Aí está a cadeira que artesão de Barcelos fez para o Papa

Foto: CM Barcelos

A “cadeira papal” que o artesão barcelense Carlos Moreira fez para oferecer ao Papa Francisco seguiu esta sexta-feira, da freguesia de Encourados, Barcelos, com destino a Lisboa.

Em comunicado, a autarquia refere que o objetivo de Carlos Moreira, autor da peça, é que a cadeira possa estar no palco das JMJ – Jornais Mundiais da Juventude, que se realizam em Lisboa, no próximo mês de agosto, mas se não houver essa possibilidade, a peça seguirá diretamente para o Vaticano, em Roma.

Carlos Moreira, natural da freguesia de Encourados, trabalha a madeira desde menino de “dez, doze anos”. A cadeira papal que tanto o orgulha ter feito, demorou cerca de três meses a ficar pronta. “Ia fazendo um bocadinho todos os dias”, diz, enquanto explica que a ideia surgiu da conversa que teve “com uns padres” que foram à sua oficina encomendar uma peça. Quando a cadeira ficou pronta, os padres voltaram e ficaram “maravilhados”.

A cadeira foi feita em madeira de castanho e Carlos Moreira assegura que o castanheiro que lhe deu vida também cresceu na freguesia de Encourados.

“Tenho muito orgulho no que fiz. Quando estava a trabalhar nela parece que Deus estava dentro de mim e dava-me muita força de vontade”, confessa o artesão que manifesta o desejo de que a cadeira estivesse no palco (das JUM) “para ser vista pelos portugueses”.

“É simples como ele”

Como O MINHO noticiou, é um cadeira pesada, toda em castanho velho. Com a força e durabilidade desta madeira, prima pela simplicidade. Talhada exclusivamente à mão, sem máquinas (como tudo o que Carlos Moreira faz), sobressaem as costas da cadeira. O artesão esculpiu a imagem do Papa com a destreza de quem já trabalha a madeira há 55 anos. “Foi feito à mão, feito por mim, tenho ainda ali a fotografia”, conta a O MINHO.

O assento é acolchoado e revestido em pele genuína de cor branca. Há outros pormenores para marcar o momento histórico, como as insígnias da JMJ esculpida na madeira.

“Tirei isto da cabeça, fiz o projeto por mim e deu certo”, revela. Usou as medidas padrão que costumam servir a todos, mas já se assegurou que assenta bem em Francisco. “Já estive a ver e o Papa cabe ali, outros padres vieram aqui, disseram-me que ele cabe e que é confortável para ele”, revela.

FOTO: PAULO JORGE MAGALHÃES / O MINHO

É a obra mais célebre de Carlos Moreira, que se habituou ao longo das cinco décadas de trabalho a fornecer peças para toda a região, nomeadamente para adornar edifícios públicos. Esta oportunidade veio depois de um grupo de padres do Porto lhe ter encomendado uma figura religiosa para uma igreja na cidade Invicta. Quando lhe vieram buscar o trabalho, em conversa, Carlos não se fez rogado. Já tinha a ideia na cabeça e lançou a proposta de fazer uma cadeira para a vinda do Papa a Portugal: “Eles disseram logo: ‘Ó senhor Carlos, se você tem essa ideia, arranque’”.

Foi no ano passado e não sossegou enquanto não terminou a peça. Demorou quase três meses, ia “fazendo lentamente”, porque isto não são peças “que se façam seguido”. Há que dar descanso aos músculos e à cabeça.

FOTO: PAULO JORGE MAGALHÃES / O MINHO
FOTO: PAULO JORGE MAGALHÃES / O MINHO
FOTO: PAULO JORGE MAGALHÃES / O MINHO
FOTO: PAULO JORGE MAGALHÃES / O MINHO

Admite que este até seja o trabalho mais importante que já fez, mas, de trás da sua banca de trabalho, não desarma. “Mas, para mim, qualquer trabalho me dá satisfação”, confessa o homem de 66 anos.

“Acho que quando o Papa vir esta cadeira que a vai levar para o Vaticano. Acho que vai gostar, porque é uma cadeira simples e como ele é um Papa também simples, vai gostar”, conclui.

*Com Pedro Gonçalo Costa

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Alunos pobres do Norte têm melhores notas que os do Sul (e Ponte de Lima é exemplo)

Próximo Artigo

Politécnico alia-se a multinacional canadiana para atrair investimento para Viana

Artigos Relacionados
x