Seguir o O MINHO

Desporto

Sérgio Maciel (Viana) vence prata no ‘Descenso del Sella’, nas Astúrias

Canoísta do Viana Graças Clube

em

Sérgio Maciel Foto: DR

Sérgio Maciel, canoísta do Viana Garças Clube, conquistou a medalha de prata na mítica prova ‘Descenso del Sella’, que decorreu este sábado, nas Astúrias.


O jovem atleta natural de Viana do Castelo foi o segundo melhor por entre os canoístas com menos de 23 anos.

A equipa nacional obteve ainda o ouro através de Adriano Conceição, em K1 (sub 23) e o 3.º lugar através de Rita Fernandes, em K1 (sub 23). Já a dupla Tiago Lopes e Henrique Domingos atingiu o 12.º lugar em K2 (júnior).

Esta competição, que remonta a 1930 e junta mais de mil embarcações num percurso de 20 quilómetros ao longo do rio Sélla, é considerada uma das provas mais longas em rio na canoagem. O evento é classificado como um evento de interesse turístico internacional.

Foram vencedores, em 1995, dois canoístas portugueses – J. Silva e J. Gome -, com o tempo de 1:12:56. Desde 1998 que a prova é conquistada por atletas de nacionalidade espanhola na categoria sénior e este ano de 2019 não foi exceção.

Anúncio

Desporto

“Desporto não é setor pária”

Diz o secretário de Estado da Juventude e do Desporto

em

Foto: DR / Arquivo

O secretário de Estado da Juventude e do Desporto assumiu hoje que o desporto não está à margem do resto da sociedade e que o Governo tem feito tudo para o regresso dos adeptos.

Antes da partida da sexta etapa da Volta a Portugal – Edição Especial em bicicleta, nas Caldas da Rainha, João Paulo Rebelo disse ter “toda a confiança na organização e na capacidade de garantir toda a segurança sanitária” no encontro Santa Clara – Gil Vicente, o primeiro das competições profissionais com adeptos, após a paragem devido à covid-19.

“[A segurança sanitária] Hoje em dia tem de estar acima de tudo. A partir daqui, temos de continuar as nossas vidas. O desporto não é um setor pária da nossa sociedade e, portanto, não pode ficar para trás e é isso que o Governo se tem esforçado por fazer”, assegurou.

O governante lembrou que, além do jogo de hoje nos Açores, já foram anunciados mais dois jogos da II Liga com público, assim como o particular da seleção portuguesa com Espanha e o jogo com a Suécia, da Liga das Nações, ambos no Estádio José Alvalade.

“Nesta fase são jogos testes, são eventos piloto para que se possa avaliar e analisar o que depois pode acontecer. Estou absolutamente confiante na Federação Portuguesa de Futebol e na Liga, na sua capacidade de organização, para que tudo decorra da melhor forma, para que no futuro possamos alcançar o que todos ambicionamos e o que é merecido para os atletas, os artistas no desporto”, disse.

Continuar a ler

Futebol

Vitória diminui passivo pela oitava época consecutiva

Finanças

em

Miguel Pinto Lisboa. Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO (Arquivo)

O passivo do Vitória SC, clube cuja SAD tem a equipa da I Liga portuguesa de futebol, desceu pela oitava temporada seguida, tendo-se fixado nos 6,68 milhões de euros no final da época 2019/20, mostra o relatório e contas.

Publicado no sítio oficial vitoriano, na noite de sexta-feira, o documento que vai ser votado na assembleia-geral de 10 de outubro revela que o passivo baixou 10,3%, dos 7,45 para os 6,68 milhões, confirmando a tendência decrescente que ocorre desde 2011/12, quando o clube se viu com 24 milhões de passivo e teve de se restruturar financeiramente, com um Plano Extrajudicial de Conciliação.

Essa redução deveu-se quase toda ao “serviço da dívida reestruturada ao Estado e banca”, cujo valor desceu dos 6,13 para os 5,41 milhões de euros, após o Vitória ter liquidado 727 mil euros na temporada anterior, refere o parecer do conselho fiscal vitoriano ao relatório e contas, favorável por unanimidade.

Já o ativo do clube, que corresponde sobretudo às infraestruturas de que é proprietário, desvalorizou dos 34,07 para os 32,83 milhões de euros.

Depois de três épocas com resultados positivos – 798 mil euros em 2016/17, 303 mil em 2017/18 e 747 mil em 2018/19, o Vitória de Guimarães concluiu a temporada 2019/20 com um resultado negativo de 355 mil, indica ainda o relatório e contas.

Responsável por várias modalidades desportivas e pelo futebol de formação abaixo dos 11 anos, o clube minhoto ainda conseguiu um saldo positivo de 519 mil euros entre rendimentos e gastos, antes de encargos como juros e impostos, mas a receita total desceu quase 25%, dos 5,96 para os 4,49 milhões de euros.

O parecer do conselho fiscal indica que a receita com quotização e lugares anuais se manteve nos 2,25 milhões de euros, mas a das rendas baixou de 607 para 530 mil euros e das modalidades também caiu, de 759 para 528 mil euros, em parte devido ao cancelamento das atividades desportivas em março de 2020, forçado pela pandemia de covid-19.

