Seguir o O MINHO

Alto Minho

Viana investe 20 milhões em 30 projetos de reabilitação de espaço público até 2020

em

O presidente da Câmara de Viana do Castelo anunciou hoje um investimento de 20 milhões de euros em 30 projetos de reabilitação do espaço público e de equipamentos degradados em quatro áreas da cidade, até final de 2020.

Segundo José Maria Costa, daquele montante cerca de 16 milhões de euros são garantidos pelo FEDER (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional), três milhões de euros “representam esforço municipal” e um milhão de euros destina-se a investimento privado, a fundo perdido.

“O incentivo financeiro previsto para os privados pode vir a ser ampliado através de outros instrumentos financeiros, como por exemplo, do Banco de Fomento”, explicou José Maria Costa.

O autarca socialista, que falava em conferência de imprensa nas instalações camarárias para apresentação do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) candidatado aos fundos do Portugal 2020, adiantou que, nesta altura, “estão aprovadas candidaturas no valor de 5,4 milhões de euros, cujas obras estão prestes a iniciar-se“.

Além da reabilitação urbana, a mobilidade sustentável e as comunidades desfavorecidas são os dois outros eixos de intervenção previstos naquele plano para as áreas do centro histórico, Darque, frente ribeirinha de cidade poente.

José Maria Costa considerou tratar-se de um “importante” envelope financeiro do FEDER que justificou com “as boas práticas” que o município tem vindo a adotar na reabilitação urbana.

“O facto de termos conseguido uma boa classificação na apreciação por parte autoridade gestão do Norte 2020 prende-se com a estratégia e com as boas práticas que temos vindo a desenvolver na reabilitação urbana. Viana do Castelo tem indicadores de reabilitação urbana acima da média nacional. Andamos na ordem dos 19% enquanto a média nacional é da ordem dos 6%“, referiu.

Sublinhou também a “maturidade” da candidatura apresentada pelo município em outubro de 2015, por ter sido “dos poucos municípios que, na preparação da sua candidatura, identificou mais de 20 intenções de investimento privado, no valor de 30 milhões de euros”.

Segundo o autarca “existem incentivos para a reabilitação de imóveis para as áreas abrangidas pelos investimentos públicos, designadamente a isenção de IMI por um período de cinco anos, a isenção do IMT na primeira transmissão onerosa e Iva de 6% nas obras de reabilitação”.

“Este é muito mais do que um projeto de intervenção no espaço público. É um projeto de revitalização da área urbana mas também de promoção do sucesso escolar e da empregabilidade”, disse.

 

logo Facebook Fique a par das Notícias de Viana do Castelo. Siga O MINHO no Facebook. Clique aqui

Anúncio

Alto Minho

Cinco bombeiros de Monção de volta ao serviço após quarentena no quartel

Covid-19

em

Foto: Divulgação

Os cinco bombeiros de Monção que estiveram em contacto com um doente que acusou positivo nos testes à Covid-19, já terminaram o período de quarentena de 14 dias, realizado no próprio quartel, anunciou a corporação.

Os cinco “bravos bombeiros” terminaram o período de isolamento recomendado pela Direção-Geral de Saúde na sexta-feira, encontrando-se já ao serviço da corporação monçanense.

Segundo fonte da corporação, este foi um “verdadeiro exemplo de civismo e cidadania”.

“Foram dias difíceis, de uma mistura de sentimentos que os transportavam do riso ao choro em escassos minutos principalmente ao recordarem a família que deixaram cá fora e com a qual não podiam conviver normalmente”, refere a mesma fonte.

“Saíram, mas estão prontos para se juntarem aos restantes camaradas e irão continuar a batalhar na linha da frente em prol da nossa população, correndo riscos para assegurarem o socorro de quem mais precisa”, acrescenta.

“Eles merecem a nossa consideração e o nosso aplauso. Que este exemplo sirva para todos, não custa nada manterem-se em casa, no vosso conforto. Seja um agente de saúde pública. Nós continuaremos aqui para vos socorrer sempre que sejamos solicitados”, finaliza.

Continuar a ler

Alto Minho

Alto Minho defende “necessidade imperativa” de quarentena para oriundos do exterior

Covid-19

em

Foto: Divulgação

A Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho alertou hoje para a “necessidade imperativa” de “emigrantes e migrantes”, que se encontram ou pretendam regressar à região, cumprirem isolamento profilático por 14 dias, devido à pandemia de covid-19.

