Seguir o O MINHO

Guimarães

‘Beatas’ dos fumadores de Guimarães transformadas em tijolos ecológicos

As beatas são desinfectadas, trituradas e depois transformadas numa substância que se mistura na argila, explica a O MINHO, Juan Henriques, do Instituto da Soldadura e Qualidade (ISQ)

em

O Instituto da Soldadura e Qualidade (ISQ), o Laboratório da Paisagem, em Guimarães e o Centro de Valorização de Resíduos (CVR) deram as mãos para desenvolverem o E-tijolo. A ideia é incorporar pontas de cigarros em estruturas construtivas, nomeadamente tijolos mas também cerâmicas.

As também conhecidas como ‘beatas’ são dos elementos mais poluentes: “uma ponta de cigarro num litro de água é equivalente a esgoto doméstico”, revela Nuno Silva, do Laboratório da Paisagem.

Eco-Pontas e Papa-Chicletes. Foto: Facebook de Laboratório da Paisagem

Depois de vencer um concurso que passava pela constituição de uma bolsa de ideias com o intuito de transformar ideias inovadoras em iniciativas empresariais, a equipa do ISQ encontrou o projeto ‘EcoPontas e ‘papa-chicletes’ desenvolvido pelo Laboratório da Paisagem de Guimarães a que se viria a associar o Centro de Valorização de Resíduos.

“Definimos um esquema para incorporar o produto resultante do tratamento das pontas de cigarros em estruturas construtivas”, começou por explicar a O MINHO, Juan Henriques, do ISQ. As beatas são desinfectadas, trituradas e depois transformadas numa substância que se mistura na argila.

“Recolhemos as beatas e depois o Centro de Valorização de Resíduos, que tem muita experiência nesta área, reconverte-as numa substância. Nós agora estamos na fase de construir protótipos de tijolos que cumpram as normativas europeias”, revelou ainda.

O ISQ é o responsável pela fabricação dos protótipos e já há interessados no produto final: “temos duas empresas do sector cerâmico atentas ao nosso trabalho”.

Segundo o responsável do ISQ, os primeiros 15 quilos de pontas de cigarros recolhidos e, depois de transformados, não chegaram para criar os primeiros 30 protótipos.

Juan Henriques explica que o e-tijolo tem duas vantagens: “consegue dar uma segunda vida a resíduos, neste caso beatas, que são uma componente altamente poluidora e depois consegue reduzir as necessidades energéticas na altura do fabrico. Estamos a falar de uma redução à volta dos 60%”.

A intenção da equipa do ISQ é construir uma parede num dos edifícios actualmente em reabilitação na cidade vimaranense. “Esperamos ter os primeiros e-tijolos prontos ainda este ano, com os testes concluídos e dentro das normas europeias”.

Ecopontas

O projecto “Ecopontas e papa-chicletes” é desenvolvido pelo Laboratório da Paisagem, em Guimarães, tem três anos e já ganhou um prémio nacional em 2016 da Sociedade Ponto Verde. Nuno Silva explicou a O MINHO que o ‘Ecopontas’ já vendeu 100 estruturas para todo o país e que “o nosso contributo para o ‘E-Tijolo’ passa por fornecer a matéria prima para depois ser valorizada pelo CVR”.

Por mês são recolhidas em média 35 mil pontas de cigarro nas sete estruturas espalhadas pela cidade de Guimarães. “Tem sido um sucesso porque, desde o início, quisemos fazer algo diferente. Apostamos num design diferente e com perguntas provocatórias, no bom sentido”.

Cidades europeias apostam em ideias criativas para combaterem o fenómeno das pontas de cigarro no chão. Foto: DR

Isto é, nas estruturas estão inscritas perguntas, “normalmente com respostas de sim e não”, e as pessoas colocam a ponta do cigarro respondendo à questão. “Como as estruturas são transparentes, as pessoas conseguem ver a resposta mais escolhida”.

“As pessoas têm aderido muito bem a esta iniciativa”, reconhece Nuno Silva que lembra: “ este é um problema ambiental enorme para a cidade e as pessoas não têm noção dos malefícios que uma simples ponta de cigarro tem para o ambiente”.

Se é verdade que há mais ‘beatas’ recolhidas na Primavera/Verão do que no Inverno porque “as pessoas saem mais de casa”, Nuno Silva revela que “vimaranenses já vão tendo mais conhecimento da existência destas estruturas, sobretudo nas áreas onde estão implementadas”.

