Seguir o O MINHO

Guimarães

Castelo de Guimarães distinguido com prémio Cinco Estrelas Regiões

Galardão

em

Foto: Divulgação / CM Guimarães

O Castelo de Guimarães foi distinguido com o Prémio Cinco Estrelas Regiões na categoria “Monumentos Nacionais”, anunciou hoje fonte da autarquia.

Em comunicado, o município adiantou que aquela distinção baseia-se num “sistema de avaliação que identifica, segundo a população portuguesa, o melhor que existe em cada um dos 20 distritos (incluindo regiões autónomas) ao nível de recursos naturais, gastronomia, arte e cultura, património e outros ícones regionais de referência nacional; bem como premeia empresas portuguesas que se diferenciam a nível regional”.

“Através de uma votação nacional, os portugueses identificaram, para cada um dos distritos, o que consideram extraordinário a vários níveis (estudo envolveu 205.895 indivíduos). Esta votação foi gerida pela Multidados.com, uma das empresas de estudos de mercado parceiras dos Prémios Cinco Estrelas”, é ainda explicado.

Caminha: Praia de Moledo distinguida com prémio Cinco Estrelas Regiões

No distrito de Viana do Castelo, na categoria “Praias”, a praia de Moledo, em Caminha, também recebeu idêntica distinção, segundo informou o município na semana passada.

Castelo de Guimarães

Classificado como Monumento Nacional, o Castelo de Guimarães está na origem da Nação Portuguesa. Foi a primeira estrutura militar construída em Vimaranes, (Guimarães) data provavelmente do século X, mandada edificar por Mumadona Dias, que herdara do seu marido o governo das terras de Portucale. Em 1127, D. Afonso Henriques e as suas forças resistiram aí às forças de Afonso VII de Leão e Castela. No ano seguinte, mais precisamente em 24 de junho de 1128, D. Afonso Henriques venceu aí as forças da sua mãe, D. Teresa, dando assim origem ao novo reino, o reino de Portugal.

Já entre o final do século XII e o início do século XIII, o rei D. Sancho I definiu os limites da vila, dando assim, início à construção das muralhas. Em meados desse século, já debaixo do reinado de D. Afonso III, ficou definido o traçado definitivo das muralhas que passaram a unificar a vila do Castelo, no topo do Monte Largo, e a vila de Santa Maria, no sopé. As muralhas ficaram concluídas já no início do século XIV, no reinado de D. Dinis.

As muralhas viriam a ser reforçadas já na segunda metade do século XIV, no reinado de D. Fernando, para proteger a vila das investidas do rei D. Henrique II de Castela, que começava a invadir Portugal desde o Minho, tendo já conquistado a vizinha Braga.

Em 1389, o rei D. João I unificou as comunidades alta e baixa da povoação de Vimaranes, juntando-as sob um único concelho ao qual passou a dar o nome de Guimarães. Nesta altura, a muralha contava com um perímetro de 2Km, sendo rasgada por oito portas e reforçada por oito torres. Com os avanços tecnológicos e os progressos militares, o Castelo de Guimarães começou a perder a sua importância militar e a ser relegado para segundo plano, passando a abrigar a Cadeia Municipal, no século XVI. No século seguinte, o castelo passou a assumir a função de palheiro do rei, começando assim a sua ruína. Em meados do século XIX, a Torre de São Bento foi mandada demolir.

Em 1853, Guimarães foi elevada a cidade pela rainha D. Maria II, sendo mais tarde, em decreto publicado a 19 de março de 1881, o Castelo classificado como “Monumento Histórico de 1ª Classe”, o primeiro da região do Minho.

Já no século XX, o Castelo de Guimarães foi classificado como Monumento Nacional, nos anos de 1908 e 1910. Em 1937 deu-se início a uma extensa campanha de intervenção para a recuperação do Castelo e das Muralhas, vindo o Castelo a ser reinaugurado em 4 de junho de 1940, para as comemorações do VIII Centenário da Fundação da Nacionalidade.

Anúncio

Guimarães

‘A Cozinha’ mantém a estrela e Guimarães segue na rota do Guia Michelin

Restaurantes galardoados foram divulgados em Sevilha

em

Foto: DR/Arquivo

O restaurante “A Cozinha”, em Guimarães, foi galardoado esta quarta-feira com uma estrela Michelin, durante a apresentação do Guia ibérico, em Sevilha. O estabelecimento do ‘chef’ António Loureiro entrou no Guia Michelin Espanha e Portugal pelo segundo ano consecutivo.

O restaurante “Casa de Chá da Boa Nova” (Leça da Palmeira, ‘chef’ Rui Paula) ganhou hoje a segunda estrela do Guia Michelin Espanha e Portugal 2020, que atribuiu a primeira estrela a quatro estabelecimentos portugueses e retirou a outros três.

