Seguir o O MINHO

País

BE acusa Costa de ter preferido crise política e de romper todas as pontes

Orçamento do Estado 2022

em

Catarina Martins. Imagem: ARTV

A coordenadora do BE, Catarina Martins, acusou hoje primeiro-ministro de ter optado por “abrir uma crise política” e romper “todas as pontes”, considerando que a geringonça “foi tempo ganho” e que os bloquistas estão prontos para soluções.

“Tivesse o governo aceitado a proposta de Arnaut e Semedo para a exclusividade das profissões da saúde, tivesse concretizado que o próprio PS já defendeu para as pensões antecipadas ou para as indemnizações por despedimento e teria o acordo do Bloco de Esquerda para este Orçamento do Estado”, afirmou Catarina Martins no encerramento do debate na generalidade da proposta orçamental (OE2022).

De acordo com a líder do BE, o “Governo não trouxe nada de novo a este debate” que hoje termina no parlamento, considerando que “o primeiro-ministro não avança” num documento cujas escolhas “não tem nada de esquerda nem respostas aos problemas do país”.

“[António Costa] Preferiu abrir uma crise política, rompeu todas as pontes, recusou todas as propostas e preferiu ontem voltar ao infeliz discurso da campanha autárquica, prometendo milhões para todo o lado, embalado para eleições antecipadas”, criticou.

No entanto, para Catarina Martins, “a geringonça não foi tempo perdido, foi tempo ganho”.

“O Bloco de Esquerda foi sempre uma solução, defendeu soluções, está pronto para soluções e sabe que elas fazem o seu caminho. É este o nosso mandato, não faltaremos”, comprometeu-se, num momento que gerou um enorme burburinho das bancadas opositoras.

A promessa da líder bloquista foi também de luta em vários domínios.

“Lutaremos por uma maioria para uma saúde digna para toda a gente, por uma democracia que protege a segurança social, por salários e empregos sem precariedade. Medidas de que o país precisa e que respondem pelas pessoas”, elencou.

Populares