Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Câmara dá apoio excecional a 19 clubes desportivos de Viana

Covid-19

em

Foto: DR

A Câmara de Viana do Castelo vai atribuir, durante quatro meses, um apoio “excecional” de 250 euros por jogo a 19 clubes desportivos presentes em campeonatos nacionais ou regionais, para “compensar” a redução das receitas de bilheteira.

A medida, incluída no programa “Ativar o Desporto” e hoje apresentada em conferência de imprensa, vai vigorar entre setembro e dezembro, num valor global superior a 75 mil euros, abrangendo 11 equipas de futebol, três de voleibol, duas de hóquei em patins, uma de basquetebol e uma de andebol.

“Não podendo o município substituir-se ao público em falta, decidimos atribuir uma verba que, de certa maneira, possibilite a organização dos jogos, que assuma em parte o pagamento pelo clube da arbitragem e segurança”, afirmou hoje o vereador do Desporto da Câmara de Viana do Castelo, Vítor Lemos.

O responsável explicou que, “numa primeira fase, a medida vigorará entre setembro e dezembro”, mas poderá ser prolongada se continuar a ser proibida a presença de público nos estádios e pavilhões desportivos, devido à pandemia de covid-19.

“Se não houver mudança de regras estamos a falar de um apoio que ultrapassará os 75 mil euros. Admitimos, se não houver essa mudança, é uma medida que vai prolongar-se para além de dezembro”, afirmou.

O apoio “durará enquanto não for revista a legislação em vigor que impede a entrada de público e é válido até 31 de dezembro de 2020, sendo que as associações e os clubes devem apresentar o calendário de jogos oficiais e são apoiados nos jogos em casa, após a realização dos mesmos”.

“Quando for possível bilheteira, esta medida cai. Mas não sabemos quando e se isso virá a acontecer”, especificou.

Vítor Lemos realçou que o município “tem consciência” que “não consegue substituir-se às receitas perdidas por falta de público”, e referiu que o objetivo do apoio agora anunciado é o de “criar condições para que os clubes possam, de forma mais tranquila, organizar os seus jogos”.

“Não será por falta de verba para pagar a arbitragem e a segurança que os clubes vão deixar de competir. Este apoio é um incentivo, um empurrão para que os clubes não desistam, não desanimem e não deixem de estar presentes no desenvolvimento da atividade desportiva porque a pandemia não nos pode vencer. Temos de cumprir as regras, temos de estar conscientes do problema de saúde pública com que nos confrontamos, mas não temos de matar o desporto”, reforçou.

Questionados pelos jornalistas, os representantes dos clubes que marcaram presença na apresentação daquela medida, designada “Ativar o Desporto”, apontaram os valores que gastam, em média, por jogo, com as equipas de arbitragem e segurança.

Paulo Alves, presidente do Voleibol Clube de Viana (VCV), que disputa o campeonato nacional da primeira divisão, indicou um valor de 300 euros para pagar aos árbitros, sendo que nesta fase, por não ser permitida a presença de público, não é contratado o serviço da PSP local para garantir a segurança.

Rui Natário, presidente da Juventude de Viana, que milita na primeira divisão nacional de hóquei em patins, disse que o montante gasto, por jogo, ronda os 1.100 euros, valor que sobe substancialmente se o nível de risco da partida for considerado elevado.

Já o Sport Clube Vianense, que este ano subiu ao Campeonato de Portugal, segundo informação que a Lusa recolheu junto vice-presidente do clube, Miguel Passos Silva, “o valor pago pelas taxas de arbitragem, de policiamento e segurança privada ronda os mil euros”.

No encontro com os jornalistas o presidente da Câmara, José Maria Costa, destacou que este programa é “um sinal de solidariedade que o município está a dar às associações e clubes”.

“Este é um tempo diferente, é um tempo em que todos somos convocados a procurar soluções para reativar a economia, a cultura e o desporto”, sublinhou o autarca socialista.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 1.963 em Portugal.

Viana do Castelo

Recolhidos 164 votos de pessoas em isolamento em Viana

Eleições presidenciais 2021

Foto: DR

As equipas de recolha de votos de pessoas em confinamento obrigatório recolheram 164 votos antecipados para as eleições presidenciais de domingo em todas as 27 freguesias de Viana do Castelo, informou hoje a Câmara local.

Em comunicado enviado às redações, explicou que o trabalho de recolha dos boletins de voto destes eleitores foi feito, porta a porta, “por duas equipas, cada uma com três elementos, montadas pelas autarquias, devidamente equipadas e com regras sanitárias estritas”.

“Uma das equipas ficou responsável pela recolha de votos nos lares e a outra recolheu os votos nos domicílios de cidadãos em confinamento obrigatório. Assim, votaram nos lares 80 munícipes, tendo sido também recolhido 84 votos de munícipes em confinamento”, especifica a nota.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Presidente da Câmara de Viana apela à suspensão da campanha eleitoral

Covid-19

Foto: CM Viana do Castelo

O presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, apelou hoje à suspensão da campanha eleitoral para as eleições presidenciais de 24 de janeiro.

Em comunicado, o autarca mostra-se preocupado com a evolução no número de óbitos registada e que, só hoje, ultrapassa as duas centenas, e aos milhares de portugueses internados nos hospitais de todo o país.

De acordo com o edil, este cenário configura “uma situação grave e que deve merecer todo o respeito e, acima de tudo, a compreensão e apoio a todos os familiares e entes queridos dos afetados pela pandemia”.