“A partir da entrada em Portugal devem permanecer em regime de isolamento profilático/quarentena por um período de 14 dias, evitando qualquer tipo de contacto que coloque em risco a sua saúde e a dos seus concidadãos”, sublinhou a associação que agrega os 10 concelhos do distrito de Viana do Castelo, na nota enviada às redações.

A CIM do Alto Minho acrescentou que os municípios que a integram “não irão passar qualquer licença para festas, romarias e eventos equiparáveis que decorram até final do mês de junho, face aos graves riscos de saúde pública associados à propagação da pandemia de covid-19 na região”.

A comunidade intermunicipal referiu ainda ser uma “necessidade imperativa evitar qualquer tipo das tradicionais atividades da época pascal, tais como compassos pascais, almoços de família, festas e romarias, etc.”.

A nota destaca ainda, tal como o presidente da CIM do Alto Minho, José Maria Costa, avançou hoje à agência Lusa, que “entrará em funcionamento, durante a próxima semana, em Viana do Castelo, um centro de diagnóstico destinado exclusivamente a pessoas com suspeitas de infeção covid-19 referenciadas pelas autoridades de saúde e com prescrição médica”.

Aquele centro “funcionará em modelo ‘Drive Thru’, deslocando-se os pacientes referenciados dentro do veículo ao ponto de recolha sem entrar em contacto com outras pessoas, reduzindo assim o risco de infeção em cada colheita”.

As decisões agora anunciadas foram tomadas, hoje, numa reunião de trabalho do Conselho Intermunicipal CIM do Alto Minho, com o presidente da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), para analisar o impacto da pandemia de covid-9 naquele território.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil.

Em Portugal, registaram-se 76 mortes, mais 16 do que na véspera (+26,7%), e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 724 novos casos em relação a quinta-feira (+20,4%).

Dos infetados, 354 estão internados, 71 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Continuar a ler

Alto Minho

Pirotecnia Minhota “serena” face a suspensão de festas até junho

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O administrador da Pirotecnia Minhota, a maior empresa de fabrico de fogo-de-artifício do distrito de Viana do Castelo, disse hoje aceitar com “serenidade e respeito” a suspensão de todas as festas na região até final de junho.

“Não entramos numa situação de loucura, dizendo que é injusto, porque efetivamente não faz sentido rigorosamente nenhum que quando se tomam medidas de contenção, para que as pessoas fiquem em casa, se façam atividades que originem aglomeração de pessoas. Temos de respeitar isso, e acima de tudo, respeitar as pessoas”, afirmou hoje à agência Lusa, David Costa.

A Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho informou hoje que os dez municípios da região “não irão passar qualquer licença para festas, romarias e eventos equiparáveis que decorram até final do mês de junho, face aos graves riscos de saúde pública associados à propagação da pandemia do covid-19”.

O administrador da Pirotecnia Minhota, com 120 anos existência, disse que o setor “sereno”, por “entender, perfeitamente, que não faria sentido manter uma atividade lúdica”.

“Se há atividade que tem de ser prejudicada é esta”, referiu o empresário de 53 anos, a quinta geram de administradores da Pirotecnia Minhota.

A empresa tem sede na freguesia de Santa Cruz, em Ponte de Lima, e filiais na Madeira e Angola, empregando um total de 22 pessoas, sendo que “nos meses de maior volume de trabalho chega a ter entre 100 a 120 trabalhadores”.

Por ano, nas duas empresas portuguesas faturam cerca de 1,5 milhões de euros. Em Angola, o volume de negócios ronda os 600 mil euros.

David Costa adiantou que a empresa está a aproveitar a suspensão da atividade “para tomar medidas internas e atenta às medidas de apoio que o Estado tem anunciado”.

“O ano de 2020 está praticamente perdido. As empresas devem aproveitar para olhar para si, para dentro, e tentar superar a crise que nos vai bater à porta, que já nos está a bater à porta. O futuro não será risonho, mas as empresas têm de procurar outras alternativas de mercado e acredito que sairão mais fortes e mais dinâmicas, para fazerem a festa do Adeus à Covid-19”, referiu David Costa.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil.

Em Portugal, registaram-se 76 mortes, mais 16 do que na véspera (+26,7%), e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 724 novos casos em relação a quinta-feira (+20,4%).

Dos infetados, 354 estão internados, 71 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Continuar a ler

Populares