Seguir o O MINHO

Alto Minho

Alto Minho é exemplo nacional: “Exporta mais 30% do que importa”, diz AEP

Associação Empresarial de Portugal

em

Foto: DR

O presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP) apontou hoje, em Viana do Castelo, o Alto Minho como “um exemplo” no país, por ser “a região mais exportadora, ultrapassando o desígnio nacional de 50% do Produto Interno Bruto (PIB)”.

“O Alto Minho tem 53,7% do PIB. Exporta 30% mais do que importa, muito contribuindo para o equilíbrio das contas nacionais”, disse Luís Miguel Ribeiro, que falava num hotel, em Viana do Castelo, durante a apresentação pública do projeto Alto Minho 4.0.

O presidente da Confederação Empresarial do Alto Minho (CEVAL), Luís Ceia, referiu que o objetivo do projeto Alto Minho 4.0 é “reforçar a produtividade e competitividade das empresas, possibilitando a adoção de diferentes ferramentas digitais para dar resposta a um novo paradigma” da indústria nacional.

“Estamos perante uma nova revolução digital, que alia o digital ao físico e que vai trazer ganhos de produtividade, redução dos custos de produção e melhoria da qualidade dos postos de trabalho, mais flexibilidade na execução das tarefas. Estamos apreensivos porque também vai trazer desvantagens para as quais nos temos de preparar, a mudança de mentalidades e acima de tudo a qualificação de empresários e dos recursos humanos”, disse.

Empresários insistem em mais rapidez e menos burocracia no acesso a fundos

Durante a conferência, o presidente da AEP pediu mais rapidez e menos burocracia no acesso aos fundos do Portugal 2030, classificando de “absolutamente lamentável” a taxa de execução do quadro comunitário em curso.

“O Portugal 2020 tem uma taxa de execução de 45%. É absolutamente lamentável, incrível chegarmos a 2020 com esta taxa, não termos conseguido usar o dinheiro que nos foi atribuído. Isto dá que pensar. Já devíamos ter aprendido com todos os programas que tivemos anteriormente”, afirmou Luís Miguel Ribeiro.

Adiantou que “a burocracia é tal, o incumprimento por parte de quem gere os programas é tal, que os empresários acabam por desistir, recorrendo à banca”.

“Numa altura em que já se fala do Portugal 2030 e com a experiência que recolhemos dos programas anteriores era bom que se aprendesse e melhorasse para o futuro”, alertou, na presença de mais de 60 empresas e instituições públicas de todo o país.

Segundo Luís Miguel Ribeiro, “as empresas têm muitas dificuldades em aceder aos fundos”, defendendo que as candidaturas dos programas comunitários deviam ser “mais flexíveis e estar abertas em contínuo”.

“O Portugal 2020, mais uma vez, não foi um programa amigo das empresas. Além de ser demasiado burocrático, os processos são demasiado demorados, porque as empresas quando precisam de investir precisam naquele momento. As oportunidades de negócio aparecem quando têm de aparecer. Não aparecem quando um programa abre e fecha”, frisou.

Luís Miguel Ribeiro lamentou que as empresas não possam “aproveitar” o envelope financeiro proporcionado pelos fundos comunitários “para investirem mais e em novas tecnologias que muito contribuiriam para melhorar a produtividade do país, que é crítica, muito baixa em relação à média europeia”.

O responsável acrescentou que a “auditoria e fiscalização” à aplicação dos fundos, para aferir do “rigor” da sua execução, deveria ser feita numa fase posterior.

“Se não tivermos essa perceção estamos a desmotivar as empresas”, frisou.

Luís Miguel Ribeiro destacou ainda como fatores “cruciais” para o aumento a produtividade das micro, pequenas e médias empresas portuguesas, a cooperação, e a qualificação dos recursos humanos.

“Tem de haver uma aposta clara e assertiva. Tem-se gasto muito dinheiro em formação que não vai ao encontro das necessidades das empresas, é a chamada formação por catálogo. Isto não é investir na qualificação dos recursos humanos, é gastar dinheiro, deitar dinheiro fora”, afirmou.

Anúncio

Alto Minho

Carro arde em Arcos de Valdevez

Acidente

em

Foto: Facebook de Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Arcos de Valdevez

Uma viatura ligeira ficou destruída na sequência de um incêndio rodoviário, ocorrido ao início da tarde deste sábado, na campo do Trasladário, em Arcos de Valdevez.

Para o local foram mobilizados cinco elementos dos Bombeiros de Arcos de Valdevez, apoiados por uma viatura de combate a incêndios e um veículo táctico.

Foto: Facebook de Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Arcos de Valdevez

As circunstâncias em que ocorreu o incêndio estão ainda por apurar.

Não há feridos a registar.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Foca resgatada com vida em Viana

Em Areosa

em

Foto: Divulgação / Autoridade Marítima Nacional

Uma foca foi assistida e resgatada pelas autoridades na costa da freguesia de Areosa, em Viana do Castelo, onde o animal estava arrojado, foi hoje anunciado.

A foca deu à costa na orla marítima da praia do Porto de Vinha, junto ao campo de futebol do Areosense.

Terá sido encontrada por populares que deram o alerta para a autoridade marítima local, no caso, o comando da Polícia Marítima de Viana do Castelo, que assinalou a ocorrência.

A Polícia Marítima delimitou o espaço onde a foca se encontrava, desconhecendo-se as causas que levaram ao arrojo da mesma.

De forma a prestar a assistência ao mamífero aquático, deslocaram-se para o local elementos vindos do Centro de Reabilitação de Animais Marinhos (CRAM), situado em Quiaios, distrito de Aveiro, e do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.

Depois de estabilizado e assistido, o animal foi transportado para Quiaios por elementos do CRAM, para posteriormente ser devolvido ao seu habitat.

O arrojo da foca ocorreu a 13 de fevereiro, mas só hoje foi divulgado pela Autoridade Marítima Nacional.

Continuar a ler

Alto Minho

Homem de 88 anos atropelado em Caminha fica em estado grave

Em Lanhelas

em

Foto: DR / Arquivo

Um homem, com 88 anos, sofreu ferimentos graves na sequência de um atropelamento, ao final da manhã deste sábado, em Lanhelas, concelho de Caminha.

Ao que apurou O MINHO, o homem terá sido abalroado por uma viatura na Rua Ilídio Couto, próximo da igreja paroquial daquela freguesia, acabando por sofrer múltiplas fraturas, inspirando bastante cuidado.

No local estiveram os Bombeiros de Caminha, com uma ambulância e dois operacionais, apoiados pela equipa médica da VMER do centro hospitalar do Alto Minho.

Dada a gravidade dos ferimentos, a vítima foi transportada pelos bombeiros caminhenses para o Hospital de Braga.

A GNR também esteve no teatro de operações com uma patrulha e dois militares, registando a ocorrência.

Continuar a ler

Populares