“Em Portugal, para nossa alegria, também estamos satisfeitos por entregar uma segunda estrela Michelin ao restaurante ‘Casa de Chá da Boa Nova’, de Leça da Palmeira, uma vez que cativou os inspetores tanto pela selvagem singularidade do estabelecimento [um edifício do arquiteto português Siza Vieira], sobre as rochas da Praia da Boa Nova, como pela intensidade da proposta do ‘chef’ luso Rui Paula”, lê-se no comunicado divulgado hoje à noite durante a cerimónia de apresentação da edição do próximo ano do Guia Michelin ibérico, a decorrer esta noite em Sevilha, Espanha.

Nasceu uma nova estrela Michelin, em Guimarães. Foi há um ano. O que mudou de lá para cá?

O ‘chef’ Rui Paula, que alcança agora a segunda estrela (‘cozinha excecional, vale a pena o desvio’), “joga com a memória, as técnicas mais atuais e a cozinha de proximidade para transferir para os seus pratos o autêntico sabor do Atlântico”, consideraram os inspetores do guia ibérico.

Além disso, os restaurantes “Epur” (Lisboa, ‘chef’ Vincent Farges), “Fifty Seconds by Martín Berasategui” (Lisboa, ‘chef’ Filipe Carvalho), “Mesa de Lemos” (Viseu, chef Diogo Rocha) e “Vistas” (Vila Nova de Cacela, ‘chef’ Rui Silvestre) são as novidades na primeira categoria (‘cozinha de grande nível, compensa parar’) do Guia Michelin ibérico.

Por outro lado, três restaurantes portugueses perdem em 2020 a estrela que detinham: “L’And Vineyards” (Montemor-o-Novo, ‘chef’ José Miguel Tapadejo, após a saída de Miguel Laffan), Willie’s (Vilamoura, ‘chef’ Willie Wurguer) e “Henrique Leis” (Almancil, ‘chef’ Henrique Leis) – que em julho foi o primeiro ‘chef’ em Portugal a anunciar que queria abdicar da estrela, que detinha há 19 anos.

O ‘guia vermelho’, equiparado aos Óscares da gastronomia, continua a não atribuir nenhuma classificação máxima a Portugal (três estrelas, ‘uma cozinha única, justifica a viagem’).

No total, Portugal sobe para sete o número de restaurantes com duas estrelas e mantém 20 estabelecimentos com uma estrela.

Na edição do próximo ano, há seis novos restaurantes portugueses com a categoria ‘Bib Gourmand’ (boa relação qualidade/preço): “Casa Chef Victor Felisberto” (Abrantes), “Solar do Bacalhau” (Coimbra), “La Babachris” (Guimarães), “Saraiva’s” (Lisboa), “In Diferente” (Porto) e “Ó Balcão” (Santarém).

A gala de apresentação do Guia Michelin Espanha e Portugal 2020 decorre hoje à noite em Sevilha, marcando também os 110 anos do lançamento do ‘guia ibérico’.

Na nota de imprensa divulgada durante a cerimónia, o diretor internacional dos guias Michelin, Gwendal Poullennec, afirmou que se assiste atualmente a “uma consolidação da alta cozinha” em ambos os países.

Quanto às tendências, o responsável destacou que os hotéis dão “cada vez maior valor estratégico às suas propostas gastronómicas”, mas também o facto de “muitos ‘chefs’ estarem a optar pela cozinha criativa de fusão, incorporando nos seus menus detalhes exóticos e ingredientes próprios do receituário peruano, mexicano ou nipónico”.

Além disso, acrescentou Poullennec, “é muito gratificante ver como Espanha e Portugal participam nas tendências culinárias globais e vão dando maior protagonismo aos alimentos fermentados, aos menus vegetarianos, aos produtos ‘km 0’, à sustentabilidade e à incipiente reciclagem”.

“O nível gastronómico destes dois países continua no auge e a criatividade dos seus ‘chefs’ demonstra uma constante ebulição”, comentou.

Nenhuma entidade oficial representou Portugal durante a gala desta noite.

Esta é a lista dos restaurantes portugueses distinguidos pelo Guia Michelin em 2020:

Uma estrela:

A Cozinha (Guimarães, ‘chef’ António Loureiro)

Antiqvvm (Porto, ‘chef’ Vítor Matos)

Bon Bon (Carvoeiro, ‘chef’ Louis Anjos)

Eleven (Lisboa, ‘chef’ Joachim Koerper)

Epur (Lisboa, ‘chef’ Vincent Farges) – novidade

Feitoria (Lisboa, ‘chef’ João Rodrigues)

Fifty Seconds by Martín Berasategui (Lisboa, ‘chef’ Filipe Carvalho) – novidade

Fortaleza do Guincho (Cascais, ‘chef’ Gil Fernandes)

G Pousada (Bragança, ‘chef’ Óscar Gonçalves)