UMinho, centro histórico e zona do estádio são os principais locais da sua implantação mas, segundo Nuno Silva, “há intenção da Câmara em colocar estes pontos de recolha em mais espaços públicos”.

Cascais, Funchal, Celorico de Basto e Viseu são, por exemplo, municípios que já aderiram a este projecto comprando estruturas para colocar em pontos estratégicos.

Anúncio

Guimarães

Guimarães recorda D. Afonso Henriques no 834.º aniversário da sua morte

Na sexta-feira

em

Foto: Divulgação / CM Guimarães

A Grã Ordem Afonsina vai assinalar na sexta-feira o 834.º aniversário da morte de D. Afonso Henriques, “um símbolo identitário da cidade que serviu de berço ao Fundador da Nação Portuguesa”, anunciou hoje a instituição.

As solenidades iniciam-se às 16:00 com a inauguração da sede social da Grã Ordem Afonsina, no edifício do Mercado Municipal de Guimarães, seguindo-se uma palestra sobre a vida e obra de Afonso Henriques, pelo orador António José Oliveira, na Sala Dr. Emídio Guerreiro, Edifício da Sociedade Martins Sarmento.

As celebrações terminam às 19:00, com uma eucarística com a participação do Chorus Anima Populi e do organista Nuno Mimoso, na Igreja de Nossa Senhora da Oliveira.

“Guimarães tem a obrigação de honrar a memória de Afonso Henriques, na medida em que ele é, não só um símbolo identitário desta cidade que lhe serviu de berço, mas também o Fundador da Nação Portuguesa e a pedra angular da construção da grande pátria lusófona”, justifica a Grã Ordem Afonsina.

Continuar a ler

Guimarães

Ossadas humanas descobertas em Vila Real podem ser de camionista de Guimarães desaparecido

Descoberta em zona de mato ardido

em

Foto: DR

A Polícia Judiciária (PJ) de Vila Real foi, esta quinta-feira, chamada para investigar o aparecimento de ossadas humanas na zona de Casas da Estrada, no concelho de Alijó, disse fonte da GNR.

Segundo a fonte, as ossadas foram encontradas por um popular numa área atingida por um incêndio, neste verão, e a “cerca de um quilómetro” da Autoestrada 4 (A4).

A Polícia Judiciária foi chamada ao local para investigar.

Em fevereiro, naquela zona da A4, localizada entre os nós do Pópulo e de Murça, perto de uma das saídas de emergência, desapareceu um camionista de 45 anos após um acidente com um camião.

Na altura, a GNR informou que quando os militares chegaram ao local encontraram o camião tombado na autoestrada, sem, no entanto, encontrarem indícios do condutor.

Aquela força policial disse que, de acordo com testemunhas e as câmaras de videovigilância da A4, o homem saiu da autoestrada perto do local do acidente.

A GNR efetuou buscas nas imediações e nas aldeias próximas, com recurso a cães, e a militares do comando de Vila Real e do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS).

A queixa pelo desaparecimento do condutor foi formalizada por familiares, em Guimarães, de onde é natural.

Continuar a ler

Guimarães

Guimarães oferece pinheiros para o Natal

Provenientes de desramas controladas

em

Foto: Divulgação / CM Guimarães

A Câmara de Guimarães volta a oferecer pinheiros, provenientes de desrama, para os munícipes que optem por uma árvore de Natal natural, anunciou esta terça-feira a autarquia.

As árvores podem ser recolhidas no horto municipal, situado no lugar de Monchique, freguesia de Costa, Guimarãeas, entre as 08:00 e as 12:00 / 13:00 e as 16:00, nos dias da semana.

Em comunicado, o município esclarece que estas árvores, gratuitas, são “resultado de desramas e desbastes efetuados nas matas controladas, como medida de gestão dos povoamentos florestais, contribuindo para evitar o abate indiscriminado e mutiladores de árvores jovens, que põem em causa o equilíbrio do ecossistema florestal”.

O abate é feito em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, e, de acordo com a mesma nota, foi feito “de acordo com as regulamentações técnicas e resultam de várias operações de silvicultura preventivamente realizadas, com o objetivo de satisfazer as necessidades do mercado e, ao mesmo tempo, promover a utilização racional da floresta vimaranense”.

Continuar a ler

Populares