Seguir o O MINHO

Região

Especialista diz que número de casos diários na região Norte está a abrandar

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

O número de casos diários de infeção pelo novo coronavírus na região Norte está a “abrandar”, afirmou hoje um especialista da Universidade do Porto, alertando, contudo, que a incidência “ultrapassa quatro vezes” o limite estipulado por 100 mil habitantes.

Em declarações à agência Lusa, Óscar Felgueiras, matemático especialista em epidemiologia da Universidade do Porto, explicou hoje que os modelos matemáticos apontam para uma “estabilização na ordem dos 3.000 casos diários para a região Norte” nesta e na próxima semana.

“O cenário central prevê um valor médio próximo de 3.000 casos diários na região Norte e com eventual possibilidade de começar a haver uma descida no número de casos na próxima semana”, sublinhou, considerando “cedo para avaliar” se o “abrandamento no crescimento” é reflexo das medidas implementadas.

“Não é totalmente óbvia a associação de entrada em vigor das medidas com o efeito, mas eventualmente o comportamento das pessoas pode ter mudado de algum modo”, afirmou.

Apesar de ser ainda necessária uma “consolidação e avaliação dos dados”, os modelos estatísticos indicam que o “pico de infecciosidade já poderá ter passado”, isto é, que o momento com o “maior número de início de sintomas na região, eventualmente, já terá passado”.

“É arriscado fazer uma afirmação taxativa, mas o modelo que tenho seguido diz-me que o pico de infecciosidade já terá passado, mas ainda está em consolidação. Só daqui a uma semana é que será possível determinar se houve ou não esse pico e quando foi”, esclareceu.

Embora o cenário indique alguma estabilização do número de casos de infeção pelo novo coronavírus, que provoca a covid-19, a “pressão sobre o sistema hospitalar é elevadíssima”.

“O que se espera nestas duas semanas é que a pressão sobre o sistema hospitalar seja máxima, nunca tivemos com os hospitais tão pressionados quanto agora (…). Nesse sentido, mesmo num cenário de eventual estabilização, poderão justificar-se medidas adicionais”, referiu o especialista, advertindo que a incidência na região é “elevadíssima”.

“O Norte está com uma incidência elevadíssima, superior a 1.000 casos por 100 mil habitantes em 14 dias e que é relativamente ao limite que impuseram para as limitações de concelhos [240 casos por 100 mil habitantes em 14 dias] quatro vezes superior”, acrescentou.

Segundo Óscar Felgueiras, os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) indicam que a incidência média de casos no Norte é de 1.042 por 100 mil habitantes, na região de Lisboa e Vale do Tejo de 446 casos, com a média nacional a fixar-se nos 610 casos por 100 mil habitantes em 14 dias.

À Lusa, o especialista afirmou que “são mais de 20 os concelhos na região” cuja incidência ultrapassa quatro vezes o limite estipulado pelo Governo e que tal é “motivo de preocupação”.

“É óbvio que no Norte há uma incidência fortíssima e que é motivo de preocupação, mesmo que se consiga estabilizar a situação. Se tivéssemos num patamar mais baixo, esta estabilização seria uma boa notícia, mas tendo em conta a elevada incidência e a consequência que isso tem na afluência aos serviços de saúde isto não é sustentável e tem de haver um travão”, assegurou, lembrando, contudo, que o “travão não vai atuar tão rápido” quanto o desejado.

“Temos de ter consciência de que o travão ao ser colocado não vai atuar tão rápido, ou seja, tivemos uma subida [de casos] muito rápida, mas a descida não vai ser tão rápida”, sublinhou.

A par da incidência, existe ainda outro fator que “não é reconfortante” para a região Norte: “a positividade dos testes de diagnóstico que ronda os 20%”.

“Numa situação em que a positividade é tão elevada, significa que não há deteção de muitos casos, especialmente dos assintomáticos, que podem não ser muito preocupantes por si só, mas que têm potencial para transmitir e fazer propagar o vírus”, salientou.

Portugal contabiliza pelo menos 3.021 mortos associados à covid-19 em 187.237 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Braga

Concelho de Braga com 1.700 casos ativos e 1.734 em isolamento

Covid-19

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O concelho de Braga registou 434 novos casos de covid-19 entre terça e quinta-feira. Desde o início da pandemia soma 13.949 infeções.

Casos ativos são atualmente 1.700 1.476, mais 224 dos registados na passada terça-feria.

Estes números foram apurados por O MINHO junto de fonte local da saúde e atualizados às 18:00 desta quinta-feira.

O número de óbitos mantém-se nos 168.

Há ainda um total de 11.871 recuperados, mais 210 em dois dias

Há 1.734 pessoas em vigilância ativa.

Continuar a ler

Guimarães

Freguesia de Guimarães aproveita poda para aquecer casa dos mais desfavorecidos

Solidariedade

Foto: Divulgação / JF Ponte

Os mais desfavorecidos da vila de Ponte, em Guimarães, têm agora oportunidade de recolher sobrantes da poda das árvores localizadas em espaços públicos para aquecer as casas e também para cozinhar no fogão a lenha.

