Seguir o O MINHO

Barcelos

Descarga no rio volta a matar peixes em Barcelos

Situação foi denunciada em vídeo nas redes sociais – Imagens: Lala Litos

em

Mais um episódio de poluição no Ribeiro de Amiais, na freguesia de Barcelinhos aconteceu, este fim-de-semana e foi denunciado por um popular. Segundo o Presidente da Junta local, a descarga provem da freguesia de Carvalhal e já foi alvo de várias denúncias.

Esta não é a primeira vez que tal acontece como dá conta Rui Peixoto. O autarca lembra que em Janeiro comunicou às autoridades competentes “um problema ambiental que pode ser presenciado, com alguma regularidade, no Ribeiro dos Amiais, no Lugar de Medro”.

“Num local onde, em situações normais, as águas são cristalinas, este Ribeiro evidencia, com muita regularidade, aquilo que se conclui serem Descargas Poluentes, de tal ordem graves, que se tornam visíveis à distância. Espuma, água escura ou com diferentes cores, graves sinais de poluição industrial, levam a acreditar que estão a matar este afluente que, metros abaixo, desagua no Rio Cávado”, escreveu o autarca.

Na exposição pede uma “investigação” ao sucedido.

Em abril enviou uma carta para a presidência da república encaminhada também para o Gabinete do Primeiro Ministro e Secretaria de Estado do Ambiente onde volta a falar das descargas industriais no rio.

Já este mês, no dia 14, o autarca acompanhou as diligências da GNR no Parque de S. João e pelo ribeiro acima até ao foco de Poluição, juntamente com o habitante que lançou o alerta.

“Dezenas de peixes mortos, águas escuras: verificado foco de poluição pela GNR e documentado em fotografia e vídeo”, concluiu Rui Peixoto.

No dia seguinte, o caso foi enviado para o SEPNA e para o Ministério do Ambiente.

Barcelos

Já são conhecidos os temas do Festival da Canção (e há duas vozes de Barcelos)

Fábia Maia e Graciela

Fábia Maia e Graciela. Foto: DR

Há duas vozes de Barcelos a concurso no Festival da Canção 2021. Fábia Maia compôs e vai interpretar “Dia Lindo” e Graciela dá voz a “A vida sem acontecer”, uma composição de João Vieira.

Em declarações a O MINHO, Fábia Maia explicou que fez “esta música num dia triste como muitos outros nas nossas vidas”. “Acordei com estas palavras na cabeça, com a melodia nos meus ouvidos e com a saudade na minha boca. Fiz esta musica com a minha alma toda, não deixei nenhuma parte de fora”, conta.

O tema foi composto antes de ser convidada para o Festival da Canção. “Passaram dois dias e eu recebi o convite da RTP. Soube que este era o tema que eu ia levar sem pestanejar. O Dia Lindo é o amor puro e o perdão. É perceber a beleza no diferente e em tudo que existe sem julgar, sem guardar rancor. Sou eu a voltar às origens e a perceber que tudo tem o tempo Divino de ser é acontecer”, frisa a compositora, que também irá interpretar o tema.

Como O MINHO já contara, Fábia Maia dedicou-se exclusivamente à música há um ano. Sufocada por um emprego na restauração, que decidiu abandonar, saltou da cozinha para os palcos e está a preparar e gravar o lançamento de um novo E.P. É bissexual, orientação sexual que não se cansa de repetir, pois considera que “é preciso darmos a cara para a sociedade avançar”.

“Aqui estou a embarcar nesta aventura”

Com currículo firmado no circuito rock/alternativo nacional, Graciela integra bandas de relevo como Dear Telephone e White Haus, com as quais já pisou alguns dos principais palcos e festivais do país. Nos White Haus trabalha com o compositor João Vieira, natural do Porto, também conhecido como DJ Kitten e fundador dos X-Wife.

Em declarações a O MINHO, Graciela Coelho explica que já conhece e toca com João Vieira “há muitos anos e não é propriamente novidade cantar músicas dele”, mas reconhece que quando recebeu o convite ficou “muito reticente”.

