Seguir o O MINHO

Futebol

Vitória a jogar com menos um desde os 40 segundos perde no Dragão

em

O Vitória Sport Club (SC) perdeu este domingo frente ao FC Porto no Estádio do Dragão por 3-0, depois de estar a jogar com menos um jogador desde os quarenta segundos.

Os vimaranenses sofreram o primeiro golo aos 14 minutos, graças a um golo de Marega.

Os portistas voltariam a marcar já no final da partida, primeiro por Marcano, aos 88 minutos, e novamente por Marega, já no período de compensação (93 minutos).

O árbitro Carlos Xistra foi bastante contestado pelos adeptos vitorianos ao longo da partida, tendo ainda expulso Davidson aos 78 minutos.

Com este resultado, os conquistadores ficam na 16.ª posição, com dois pontos e menos um jogo.

Já os dragões sobem ao segundo lugar, com 9 pontos.

Ficha de Jogo

Jogo disputado no Estádio do Dragão, no Porto.

FC Porto – Vitória de Guimarães, 3-0.

Ao intervalo: 1-0.

Marcadores:

1-0, Marega, 14 minutos.

2-0, Marcano, 88.

3-0, Marega, 90+3.

Equipas:

– FC Porto: Marchesín, Corona, Pepe (Mbemba, 45), Marcano, Alex Telles, Romário Baró (Otávio, 78), Danilo, Uribe, Luís Diaz, Marega e Zé Luís (Soares, 77).

(Suplentes: Diogo Costa, Bruno Costa, Mbemba, Manafá, Otávio, Soares e Fábio Silva).

Treinador: Sérgio Conceição.

– Vitória de Guimarães: Miguel Silva, Sacko, Tapsoba, Bondarenko, Rafa Soares, Al Musrati (João Carlos Teixeira, 39), Poha (Florent, 82), Pêpê (Pedro Henrique, 06), Rochinha, Davidson e Evangelista.

(Suplentes: Douglas, Pedro Henrique, João Carlos Teixeira, Lucas, Florent, André Almeida e Bruno Duarte).

Treinador: Ivo Vieira.

Árbitro: Carlos Xistra (AF Castelo Branco).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Pedro Henrique (12), Sacko (53), Marcano (71) e Davidson (80). Cartão vermelho direto para Tapsoba (01) e Davidson (80).

Assistência: 47.711 espetadores.

Declarações dos Treinadores

Sérgio Conceição (treinador do FC Porto): “Inicialmente tínhamos perspetivado a possibilidade de o Vitoria vir jogar de forma diferente. Estávamos precavidos para isso. É uma equipa compacta, bem organizada. Teve mérito no que fez. Houve algum demérito nosso naquilo que era para encontrar espaço no ultimo terço da primeira parte. Foi uma atitude digna do Vitória em nunca baixar os braços e em continuar a acreditar que era possível.

Na segunda parte, iniciámos de forma diferente. Melhorámos e fomos tendo algumas oportunidades. Podíamos ter feito o segundo golo mais cedo. O resultado é algo exagerado para o que se passou em campo.

A paragem no campeonato acaba por ser benéfica. Se ficassem todos os jogadores cá era ótimo. Há muitos que vão para as seleções, mas há sempre hipótese de treinar com os que temos. Agora é descansar e perceber o que está a ser bem feito, o que está a ser menos bem feito.”

Ivo Vieira (treinador do Vitória de Guimarães): “Gostava de ter jogado com a equipa completa. Todos presenciaram a qualidade que a equipa mostrou no jogo. Não conseguimos estar em igualdade numérica com o adversário. No decorrer do jogo, o grau de dificuldade foi aumentando. O FC Porto tem muita qualidade e com a subtração de dois jogadores nossos, foi normal quebrar.

Estou muito orgulhoso. Tentaram ter a bola de qualquer forma. A equipa nunca perdeu a identidade. Foram grandes na interpretação de jogo. A minha satisfação perante o desempenho é grande, com o resultado não estou satisfeito. Vínhamos com ideia diferente do que era o resultado para este jogo.

Acredito que na dificuldade vou ser melhor e mais forte e nós vamos ser mais competitivos. Temos uma quantidade de jogadores que não podem dar contribuição por lesão, outros porque não estão inscritos, outros por castigo. São muitas condicionantes. Quero ressalvar o comportamento dos que estiveram. Vamos para a luta com os que temos e acreditar que é possível ter a primeira vitoria no campeonato.

Precisamos de somar pontos e a ideia hoje era essa. Não aconteceu. Nos outros jogos fomos nitidamente superiores aos nossos adversários. Não me dá conforto pela falta de pontos mas esperança pelo que a equipa faz a cada dia.”.

Notícia atualizada as 21h54

Anúncio

Desporto

Principais ligas europeias de futebol têm até 03 de agosto para terminarem campeonatos

Covid-19

em

Foto: DR

As principais ligas europeias de futebol têm até ao dia 03 de agosto para encerrar a atual época, tendo a UEFA deixado nas mãos de cada federação a decisão de retomar ou dar por terminados os seus campeonatos.

Essa recomendação da UEFA foi hoje transmitida pelo presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Fernando Gomes, na reunião que manteve com os presidentes da Liga e dos clubes das competições profissionais, na sequência do encontro da UEFA com as suas filiadas devido à pandemia da covid-19.

Fonte ligada ao processo confirmou à agência Lusa que foi fixado o dia 03 de agosto como prazo limite para as federações do top-15 do futebol europeu, enquanto as federações abaixo terão de ter os seus campeonatos decididos ainda antes dessa data.

