, vai ter este ano ainda mais camélias” para as crianças lançar umas às outras.

Por outro lado, os idosos do projeto “Celorico a mexer” têm sido convidados a preparar 5.000 pequenas camélias, em tecido, que são depois oferecidas aos visitantes e nas promoções ao evento que a edilidade tem promovido em Portugal e Espanha.

Joaquim Mota e Silva destacou, por outro lado, a importância que o evento já representa na economia do concelho, por atrair muitas pessoas, não só nos dias da festa, como ao longo de todo o ano.

No sábado e no domingo haverá visitas guiadas a palacetes do concelho com jardins centenários de camélias.

Desfiles de moda, murais e espantalhos inspirados naquelas flores e no foral são outros motivos de interesse da festa, numa vila que, naqueles três dias, se veste de camélias de todas as cores e feitios, como destaca a organização.

Continuar a ler

Guimarães

Carro arde em Guimarães

Creixomil

em

Foto: André Ferreira

Uma viatura começou a arder na estrada, esta quinta-feira, na variante de Creixomil, em Guimarães, adiantou a O MINHO fonte dos bombeiros.

O alerta foi dado pelas 15:16 e para o local foram destacados os  Bombeiros de Guimarães  com uma viatura de socorro e cinco operacionais.

Apesar dos danos materiais, da ocorrência não resultaram feridos.

Continuar a ler

Ave

Acidente em Famalicão causa seis feridos

Louro

em

Foto: DR

Seis pessoas ficaram feridas, esta quinta-feira, na sequência de um acidente rodoviário que envolveu três veículos ligeiros, na Estrada Nacional 204, freguesia do Louro, em Famalicão.

Fonte dos bombeiros disse a O MINHO que as seis pessoas, com idades compreendidas entre os 18 e 57 anos, sofreram ferimentos ligeiros sendo apenas duas delas transportadas para o hospital de Famalicão.

O alerta foi dado às 13:38 e para o local foram destacados os Bombeiros de Viatodos com seis viaturas de socorro apoiadas por 15 operacionais e dois militares da GNR, que registaram a ocorrência.

 

Continuar a ler

Populares