“Demorei algum tempo para aceitar o convite, até. Precisei de pensar, pesar na balança. Depois disse-lhe que queria conhecer a música (por isso, a música não foi feita a pensar em mim especificamente – mas com a ideia atrás da orelha). Depois de ouvir música, quis perceber se me encaixava, ou não, e a verdade é que me fui apaixonando. E aqui estou eu a embarcar nesta aventura”, afirma.

Para Graciela, “A vida sem acontecer” é uma canção com a “assinatura do João [Vieira”, reflete muito a linguagem do trabalho dele, principalmente do seu projeto mais pessoal, White Haus, e é uma mistura de eletrónica, disco-punk e pop”.

Festival da Canção nos mesmos moldes mas sem público

A final do Festival da Canção 2021, marcada para 06 de março, irá acontecer em estúdio e sem público, ao contrário de anos anteriores, devido à pandemia da covid-19.

O modelo do concurso, organizado pela RTP, será igual a anos anteriores, com duas semifinais – nos dias 20 e 27 de fevereiro — e uma final — em 06 de março, que este ano, segundo o diretor de programas da RTP, José Fragoso, “não vai ter público, sinal do tempo”.

José Fragoso anunciou também que as três fases do concurso serão emitidas em direto na RTP1, “logo a seguir ao Telejornal”, podendo a emissão ser também acompanhada no RTP Play e na RTP Internacional.

Este ano, o Festival da Canção será disputado por 20 temas autores a competir, mais quatro do que em 2020, algo que acontece para a “comunidade artística ter oportunidade de apresentar propostas”, num momento em que “as indústrias culturais têm dado uma grande prova de resistência”.

Os intérpretes dos 20 temas que irão disputar este ano o concurso já foram revelados, com vários compositores a optarem por cantar as suas criações.

Na primeira semifinal competem: “Cheguei Aqui” (tema composto por Anne Victorino D`Almeida e interpretado por Nadine), “Dia Lindo” (composto e interpretado por Fábia Maia), “Contramão” (Filipe Melo/Sara Afonso), “Na mais profunda saudade (Hélder Moutinho/Valéria), “Mundo” (Ian), “Livros” (Irma), “Saudade” (Karetus/Karetus e Romeu Bairos), “Girassol” (Marôco), “Claro como Água” (Stereossauro/Mema.) e “Love in on my side” (Tatanka/The Black Mamba).

Na segunda semifinal irão competir: “Por um triz” (Carolina Deslandes), “I got music” (Da Chick), “Joana do Mar” (Joana Alegre), “A vida sem acontecer” (João Vieira/Graciela), “Dancing in the stars” (Neev), “Volte-Face” (Pedro da Linha/Eu.Clides), “Não vou ficar” (Pedro Gonçalves), “Jasmim” (Tainá), “Mundo Melhor” (Virgul/Ariana) e “Com um abraço” (Viviane/Ana Tereza).

Em cada semifinal serão escolhidas cinco canções para passarem à final.

Nas semifinais, o peso das votações será repartido entre os telespectadores e um júri cujos elementos foram escolhidos pela RTP.

Na final, as votações do júri serão feitas por representantes de sete regiões de Portugal Continental e ilhas.

Em caso de empate, nas semifinais prevalece a escolha do júri e, na final, a do público.

Dos 20 compositores participantes na edição deste ano, 18 foram convidados pela RTP e os outros dois (Marôco e Pedro Gonçalves) selecionados através da livre submissão de canções.

Continuar a ler

Barcelos

Barcelos: Recém-reformado morre atropelado na passadeira em rua sem iluminação

Junta alertou EDP para falha de luz no início de dezembro

Foto: Vítor Vasconcelos / O MINHO

Gabriel Silva, antigo funcionário da Casa S. João de Deus, em Barcelos, foi atropelado mortalmente, na passada terça-feira, em Arcozelo. A via onde se deu o sinistro, Rua Pedro Álvares Cabral, está sem iluminação há quase dois meses. A Junta de Freguesia alertou a EDP para a situação, pela primeira vez, no dia 2 de dezembro, e desde então tem insistido – sem resultado.

Natural da Guarda, Gabriel Silva, de 64 anos, residia em Arcozelo, a algumas centenas do local onde foi atropelado quando faria uma caminhada. Trabalhou durante décadas na casa de saúde mental S. João de Deus. Ao que O MINHO apurou, reformara-se em julho passado. Era solteiro, sem filhos. Vai ser sepultado na freguesia de Gonçalo Bocas, na Guarda, de onde era natural.

Junta reportou falha de luz à EDP no início de dezembro

A Rua Pedro Álvares Cabral, onde se deu o acidente mortal, está sem luz há cerca de dois meses, referiu a O MINHO o presidente da Junta de Arcozelo, José Silva Monteiro.

Homem morre atropelado na passadeira em Barcelos

O autarca reportou a situação no dia 2 de dezembro. Como o problema não foi resolvido de imediato, comunicou a situação ao município. “Pedimos ajuda à Câmara para tentar resolver junto da EDP, porque tem mais força do que nós [junta]”, salienta Monteiro da Silva, que desde então já reclamou por mais duas vezes junto da empresa energética.

“De um ano a esta parte temos mais dificuldade [em resolver falhas de eletricidade], porque antes ligávamos diretamente à empresa [de reparação] e eles arranjavam aquilo num ou dois dias. Depois, a EDP passou a dizer que todas as avarias eram com eles, o que tem dificultado. Às vezes reportamos cinco ou seis vezes falhas de iluminação e eles demoram muito tempo a substituir as lâmpadas”, lamenta José Monteiro da Silva.

O autarca salienta que aquela via tem “muito trânsito” e a falta de luz, “logicamente, dificulta a vida quer aos peões, quer aos automobilistas”.

Continuar a ler

Barcelos

Freguesia de Barcelos prepara novo boicote eleitoral contra muito alta tensão

Apelo à abstenção ou voto nulo

Foto: José Figueiredo / Arquivo

A freguesia de Perelhal, em Barcelos, prepara-se para voltar a boicotar umas eleições, desta vez as presidenciais, já no próximo domingo, estando a ser apelado à abstenção ou ao voto nulo em protesto contra a passagem da linha de muito alta tensão naquela localidade.

Recorde-se que, nas últimas eleições legislativas, decorreu em Perelhal um apelo ao voto nulo. Acabaram por se registar 479 votos nulos, equivalentes a 48,68%. Já antes, nas eleições europeias de 2019, naquela freguesia registara-se “a maior percentagem de votos nulos a nível nacional”.

Freguesia de Barcelos irredutível contra muito alta tensão. “O povo é que manda”

Além dos boicotes eleitorais, foram realizadas várias manifestações populares e com ações judiciais movidas pela Junta e outras instituições da freguesia e populares.

Em comunicado enviado a O MINHO, o movimento Perelhal Contra a Linha de Muito Alta Tensão afirma que “a população mantém a sua revolta e inconformismo com o traçado” e “encontra no boicote eleitoral uma forma de expressar a sua insatisfação em relação ao Município de Barcelos, que não acautelou os interesses da freguesia neste processo, e ao atual governo que recusa analisar o troço alternativo apresentado em setembro de 2020”.

Acrescenta o comunicado que, de momento, “não se nota qualquer atividade no terreno da entidade promotora da obra, estando em falta a construção de sete das nove torres que estão previstas”.

“Os proprietários dos terrenos afetados têm recusado vender os seus terrenos e manterão esta posição na defesa dos interesses da maioria da população”, afiança o movimento.

Freguesia em Barcelos com 48% de votos nulos contra alta tensão

Contactado por O MINHO, o presidente da Junta, Fernando Miranda, manifesta a solidariedade da autarquia com o boicote eleitoral. “Até porque esta é uma causa que ainda não morreu. A linha ainda não está a travessar Perelhal e estamos sempre na luta”, realça o autarca.

As duas torres que já foram colocadas foram-no em “terrenos que já estavam negociados há muito tempo”, nota Fernando Miranda, sublinhando que a população continuará a opor-se à passagem da linha.

O autarca adianta a O MINHO que, no próximo domingo, não haverá qualquer manifestação “para não haver aglomerados e respeitar as regras” sanitárias e de segurança determinadas no âmbito do estado de emergência para conter a propagação da covid-19.

Está é já a segunda freguesia do concelho de Barcelos em que é anunciado um boicote às eleições presidenciais do próximo domingo. Em Cambeses é feito um apelo à abstenção em protesto pela falta de ligação ao saneamento básico.

Continuar a ler

Populares