De acordo com uma nota daquela Junta de Freguesia, os resíduos, não só da poda mas também da desmatação de caminhos, estão disponíveis na Loja Social através do apoio da Brigada Verde, que procedeu ao corte dos sobrantes.

Segundo a mesma nota, esta iniciativa não visa apenas ajudar os mais desfavorecidos, mas também promover uma estratégia de economia circular e de sustentabilidade ambiental, rentabilizando-se ao máximo os recursos disponíveis, protegendo-se o meio ambiente.

Continuar a ler

Alto Minho

“Hortense” derruba poste de eletricidade em Ponte de Lima e corta estrada em Valença

Depressão Hortense

Foto: DR / Arquivo

Um poste de eletricidade tombou e uma árvore provocou o corte de uma estrada muncipal em Valença e condicionou o trânsito numa estrada nacional em Melgaço, apurou O MINHO junto do CDOS.

Pelo que foi possível apurar, a queda de um poste de eletricidade em Refóios do Lima, que terá tombado na via pública, não provocou danos de maior no fornecimento de energia naquela freguesia. O acidente ocorreu no lugar de Vacariça, com alerta a ser dado 23:38, segundo o CDOS. No local está a proteção civil e os bombeiros para remover o poste da via.

Situação mais complicada em Valença, na freguesia de Cerdal, onde uma árvore cortou por completo uma estrada camarária no lugar de Alderete. No local estão os bombeiros a proceder ao corte e remoção da árvore para desimpedir a via. O alerta foi dado às 23.16.

Também em Melgaço, a queda de uma árvore provocou condicionamento do trânsito na Estrada Nacional 202, na freguesia de Prado. Os bombeiros deslocaram-se imediatamente para o local e já resolveram a situação, com a estrada a estar novamente aberta na totalidade. Este alerta foi dado às 23:12.

Segundo fonte do CDOS, esta noite, face ao aviso amarelo, são esperadas mais ocorrências deste género, mas, até agora, não há registo de danos materiais nem de feridos.

Quedas de árvores em poucos minutos no distrito de Braga

Entre as 22:39 e as 23:01, foram registadas cinco quedas de árvore que impediram circulação em cinco concelhos distintos do distrito de Braga: Vila Verde, Braga, Guimarães, Esposende e Terras de Bouro. Ao que apurou O MINHO junto do CDOS, não há registo de feridos nem de danos materiais.

De acordo com a página da Proteção Civil, pelas 22:39 uma árvore caiu em Moreira de Cónegos, no concelho de Guimarães. Seguiu-se, pelas 22:46, nova queda de uma árvore na freguesia de Celeirós, no concelho de Braga.

Pelas 22:56, novo registo, desta vez em Vila Chã, no concelho de Esposende. Pelas 22:59, uma árvore caiu em Lanhas, no concelho de Vila Verde.

Finalmente, pelas 23:01, uma árvore caiu em Chamoim, no concelho de Terras de Bouro.

Já às 23:17, caiu uma árvore no Sameiro, em Braga.

Para todas estas cinco quedas foi necessária a intervenção de bombeiros e proteção civil, uma vez que as mesmas caíram em locais de mobilidade, impendindo assim a possível circulação na via pública.

Rajadas até 130 km/h

A depressão Hortense, centrada no Golfo da Biscaia, com epicentro a cerca de 450 quilómetros a nordeste de Viana do Castelo, vai agravar os seus efeitos no território minhoto a partir das 00:00 horas desta sexta-feira, com a previsão de rajadas de vento que podem chegar aos 130 km/h.

O anúncio foi feito ao final da tarde pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), dando conta que o sistema frontal associado à tempestade é um sistema de forte atividade e o ramo frio deste sistema irá atravessar o território a partir desta noite e a madrugada do dia 22.

Refere o IPMA que a passagem desta superfície frontal fria irá afetar com maior intensidade as regiões do Norte e Centro onde se prevê ocorrência de precipitação forte e persistente e vento de oeste forte, com rajadas muito fortes.

“Nas terras altas acima dos 1.200 metros, a precipitação será de neve, que no extremo Norte e na Serra da Estrela poderá, temporariamente, interditar ou condicionar as estradas”, refere o relatório do IPMA, enviado a O MINHO.

“No período mais gravoso, que será esta noite e até ao início da manhã de dia 22, podem ocorrer rajadas até 95 km/h nas regiões Norte e Centro e até 120 km/h a 130 km/h nas terras altas”, acresce a mesma nota.

“À passagem da superfície frontal fria, é provável que em alguns locais possam ocorrer situações de rajadas de vento muito intenso, que podem estar associadas a fenómenos extremos de vento”, alerta o IPMA.

Esta situação de corrente forte de oeste está a originar agitação marítima forte, prevendo-se na Costa Ocidental ondas de altura significativa de 5 a 6 metros, podendo atingir 10 a 12 metros de altura máxima.

Prevê-se que as ondas diminuam para 4 a 5 metros no final de dia 22.

Para acompanhamento da situação meteorológica recomenda-se a consulta da previsão e dos avisos meteorológicos através da página do IPMA.

Continuar a ler

Populares