Os gastos também caíram entre 2018/19 e 2019/20, mas somente 7,4%, dos 4,28 para os 3,97 milhões de euros, com os encargos com modalidades a serem de 1,15 milhões, valor semelhante ao da temporada anterior.

Na próxima reunião magna, os sócios vitorianos vão ainda votar o orçamento para a época 2020/21, decisão que costuma acontecer em junho, mas que o clube decidiu adiar devido à pandemia de covid-19.

O documento prevê um resultado líquido negativo de 62 mil euros, com rendimentos totais de cerca de quatro milhões de euros, sustentados principalmente pela quotização (1,6 milhões) e pelas modalidades (820 mil euros), e gastos de 3,35 milhões, destinados também às modalidades (1,02 milhões) e à porção da quotização que o clube tem de entregar à SAD (863 mil euros).

O parecer do conselho fiscal, favorável por unanimidade, refere que o orçamento constitui uma “resposta responsável ao contexto da pandemia” e é “estratégico”, quando o clube se prepara para adquirir a maioria da SAD.

O Vitória anunciou, na quinta-feira, que vai deter 96,4% da SAD, após comprar as ações de Mário Ferreira, correspondentes a 56,4% do capital, por 6,5 milhões de euros, em três tranches, até 31 de março de 2022.

Continuar a ler

Futebol

“Dos três jogos, este foi o que mais nos custou e ganhámos”

Tiago Mendes

em

Foto: DR

Declarações dos treinadores após o jogo Vitória SC-Paços de Ferreira (1-0), da terceira jornada da I Liga portuguesa de futebol, disputado em Guimarães:

Tiago Mendes (treinador do Vitória SC): “O futebol é isto. Dos três jogos, este foi o que mais nos custou e ganhámos. Estou contente, porque era uma vitória que procurávamos, que vai dar confiança à equipa. Nem tudo foi perfeito hoje, mas estou muito contente por ter ganhado.

Estou contente. Hoje foi o jogo que nos custou mais, mas tanto no jogo com o Belenenses SAD, como no jogo com o Rio Ave, estivemos bem. Hoje, tivemos alguma ansiedade. A equipa está a criar química. Somos uma equipa jovem. Criar rotinas sobre vitórias é mais fácil, e precisamos de crescer.

Falando do Bruno [Varela], foi mais uma grande exibição. Tem dado segurança à equipa. Na verdade, a equipa tem trabalhado muito bem. Sofremos um golo de bola parada e nem sei bem a parte com que o jogador do Belenenses SAD marcou [na derrota por 1-0 na primeira jornada]. Ele tem demonstrado nos treinos e nos jogos que está bem.

Faltou-nos ter mais bola. Eram quase sempre os nossos centrais a iniciar os lances de ataque. Nem o Agu, nem o Pepelu estavam a conseguir pegar no jogo e tive de tirar um deles [para colocar o Janvier]. Não gosto de tirar um jogador à meia hora de jogo.

Não sei dizer a equipa que irá jogar [no próximo jogo, com o Boavista]. Isso nem me preocupa. Vão ser duas semanas boas para nós. Ganhar dá-nos confiança.

Na primeira vez que [o Marcus Edwards] saiu, estava lesionado. Hoje, saiu para entrar o Rochinha, que esteve bem. O que vai na cabeça dele [sobre uma possível saída] só ele sabe. Eu sinto-o bem, a treinar bem.”

Pepa (treinador do Paços de Ferreira): “Não entrámos muito bem nos primeiros 15 minutos. Na recuperação de bola, não estávamos a sair da pressão. A partir dos 15 minutos, pegámos no jogo e tivemos várias oportunidades, com jogo fluido por dentro e por fora. Saímos daqui frustrados pelo resultado. São as vitórias morais que não existem, mas foi uma exibição muito conseguida pelos jogadores.

O Bruno Varela [guarda-redes do Vitória de Guimarães] foi o melhor jogador em campo. Não tenho problemas nenhuns em reconhecer quando o adversário é superior. Hoje, o Paços foi superior ao Vitória. Temos de manter este volume ofensivo, porque a bola vai entrar. Estaria preocupado se não tivéssemos criado oportunidades, mas criámos.

Fomos infelizes em Portimão, no penálti no último minuto dos descontos [falhado por Douglas Tanque], mas eu não vou crucificar alguém por uma má decisão [Fernando Fonseca, que cometeu penálti sobre Rochinha]. Fez um bom jogo, mas foi infeliz nesse lance. Ele sabe que teve uma abordagem infeliz. Vou-me agarrar ao que a equipa fez de bom.

Nunca me vou lamentar de quem não está [relativamente aos casos de covid-19 detetados em Diaby e em João Amaral]. São jogadores importantes, como são todos os outros. Se o processo estiver identificado e todos souberem o que têm de fazer dentro de campo, conto com eles.

Queria dar os parabéns ao Rio Ave, porque caiu de pé [no ‘play-off’ da Liga Europa] e o futebol português saiu valorizado.”

Continuar a ler

Populares