Gusto by Heinz Beck (Almancil, ‘chef’ Libório Buonocore, após a saída de Daniele Pirillo)

LAB by Sergi Arola (Sintra, ‘chef’ Sergi Arola e Vlademir Veiga)

Largo do Paço (Amarante, ‘chef’ Tiago Bonito)

Loco (Lisboa, ‘chef’ Alexandre Silva)

Mesa de Lemos (Viseu, ‘chef’ Diogo Rocha) – novidade

Midori (Sintra, ‘chef’ Pedro Almeida)

Pedro Lemos (Porto, ‘chef’ Pedro Lemos)

São Gabriel (Almancil, ‘chef’ Leonel Pereira)

Vista (Portimão, ‘chef’ João Oliveira)

Vistas (Vila Nova de Cacela, ‘chef’ Rui Silvestre) – novidade

William (Funchal, ‘chefs’ Luís Pestana e Joachim Koerper)

Duas estrelas:

Alma (Lisboa, ‘chef’ Henrique Sá Pessoa)

Belcanto (Lisboa, ‘chef’ José Avillez)

Casa de Chá da Boa Nova (Leça da Palmeira, ‘chef’ Rui Paula) – novidade

Il Gallo d’Oro (Funchal, ‘chef’ Benoît Sinthon)

Ocean (Alporchinhos, ‘chef’ Hans Neuner)

The Yeatman (Vila Nova de Gaia, ‘chef’ Ricardo Costa)

Vila Joya (Albufeira, ‘chef’ Dieter Koschina)

Continuar a ler

Guimarães

Deichmann abre loja em Guimarães, a nona em Portugal

Marca de calçado alemã

em

Foto: Divulgação / Arquivo

A marca de calçado alemã Deichmann anunciou hoje que abrirá uma nova loja no Centro Comercial Espaço Guimarães na próxima semana, a nona da marca no país.

O novo espaço terá uma área de venda de 350 metros quadrados.

Atualmente, a Deichmann está presente nos seguintes centros comerciais: Aqua Portimão (Portimão), UBBO (Amadora), Almada Forum (Almada), Forum Barreiro (Barreiro), Alegro Montijo (Montijo), Alegro Sintra (Sintra), Mar Shopping Algarve (Loulé) e LoureShopping (Loures).

Continuar a ler

Guimarães

Guimarães liga iluminação de Natal a 24 de novembro

Programa

em

Foto: Divulgação

Foi apresentada, esta segunda-feira, 18 de novembro, a programação de Natal da Câmara de Guimarães, pela mão da vice-presidente da autarquia, Adelina Pinto.

O programa pretende “corresponder à vontade dos vimaranenses” e “ser atrativo para quem nos visita”, apontou ainda a vice-presidente da Câmara Municipal de Guimarães, sublinhando a ligação à “cultura”, “entretenimento”, “património” e “atratividade da cidade”.

No dia 24 de novembro será ligada a iluminação pelas ruas da cidade. A abertura oficial do programa está agendada para 07 de dezembro, com uma arruada natalícia, com início no Largo dos Laranjais em direção ao Largo do Toural (17:00), seguindo-se espetáculo de Árvore de Natal (18:00) e o espetáculo de som e luz, na Alameda de S. Dâmaso. Decorrerá, entretanto, a abertura do Mercado de Natal, no Jardim da Alameda (18:30). O número de mercadores ultrapassa as três dezenas, vocacionados para a área da alimentação, artesanato, decoração, doçaria, literatura e produtos infantis.

No horário de funcionamento do Mercado de Natal estão previstas ações de animação desde teatro à música, que se estendem a várias ruas de Guimarães, entre atividades diversas para as crianças, entre as quais “Debaixo do Azevinho”, “Fábrica do Chocolate”, “Marionetas do Circo”, “Dom Azevinho”, “O Pai Natal está cá” e o “O Natal dos Afonsos”.

A celebração do 18.º aniversário da inscrição do Centro Histórico de Guimarães na Lista do Património Cultural da UNESCO assinala-se com atividades nos dias 13 e 14 de dezembro. Realiza-se no dia 13, sexta-feira, uma sessão oficial na Câmara Municipal de Guimarães (17:00), seguindo-se o concerto comemorativo do Centro Histórico a Património Cultural da UNESCO, por António Victorino d’ Almeida (Piano) e Ana Maria Pinto (Soprano), na Igreja de Santo António dos Capuchos e termina com a “Corrida do Património”.

Na Festa de Passagem de Ano mantém-se a tradição dos últimos anos, com um programa concentrado no Centro Histórico, pelo Largo da Oliveira, Praça de S. Tiago e estende-se ao Largo da Misericórdia, com Videomapping, DJ’s, VJ’s e Live Acts, afirmando-se como um dos maiores momentos festivos de passagem de ano na região norte de Portugal.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares