Centro de Engenharia Biológica da UMinho abre novo laboratório com 20 colaboradores no Porto - O MINHO
Redes Sociais

Centro de Engenharia Biológica da UMinho abre novo laboratório com 20 colaboradores no Porto

Braga

Centro de Engenharia Biológica da UMinho abre novo laboratório com 20 colaboradores no Porto

O Centro de Engenharia Biológica (CEB) da Universidade do Minho criou uma “nova linha e dois grupos de investigação” e “expandiu-se” para o Porto, abrindo um novo laboratório com 20 colaboradores, anunciou hoje aquela instituição.

Em comunicado enviado à Lusa, o CEB adianta que a “nova linha de investigação autonomiza o trabalho já realizado na área alimentar, dado o forte crescimento do número de projetos de investigação e da colaboração com o tecido industrial relacionado com este setor”.

Segundo o texto, “com a criação desta nova linha, o CEB passa a ter um papel reforçado no desenvolvimento de novas tecnologias e na criação de produtos alimentares com grande valor acrescentado, mais saudáveis e nutritivos, dando assim espaço ao crescimento e surgimento de novos projetos que, por sua vez, ajudarão a que o centro seja cada vez mais uma referência e reconhecido como uma das maiores estruturas científicas a nível nacional”.

Àquela nova linha, refere o CEB, caberá “intensificar a investigação de excelência, melhorando a funcionalidade, qualidade, segurança e valor nutricional dos alimentos” e ao mesmo tempo serão “associadas tecnologias avançadas na produção alimentar, tendo por base a biotecnologia, respondendo aos desafios colocados pela Indústria 4.0 e fomentando o reforço da colaboração entre o mundo industrial e académico”.

Quanto aos dois novos grupos de investigação, um será vocacionado para a “investigação de excelência com a integração de tecnologias avançadas, utilizando uma abordagem biotecnológica”, o FIT, e o segundo, BIOMARK, será um grupo de investigação para contribuir “para a evolução no contexto médico e industrial, com a criação de (bio)nanomateriais funcionais e de biossensores, com foco no desenvolvimento de soluções para o diagnóstico, a monitorização e o tratamento de doenças, nomeadamente doenças cardiovasculares, cancerígenas e associadas ao envelhecimento”.

As novas instalações associadas ao CEB da UMinho ficarão no Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP).

O CEB lembra que, em Portugal, a investigação e a produção científica nas áreas alimentar e da saúde “tem evoluído bastante nos últimos anos” e que no setor da saúde o CEB “tem feito importantes avanços, criando nanoformulações para aplicações cosméticas, proteínas para aplicações biomédicas, aplicações para a cicatrização de feridas e nanogéis para controlar a artrite reumatoide, entre muitas outras”.

“Prova do desenvolvimento desta área é o número de doutorados no setor da saúde que ronda os 3.000”, salienta o texto.

Ainda na área alimentar, o trabalho do CEB “tem incidido na criação de soluções inovadoras como sistemas de nanoencapsulação de compostos bioativos (nanoemulsões, nanogéis), embalagens funcionais e biodegradáveis de alimentos, avaliação de bioacessibilidade de compostos/nutrientes por um sistema gastro-intestinal dinâmico, assim como produção de aromas, enzimas, biopolímeros e adoçantes de origem biotecnológica e de compostos bioativos extraídos de microalgas e sistemas de embalagem de alimentos biodegradáveis”.

Com a criação da linha alimentar, são quatro as linhas de investigação existentes no CEB, juntando-se esta às áreas temáticas já existentes referentes aos setores industrial, ambiental e da saúde, que envolvem agora 430 investigadores e técnicos.

Jornal digital da região do Minho.

Mais Braga