Para José Maria Costa, neste momento, os portugueses estão já devidamente esclarecidos das suas opções de voto, pelo que, para o cidadão comum e para os familiares enlutados ou com os seus entes queridos em situação de risco de vida ou em tratamento,  começa a ser difícil de aceitar que nos meios de comunicação social e logo após reportagens sobre o seu sofrimento, surja uma campanha eleitoral que, muitas vezes, ultrapassa aquilo que é o sentido cívico de esclarecimento necessário em democracia para raiar o insulto ou a deselegância não compagináveis de todo com a situação atual do país.

“O país está a sofrer profundamente, temos milhares e milhares de pessoas que estão a dar o seu melhor no Serviço Nacional de Saúde, outros que estão a sofrer profundamente e que não conseguem fazer o seu luto adequadamente e não se entende que se continue a fazer campanha eleitoral como se nada estivesse a passar-se. Apelo, pois, ao bom senso e ao sentido de humanidade de todos os candidatos para que suspendam a campanha e respeitem os que estão a ser vítimas desta implacável pandemia”, defendeu.

“Como responsável político, começo a ter dificuldade em entender a continuação desta campanha e tenho obrigação de dar apelar ao respeito pela vida e pelos que estão a sofrer”, enfatizou, rematando que “situações excecionais precisam de decisões excecionais”.

As eleições presidenciais estão marcadas para o próximo dia 24 de janeiro.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Ateliê de arquitetura de Viana distinguido internacionalmente

Valdemar Coutinho recebeu menções honrosas nos prémios A+Firm

Valdemar Coutinho. Foto: DR

Os gabinetes portugueses de arquitetura Ventura+Partners, do Porto, e Valdemar Coutinho, de Viana do Castelo, foram distinguidos com menções honrosas, na primeira edição dos prémios internacionais A+Firm, da plataforma Architizer, dedicados à atividade de ateliês.

De acordo com a lista de premiados da Architizer, publicada na plataforma ‘online’, o gabinete liderado por Manuel Ventura recebeu uma menção honrosa na categoria de Melhor Firma de Grande Dimensão, a par dos ateliês norte-americanos Arrowstreet, Fogarty Finger, Hastings, Rottet Studio e SGA.

Valdemar Coutinho recebeu igualmente uma menção honrosa, mas na classe de Melhor Empresa de Pequena Dimensão, com outros 12 ateliês da Áustria, da China, dos Estados Unidos e da Noruega, nomeadamente Desai Chia, Leon & Primmer, Mork Ulnes, Nerma Linsberger, Peter Pichler, Ryuichi Ashizawa, e os gabinetes Alter, NADAAA, OfficeOffCourse, Signal, SUP e Xiny.

O prémio da categoria de Pequena Empresa foi para a Shulin Architectural Design, de Hangzhou, na China, enquanto o de Grande Empresa foi para outro ateliê chinês, Neri & Hu, de Xangai.

Na categoria de Melhor Empresa de Média Dimensão, o gabinete brasileiro MK27, de São Paulo, recebeu igualmente um menção honrosa, enquanto o ateliê de Koichi Takada, em Sydney, na Austrália, ficou com o prémio desta classe.

Do trabalho do ateliê de Manuel Ventura, o ‘site’ dos prémios A+Firm destaca projetos como o da Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, o Hospital da Cuf, no Porto, o Edifício Primavera, em Braga, e o Bessa Hotel, na avenida da Liberdade, em Lisboa.

A Ventura+Partners foi fundada em 1994 por Manuel Ventura, desenvolve projetos de arquitetura, design e urbanismo, tem escritórios em Portugal, Estados Unidos e França, “projetos em mais de uma dezena de países”, segundo o seu ‘site’, e emprega cerca de 100 trabalhadores.

No caso do ateliê de Valdemar Coutinho, os prémios A+Firm destacam projetos distinguidos como os da urbanização da Areosa, das casas Vila Franca, das Gárgulas e Conde da Carreira, em Viana de Castelo, assim como o Pavilhão Atlântico, nesta cidade.

O ateliê Valdemar Coutinho foi fundado em Viana do Castelo, em 2001, com uma equipa multidisciplinar nas áreas de arquitetura, urbanismo, design, engenharia civil e património histórico, somando já mais de duas dezenas de prémios internacionais, pelos seus projetos.

A escolha das primeiras empresas distinguidas nos A+Firm, segundo a plataforma Architizer, foi feita a partir do portefólio de 400 ateliês, “de 50 países, dos seis continentes”, incluíndo América do Norte e do Sul.

O prémio de Melhor Extra-Grande Empresa (Best XL Firm) foi para a britânica Foster+Partners que tem, entre os seus projetos, o novo estádio de Wembley e a sede da líder chinesa de comércio eletrónico Alibaba.

Os prémios distinguiram ainda os melhores ateliês nos diferentes continentes: Ateliê Michael Green, do Canadá, na América do Norte, o Estúdio Saxe, da Costa Rica, na América do Sul, o Departamento de Arquitetura da Universidade de Banguecoque, na Tailândia, Ásia, o gabinete francês de Dominique Coulon, na Europa, o grupo Koffi & Diabaté, na Costa do Marfim, em África, e a firma de arquitetura de Austin Maynard, na Austrália.

A Architizer, a maior plataforma digital de arquitetura, a nível mundial, adiantou ainda que será publicado um catálogo com todos os vencedores da primeira edição dos prémios A+Firm, em parceria com a editora Phaidon.

A lista dos principais prémios pode ser consultada aqui.

Continuar a ler

Populares