Angela Merkel recebe Prémio da Paz da Unesco

Foi entregue hoje, na Costa do Marfim
Foto: Divulgação

A ex-chanceler alemã Angela Merkel recebeu hoje o Prémio da Paz da Unesco, pela decisão de acolher na Alemanha mais de 1,2 milhão de migrantes, apesar da resistência de alguns alemães e entre os parceiros europeus.

Os organizadores da condecoração destacaram a coragem política demonstrada por Angela Merkel quando a Alemanha acolheu refugiados, em 2015-2016, que fugiram dos conflitos na Síria, Iraque, Afeganistão e Eritreia.

O vencedor do Prémio Nobel da Paz, Denis Mukwege, presidente do júri que concedeu o prémio, elogiou Merkel por ter aberto as portas da Alemanha “ao mesmo tempo que muitos outros países foram dominados pelo medo”.

“[Angela Merkel] Mostrou à opinião pública e aos decisores que não devemos apenas defender os nossos próprios direitos, mas os dos outros em tempos de crise, que cada sociedade precisa mais do que nunca respeitar e proteger os direitos humanos sem qualquer forma de discriminação”, defendeu

“Parabenizamos a sua humanidade, o seu espírito de solidariedade, o seu aguçado senso de ética e a sua liderança inspiradora”, acrescentou.

Ao aceitar o Prémio da Paz ‘Félix Houphouët-Boigny’, Angela Merkel, no seu discurso, referiu a atual crise de refugiados, particularmente a decorrente da guerra na Ucrânia.

“Pensávamos que o tempo de guerra na Europa havia passado”, disse Merkel, “mas desde 24 de fevereiro do ano passado, quando ocorreu a cruel agressão da Rússia à Ucrânia, chegamos à triste conclusão de que não é o caso. Isso abalou a Europa nas suas raízes”.

Merkel, de 68 anos, que liderou a Alemanha durante 16 anos, manteve um perfil discreto desde que entregou o cargo ao sucessor Olaf Scholz em dezembro de 2021.

Entre algumas outras aparições, Merkel aceitou um prémio da agência de refugiados da ONU e fez um discurso em homenagem à ex-chefe de uma academia científica nacional, na qual mencionou a flora intestinal e a resistência a antibióticos.

O Prémio da Paz ‘Félix Houphouët-Boigny’ refere o nome do primeiro presidente da Costa do Marfim após a independência da França em 1960.

O prémio foi entregue hoje a Angela a Merkel em Yamoussoukro, capital da Costa do Marfim e cidade natal do falecido Houphouët-Boigny.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

NATO diz que China aumentou atividades de espionagem e inteligência na Europa

Próximo Artigo

Benfica junta-se ao SC Braga na final da Taça da Liga feminina

Artigos Relacionados
x