Seguir o O MINHO

Braga

Dimitris Papaionnou no Theatro Circo em Braga

em

O espetáculo “Still Life”, do coreógrafo grego Dimitris Papaioannou, leva ao Theatro Circo, em Braga, na quinta e na sexta-feira, dois espetáculos únicos sobre o mito de Sísifo, homem condenado pelos deuses a uma “estranha forma” de imortalidade.

Em comunicado, o Theatro Circo explica que a obra de Papaionnou encerra o ciclo “A Dança Dança-se com os Pés” que integrou a programação que celebra os cem anos daquela casa de espetáculos e levou a Braga alguns dos “maiores nomes” da dança contemporânea nacional e internacional.

A performance surge de uma meditação sobre o mito de Sísifo, sentenciado pelos deuses a uma estranha forma de imortalidade: “Ele empurraria uma enorme pedra, montanha acima, porém, chegado lá acima, a pedra voltaria a rebolar montanha abaixo num processo que se repetiria pela eternidade”, lê-se.

“É um trabalho sobre trabalho, sobre o confronto com a matéria física de forma a elevar a nossa existência; uma tentativa de aproximação ao teatro que gera energia meditativa através de ações simples, encorajando uma viagem emocional através de ilusões óticas”, explica Papaioannou.

Em “Still Life”, o coreógrafo “transporta para palco uma paisagem deserta, debaixo de um céu expansivo, onde humanos carregam o peso de materiais elementares na tentativa de se ligarem com a leveza do cosmos que os envolve”.

No palco, explana o texto, “corpos equilibram-se e separam-se, criando ilusões óticas que parecem iluminar delicadamente a sisífiana busca por sentido”.

Segundo o Theatro Circo, para criar “Still Life”, Papaioannou “encontrou no equilíbrio entre simplicidade, interação com matérias reais e silêncios musicalmente compostos a base para uma reflexão sobre Albert Camus e o trabalho humano”.

Dimitris Papaioannou coreografou Cerimónias de Abertura e de Encerramento dos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004, e, em 2015, ano em que foi nomeado “Coreógrafo do Ano” pela revista italiana “Danza & Danza”, foi o responsável pelo espetáculo de abertura dos primeiros Jogos Europeus, em Baku.

O corógrafo frequentou a Escola de Belas Artes de Atenas e teve formação com o pintor grego Yannis Tsarouchis tendo sido membro fundador da “Edafos Dance Theatre” (1986-2002) e criado todas as 17 produções da companhia que “deixou uma marca indelével no cenário artístico grego”, angariando vários prémios e convites para festivais internacionais.

Entre os trabalhos de Dimitris Papaioannou encontram-se obras como “2” (2006), “Medea” (2008), Nowhere (2009), “Inside” (2011) e “Primal Matter” (2012).

Nos próximos dias 25 e 26 de fevereiro, o coreógrafo grego Dimitris Papaioannou apresenta o espetáculo STILL LIFE, em exclusivo nacional, no Theatro Circo. Absolutamente a não perder!Garanta já o seu lugar em: http://theatrocirco.bol.pt/Comprar/Bilhetes/32183-still_life-theatro_circo/Sessoes

Publicado por Theatro Circo – Página Oficial em Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2016

 

Os ingressos para “Still Life” custam 15 euros e 7,5 euros para quem tiver o Cartão Quadrilátero. Estão disponíveis em www.theatrocirco.bol.pt, na bilheteira do Theatro Circo, lojas Fnac e estações CTT aderentes.

logo Facebook Fique a par das Notícias de Braga. Siga O MINHO no Facebook. Clique aqui

Anúncio

Braga

Braga: Concurso de fotografia sobre o Bom Jesus com mais de 50 inscritos

Concurso Municipal de Fotografia

em

Foto: Divulgação / CM Braga

O Bom Jesus do Monte – Património Mundial da Humanidade é o tema do XVI Concurso Municipal de Fotografia que se realiza nos próximos dias 13, 14 e 15 de dezembro, anunciou, esta terça-feira, a Câmara de Braga.

Organizado pela autarquia, o concurso conta com cerca de 50 inscritos que são desafiados a fotografar o Bom Jesus do Monte. O concurso conta com o apoio dos Transportes Urbanos de Braga e da Confraria do Bom Jesus que irão assegurar o transporte dos concorrentes, quer de autocarro, quer de funicular.

O concurso incluirá a habitual exposição pública, a inaugurar em fevereiro de 2020 na Fonte do Ídolo, e na qual estarão patentes os trabalhos premiados pelo júri, bem como uma fotografia de cada um dos concorrentes, nos termos do regulamento do concurso.

O tema proposto visa reconhecer e homenagear a atribuição do Santuário do Bom Jesus do Monte a Património Cultural Mundial da UNESCO, bem como “estimular o interesse, a sensibilidade dos concorrentes em particular e dos turistas e cidadãos em geral, no que respeita ao seu valor histórico, artístico, cultural, religioso e paisagístico”.

Continuar a ler

Braga

Cervejeiros de Vila Verde lançam queijo de cabra maturado com cerveja

Cerveja Letra

em

Foto: Divulgação / Cerveja Letra

É já sabido que a Cerveja Letra tem por hábito desenvolver cervejas com diferentes aromas e sabores, e muitas delas feitas em parceria com outras marcas. Desta vez a marca de cerveja minhota lança um queijo, mas não é um queijo qualquer, é um queijo 100% de cabra maturado com cerveja e revestido a lúpulo que é uma explosão de aromas e sabores.

Os engenheiros da cerveja, Francisco Pereira e Filipe Maceira, desafiaram a queijaria vila-verdense Lactimercados e desenvolveram, em conjunto, um queijo para os apreciadores de cerveja.

A ideia foi incorporar cerveja e a flor de lúpulo na formulação do produto. Foram realizados diversos ensaios e após 6 meses de investigação e desenvolvimento surge um queijo de cabra maturado com cerveja India Pale Ale – Letra F, conhecida por ser mais amarga e aromática.

O cervejeiro e sócio fundador da cerveja Letra, Filipe Macieira, afirma que “este queijo é por si só uma experiência sensorial única. Primeiro destaca-se pelo aspecto verde da sua casca devido ao uso da flor de lúpulo, e quando se abre a embalagem sente-se de imediato um intenso aroma frutado e floral do lúpulo”.

A marca refere que se trata de um produto único no país e, uma vez que só foram produzidos 200 quilogramas, o mesmo é muito exclusivo.

A Lactimercados é uma empresa sediada em Vila Verde que produz os queijos da marca Quinta dos Moinhos Novos, que venceu prémios de melhor queijo português de 2019, nas categorias de queijo de cabra de cura prolongada e queijo de mistura de cura normal respetivamente.

Francisco Pereira, sócio fundador, salienta que “a época natalícia é muito importante para a empresa, e o foco passa por apresentar aos clientes e adeptos da marca experiências de consumo únicas com diferentes produtos onde a cerveja é o ingrediente chave. Alguns destes produtos são únicos no país, ideias que trouxemos das nossas viagens pela Europa, como deste queijo de cabra com cerveja e lúpulo, as bolachas feitas com resíduos de malte cerveja, o Hoppy Gin (gin destilado da nossa IPA – LETRA F em parceria com a marca Valley Gin) e ainda um folar doce feito com a cerveja Oatmeal Stout – Letra C em parceria com a Casa do Folar Limiano de Ponte de Lima”.

A Letra quer estar presente neste Natal, seja à mesa da consoada ou por baixo do pinheiro como presente para oferecer a amigos ou familiares. Produtos que os adeptos e consumidores da marca poderão encontrar online ou nos espaços Letraria (Braga, Porto ou Vila Verde) ou nas diferentes lojas pop-up que a marca apresenta em centros comerciais da região (Braga Parque, MarShopping e Parque Nascente).

Continuar a ler

Braga

Agente da Polícia Municipal de Braga agredida por mulher à porta do hospital

Após ordem de retirada de viatura

em

Foto: DR / Arquivo

Uma agente da Polícia Municipal de Braga terá sofrido agressões, esta terça-feira, à porta do Hospital de Braga, avança o Jornal de Notícias.

De acordo com a mesma fonte, a agente terá sido agredida, por uma mulher, na sequência de uma ordem de trânsito.

A alegada agressora integrava um grupo, a quem foi ordenada a retirada de uma viatura na rotunda de acesso às visitas, ordem que não terá sido cumprida.

A vítima acabou por ser assistida nos serviços de urgência do hospital.

A PSP registou a ocorrência.

Continuar a ler

Populares