Seguir o O MINHO

Ave

Vizela distribui 10 mil bandeiras para assinalar 20 anos do concelho

em

Foto: João Azevedo / Vizelab

A Câmara de Vizela vai distribuir 10 mil bandeiras do município pela população para “recuperar o orgulho no concelho”, a poucos dias do seu 20.º aniversário, disse na sexta-feira à Lusa o presidente, Vítor Hugo Salgado.

“A bandeira é o grande símbolo do concelho de Vizela, que demonstra que valeu a pena a luta de várias gerações, que permitiu a sua autonomia e o desenvolvimento”, comentou Vítor Hugo Salgado.

Sublinhou também que se pretende assinalar em Vizela “aquilo que foi a essência da luta e que permitiu a sua autonomia”.

O programa de comemoração dos 20 anos do concelho foi sexta-feira apresentado, numa cervejaria do centro da cidade, sessão à qual assistiram alguns cidadãos que participaram ativamente no processo de restauração do concelho. Nas mesas do estabelecimento já se via muitas bandeiras azul e amarelas do concelho, como que anunciando o que vai acontecer nos próximos dias.

Na altura, foi exibido um vídeo com imagens de arquivo da festa que se viveu entre a população, em Lisboa e em Vizela, quando o parlamento aprovou a criação do novo concelho.

O presidente espera agora que a população recrie o ambiente festivo e de orgulho na terra que se viveu com criação do concelho, em março de 1998, quando nas fachadas dos edifícios se observava centenas de bandeiras do novo concelho.

É esse orgulho que Vitor Hugo Salgado quer recuperar, nomeadamente também junto das gerações mais novas que não viveram aqueles momentos históricos.

“Ao longo dos últimos anos, o orgulho foi-se afastando, porque os últimos anos não corresponderam àquilo que acho que é dar jus à nossa luta autonómica”, comentou o autarca.

O concelho de Vizela, no distrito de Braga, tem cerca de 12.700 habitantes. Foi criado em maio de 1361 e extinto em fevereiro de 1408. A 19 de março de 1998, o município foi restaurado, por desmembramento de cinco freguesias de Guimarães, uma de Lousada e uma de Felgueiras.

Vitor Hugo Salgado foi eleito em outubro com maioria absoluta, à frente de uma lista independente.

No mandato anterior tinha sido vice-presidente do socialista Virgílio Costa, com o qual se incompatibilizou politicamente, acabando por avançar com uma candidatura independente.

“Houve uma alteração substancial no quadrante político na nossa terra. Os vizelenses optaram por uma alternativa ao Partido Socialista, que teve uma das maiores derrotas de sempre, porque sentiram que o concelho não estava no rumo certo”, anotou, nas declarações à Lusa.

Nas próximas semanas haverá várias atividades para assinalar o aniversário do concelho, destacando-se um debate destinado a fazer um balanço dos 20 anos de autonomia administrativa e projetar o futuro.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Famalicão

Mulher de 26 anos detida por tráfico de droga em Famalicão

Outros dois homens foram constituídos arguidos.

em

Brufe. Foto: Divulgação / Arquivo

Uma mulher de 26 anos foi detida, e dois homens, de 35 e 55, foram constituídos arguidos, por tráfico de estupefacientes, em Brufe, no concelho de Vila Nova de Famalicão, anunciou hoje fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).

Após uma busca domiciliária, levada a cabo pelo Núcleo de Investigação Criminal de Barcelos, foram apreendidas 27 doses de heroína, uma balança de precisão usada para pesagem da droga e 430 euros em numerária.

A operação deu-se no âmbito de uma investigação iniciada em outubro passado.

A detida foi presente a Tribunal, tendo-lhe sido aplicado termo de identidade e residência como medida de coação.

Continuar a ler

Cabeceiras de Basto

Ex-presidente de junta acusado de desviar 34 mil euros em Cabeceiras de Basto

António Andrade liderou a JF de Pedraça durante 12 anos.

em

Foto: Direitos Reservados

O anúncio foi feito pela Procuradoria Geral Distrital do Porto. O ex-autarca de Pedraça, Cabeceiras de Basto terá ficado com 34 mil euros da junta de freguesia de Pedraça, Cabeceiras de Basto, de que foi presidente durante 12 anos. E – diz aquele organismo – o Ministério Público da Comarca de Braga encontrou-lhe 598 mil euros, em bens e dinheiro, cuja origem não pôde explicar.

António Andrade, do Partido Socialista, ex presidente da junta, e antigo emigrante na Suiça, acaba de ser acusado de dois crimes, um de peculato e outro de falsificação.

O Ministério Público considerou indiciado que o arguido, “no exercício funcional como presidente da junta de freguesia de Pedraça, concelho de Cabeceiras de Basto, de março de 2010 a setembro de 2013, apropriou-se de 34.452 euros, pertença da autarquia”.

“A pretexto da execução de tarefas de pagamento a fornecedores e de liquidação de outros encargos, o arguido logrou que fossem preenchidos, assinados e postos em condições de ser pagos vários cheques, de que ficou portador e que logrou depositar em contas bancárias a que tinha acesso”, diz a acusação.

Em declarações a O MINHO, o atual presidente da freguesia, Luís Moita, do movimento Independentes por Cabeceiras, disse que, quando tomou posse, em outubro de 2013, encontrou diversas irregularidades na contabilidade.

Questionou, então, o presidente cessante, o qual deu apenas “respostas vagas”.

Pedraça. Foto: Divulgação

Andrade não se candidatou por ter atingido o limite de mandatos.

O novo Executivo aprovou as contas, mas sob reserva e, em simultâneo, elaborou um dossier com documentos que enviou para o Tribunal de Contas. Entre outras incongruências havia a da compra de equipamentos que nunca entraram na sede da autarquia.

O Ministério Público sublinha que fez uma investigação patrimonial e financeira ao arguido, e “liquidou 598.172 euros a título de património incongruente, isto é, património não compatível com os rendimentos lícitos do arguido, peticionando, por isso, que seja condenado, em julgamento, a pagar tal montante ao Estado”.

António Andrade, que não conseguimos contactar, era dono de uma loja de informática em Arco de Baúlhe.

Continuar a ler

Fafe

Acidente provoca um ferido em Fafe

Mulher sofreu ferimentos considerados ligeiros.

em

A colisão entre um veículo ligeiro e um pesado provocou ferimentos ligeiros numa mulher, esta segunda-feira, ao final da tarde, junto aos hipermercados, em Fafe, disse o adjunto do comandante dos Bombeiros Voluntários de Fafe, Paulo Ferreira, à “Fafe TV”.

A vítima, que seguia no automóvel, teve de ser desencarcerada.

O alerta foi dado às 16:48.

 

 

Continuar a ler

Populares