Deste modo, e de acordo com a mesma fonte, cada federação terá a possibilidade de decidir o que fazer, se completa a sua competição e em que formato, ou se opta por dar por concluída a sua prova.

Esta reunião ocorreu no mesmo dia em que a UEFA, através de videoconferência, se reuniu com 55 federações que são membros do organismo regulador do futebol europeu, incluindo a Federação Portuguesa de Futebol.

À exceção da Bielorrússia, todos os campeonatos europeus estão suspensos devido à pandemia da covid-19, sendo que, no caso de Portugal, as I e II ligas estão paradas desde 12 de março.

Continuar a ler

Desporto

SC Braga e Vitória SC pagaram mais de três milhões a empresários

Futebol

em

Foto: DR

Os clubes portugueses das I e II Ligas profissionais de futebol, e alguns emblemas de futebol feminino, pagaram 83,650 milhões de euros em comissões a empresários, revelou hoje a Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

Embora afastados dos lugares cimeiros, ocupados por Benfica, Porto e Sporting, os rivais minhotos SC Braga e Vitória SC gastaram ambos mais de três milhões, com 3,29 milhões para a SAD dos bracarenses, a que se somam 21 mil euros pagos pelo clube, e 3,6 milhões para os vimaranenses.

Os valores reportam-se ao pagamento de serviços relacionados com a intermediação em momentos de contratação, renovação ou mesmo de venda de ativos do plantel.

Segundo a tabela de intermediários e transações hoje publicada pela FPF, a SAD do Benfica pagou 34,2 milhões de euros entre 01 de abril de 2019 e 31 de março de 2020, o valor mais alto em Portugal, a que acrescem ainda cerca de 59 mil euros pagos pelo clube ‘encarnado’ (e não pela SAD) por jogadoras para a equipa feminina.

Logo atrás do Benfica está o FC Porto, com 23,7 milhões pagos a intermediários, seguindo-se o Sporting, com 15,9 milhões, o que significa que, dos 83,650 milhões, os três grandes são responsáveis por 73,8 milhões, ou seja, mais de 88% do valor total.

O número global denota um aumento de mais de 32 milhões de euros em relação ao período homólogo do ano passado, com os principais clubes a gastarem mais do que anteriormente: o Benfica despendeu mais 16,4 milhões com empresários, o FC Porto mais 7,6 milhões e o Sporting mais 9,8.

Entre os 18 emblemas da I Liga masculina, o único que não figura na tabela da FPF é o Portimonense, enquanto o valor mais baixo registado entre os que pagaram valores a empresários pertence ao Nacional, da II Liga, com cinco mil euros.

No escalão secundário, que inclui 18 equipas, entre elas as formações ‘B’ de FC Porto e Benfica, apenas oito clubes (não contando com ‘dragões’ e ‘águias’) pagaram comissões, com 10 emblemas sem qualquer registo no tempo analisado.

O único clube que não se encontra integrado no esquema profissional da Liga portuguesa é o Paio Pires, que gastou mais de seis mil euros em oito jogadoras da equipa feminina, que milita na II Divisão-Sul.

Por outro lado, quase 25 mil euros do valor total foram pagos por quatro jogadores: Mohamed Touré (Desportivo das Aves), Éverson (Portimonense, atualmente emprestado ao Bahia), Brian Araújo (Gil Vicente) e Helinho (AD Fafe).

Um relatório da FIFA relativo ao ano de 2019, que abrange a janela de transferências do verão contempladas na tabela da FPF, mas não o período de inverno, no mês de janeiro, dava conta de um lucro de 454 milhões de euros para clubes portugueses com transações de jogadores.

Continuar a ler

Desporto

Jogador do Famalicão, Pedro Gonçalves, doa material de proteção a hospital e bombeiros

Depois de ter doado um ventilador

em

Foto: DR / Arquivo

O jogador do Famalicão Pedro Gonçalves, da I Liga de futebol, vai oferecer, juntamente com o empresário Jorge Pires, 2.500 máscaras e 50 fatos de proteção ao Hospital de Chaves e Bombeiros de Vidago, após terem doado um ventilador.

O anúncio foi divulgado hoje na página na rede social Facebook de Jorge Pires e a oferta deve-se à “notória falta de material de proteção” nos profissionais de saúde do Hospital de Chaves e dos Bombeiros de Vidago face à pandemia covid-19.

O médio de 21 anos Pedro Gonçalves e o seu empresário Jorge Pires são naturais de Vidago, concelho de Chaves, distrito de Vila Real.

A oferta será de 2.500 máscaras cirúrgicas e ainda de 50 fatos de proteção, que “serão distribuídas por estas duas entidades”.

Na nota é ainda pedido à população de Vidago para que “ajudem os bombeiros nesta fase de extrema necessidade”.

Pedro Gonçalves, juntamente com os seus empresários Jorge Mendes e Jorge Pires, e ainda o jogador do Desportivo de Chaves André Liberal, anunciou em 24 de março a doação de um ventilador para o Hospital de Chaves.

O flaviense representa o Famalicão desde o início da temporada e soma 31 jogos oficiais e seis golos, após duas temporadas na equipa inglesa do Wolverhampton.

Pedro Gonçalves fez formação no Vidago, Desportivo de Chaves e Sporting de Braga, em Portugal, representando durante duas temporadas o Valência, de Espanha.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 866 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 43 mil.

Dos casos de infeção, pelo menos 172.500 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 187 mortes, mais 27 do que na véspera (+16,9%), e 8.251 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 808 em relação a terça-feira (+10,9%).

Dos infetados, 726 estão internados, 230 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Continuar a ler

Populares