Seguir o O MINHO

Futebol

SC Braga segue em frente na Taça

Vitória na casa do Leça

em

O SC Braga, da I Liga, venceu hoje o Leça, do Campeonato de Portugal, por 3-1, em encontro da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, que os ‘arsenalistas’ resolveram com facilidade.


No Estádio do Leça FC, um ‘bis’ do avançado Wilson Eduardo, aos 24 e 54 minutos, e um golo de Ricardo Horta, aos 42, deram ‘cor’ à superioridade do 11.º classificado do escalão máximo, que não perde há sete jogos seguidos para todas as competições e nunca foi eliminado neste patamar da prova ‘rainha’ do futebol português.

Já o segundo colocado da Série B do terceiro escalão nacional, que reduziu por Adilson Silva, aos 85, despede-se da Taça de Portugal com o melhor registo da década na prova, ainda que sem ter vencido qualquer partida no tempo regulamentar: foi repescado após a derrota inicial em Gondomar (3-1) e afastou a Oliveirense na ronda anterior (4-3 no desempate por grandes penalidades).

A cinco dias de medir forças com os turcos do Besiktas, na terceira jornada do Grupo K da Liga Europa, Ricardo Sá Pinto promoveu uma ‘revolução’ no ‘onze’, mantendo Bruno Viana e Ricardo Horta face ao triunfo caseiro sobre o Marítimo (2-1), da Taça da Liga.

A jogar contra o vento na etapa inicial, o Braga revelou dificuldades para lidar com um Leça aguerrido, que se mostrou atrevido aos 17 minutos, num remate de fora da área de João Van Zeller, travado por Eduardo.

Sem forçar muito, os vencedores da Taça de Portugal em 1965/66 e 2015/16 responderam à lei da eficácia, desbloqueando o marcador aos 24, por intermédio de Wilson Eduardo, concluindo de cabeça um cruzamento de Francisco Trincão na direita.

O tento destabilizou os leceiros, que revelavam pouco discernimento na hora do remate e sucumbiram perante o contra-ataque bracarense: depois de Gustavo ter negado novo golo a Wilson (38), Rui Fonte serviu Ricardo Horta para duplicar a contagem (42).

Após o intervalo, o desafio perdeu vivacidade e os minhotos voltaram à carga, com Trincão a desmarcar Rui Fonte, que deixou a bola para o capitão Wilson ‘bisar’, aos 54, aniquilando de vez as esperanças dos matosinhenses, que tiveram nos pés de Zé Carlos (60 e 79) e João Paulino (84) oportunidades para reduzir a diferença.

A cinco minutos do fim, o espírito guerreiro do Leça foi premiado com o golo de honra, da autoria do recém-entrado Adilson Silva, que apareceu na cara de Eduardo e picou a bola por cima do guarda-redes forasteiro.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio do Leça FC, em Leça da Palmeira.

Leça – Sporting de Braga, 1-3.

Ao intervalo: 0-2.

Marcadores:

0-1, Wilson Eduardo, 24 minutos.

0-2, Ricardo Horta, 42.

0-3, Wilson Eduardo, 54.

1-3, Adilson Silva, 85.

Equipas:

– Leça: Gustavo Galil, Zé Carlos, Pecks, Cláudio Borges, Paulo Lopes, Nelsinho, Samuel Teles, Bruno Simões (João Paulo, 52), João Van Zeller (João Paulino, 57), Vieira (Adilson Silva, 69) e Pedro Prazeres.

(Suplentes: Cristiano, Manuel Lopes, Adilson Silva, João Paulino, Jair, João Paulo e Max Lapushenko).

Treinador: Domingos Barros.

– SC Braga: Eduardo, Diogo Viana, Bruno Viana, Wallace, Cajú, Uche Agbo, Claudemir, Francisco Trincão, Ricardo Horta (Murilo, 67), Rui Fonte (André Horta, 81) e Wilson Eduardo (Paulinho, 67).

(Suplentes: Tiago Sá, André Horta, Murilo, Paulinho, Ricardo Esgaio, João Palhinha e Wenderson Galeno).

Treinador: Ricardo Sá Pinto.

Árbitro: João Bento (AF Santarém).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Bruno Simões (26) e Paulo Lopes (64).

Assistência: cerca de 2.500 espetadores.

Anúncio

Futebol

Famalicão contrata Diego Batista ao Benfica

I Liga

em

Foto: FC Famalicão

O Famalicão, da I Liga portuguesa de futebol, anunciou hoje a contratação de Diego Batista, ex-jogador do Benfica, com um contrato valido por três épocas.

O médio, de 20 anos, foi formado no Benfica, clube que representou durante oito épocas e pelo qual conquistou vários títulos nacionais nos escalões de formação.

Além do emblema ‘encarnado’, passou pelo Esposende, Sporting, Atlético Clube Alfenense e Estoril Praia. Representou ainda a seleção nacional de sub-15.

“Foi com muito agrado que recebi o convite do Famalicão. É um clube que tem o objetivo de apresentar um futebol positivo, através do qual consegue potenciar o valor dos jovens jogadores”, disse o reforço, em declarações ao sítio oficial do clube.

Continuar a ler

Futebol

Tim Hall reforça defesa do Gil Vicente

I Liga

em

Foto: Gil Vicente FC

O defesa internacional luxemburguês Tim Hall assinou por duas temporadas com o Gil Vicente, oriundo dos ucranianos do Karpaty, anunciou hoje o clube da I Liga portuguesa de futebol.

“Apesar dos vários convites que recebi, escolhi o Gil Vicente porque estou convencido de que é o melhor passo para a minha carreira. Optei pela I Liga porque é um campeonato de grande prestígio europeu. Espero que juntos consigamos grandes conquistas”, referiu o central, numa nota publicada pela formação de Barcelos nas redes sociais.

Tim Hall, de 23 anos, apontou um golo em 18 encontros pelo Karpaty na última época, após passagens pelos luxemburgueses do Progrès Niederkorn, os belgas do Lierse e os alemães do Elversberg, sendo o quinto reforço assegurado pelos minhotos para 2020/21.

Os barcelenses confirmaram na sexta-feira as contratações do defesa Talocha (ex-Riga FC) e do avançado Boubacar Hanne (ex-Wolverhampton), um dia depois de anunciarem a chegada dos médios Antoine Léautey, recrutado aos franceses do Chamois Niortais, e Kanya Fujimoto, emprestado pelos japoneses do Tokyo Verdy.

O Gil Vicente oficializou o treinador Rui Almeida como sucessor de Vítor Oliveira, que conduziu os ‘galos’ a uma campanha tranquila na I Liga em 2019/20, culminada na 10.ª posição, com 43 pontos, 10 acima da zona de despromoção, numa época marcada pelo regresso administrativo à elite, a partir do Campeonato de Portugal, após o ‘caso Mateus’.

Continuar a ler

Futebol

Ronaldo fecha 2019/20 com 48 golos e muitas frustrações coletivas

Futebol

em

Cristiano Ronaldo. Foto: DR / Arquivo

O futebolista português Cristiano Ronaldo fechou a época 2019/20, a sua segunda na Juventus, com 48 golos, mais 17 do que na primeira, mas acumulou frustrações coletivas, ‘escapando-se’ apenas o ‘obrigatório’ título italiano.

A nova vitória consecutiva na ‘Serie A’ foi a única alegria da época para o conjunto de Turim, que perdeu a final da Taça de Itália e a Supertaça e, pior, falhou claramente o grande objetivo, ao ‘tombar’ nos oitavos de final da Liga dos Campeões.

Contratado por 100 milhões de euros ao Real Madrid em 2018, o português era visto como a ‘arma’ ideal para vencer a ‘Champions’, que escapa à ‘Juve’ desde 1996, mas, dois anos depois, esse objetivo continua por concretizar.

A Juventus nem sequer conseguiu chegar, esta época, à inédita ‘final a 8’ de Lisboa, eliminada por um Lyon que parecia claramente ao seu alcance, um pouco à imagem do que aconteceu nos quartos de final de 2018/19, então perante o Ajax.

Curiosamente, desta vez, como há um ano, Ronaldo marcou os dois golos da Juventus na eliminatória, mas os seus esforços individuais revelaram-se insuficientes (1-1 fora e 1-2 em casa com os holandeses e 0-1 fora e 2-1 em casa com os franceses).

Na presente edição da Liga dos Campeões, o internacional luso, agora com 35 anos, nem teve uma época muito concretizadora, com apenas quatro tentos, em oito jogos – para um ‘gigante’ total de 131, em 174, que fazem dele o ‘rei’ histórico da prova.

Cristiano Ronaldo destacou-se mais na ‘Serie A’, ao chegar aos 31 golos – 21 em 2018/19 -, embora ‘empurrado’ por 12 grandes penalidades, num total de 17 em toda a época (mais três na seleção, uma na ‘Champions’ e outra na Taça de Itália).

Os seus tentos foram determinantes para o título da ‘velha senhora’, mas o português não foi, ainda assim, eleito o melhor jogador do campeonato transalpino, sendo batido pelo argentino Paulo Dybala, seu companheiro de equipa na ‘Juve’.

Em matéria de golos, Ronaldo também não conseguiu a ‘coroa’ de melhor goleador, que já havia conseguido em Inglaterra e Espanha, pois os seus 31 golos não chegaram para os 36 de Ciro Immobile, jogador da Lazio.

O português ainda chegou a igualar o internacional transalpino depois da paragem devido à pandemia da covid-19, mas o jogador ‘laziale’ respondeu nas últimas jornadas, ultrapassando mesmo o polaco Robert Lewandowski (34 pelo Bayern Munique), o que lhe valeu a conquista da ‘Bota de Ouro’.

Nas outras provas internas, a Juventus falhou os títulos, nomeadamente a Taça de Itália, perdida nos penáltis para o Nápoles (2-4, após 0-0 nos 90 minutos), na final, e a Supertaça, com um desaire face à Lazio por 3-1.

Em duas épocas com Cristiano Ronaldo, a formação de Turim somou, assim, três títulos, nomeadamente dois campeonatos e uma Supertaça, depois de duas ‘dobradinhas’ – quatro troféus – nos dois anos anteriores (2016/17 e 2017/18).

Pela Juventus, o português totalizou 37 golos em 46 encontros em 2019/20 – para um total, nas duas épocas, de 65 tentos, em 89 jogos -, aos quais acrescentou 11 em apenas seis jogos pela principal seleção portuguesa de futebol.

Ronaldo marcou um golo na Servia (4-2), quatro na Lituânia (5-1), um ao Luxemburgo (3-0), outro na Ucrânia (1-2), três na receção aos lituanos (6-0) e um mais no Luxemburgo (2-0), não falhando, assim, em nenhum dos seis jogos, todos em 2019.

A época 2019/20 também ficou marcada pelo milésimo jogo da careira e o golo 700 – em ambos os casos com várias versões, conforme as contagens -, sendo que, por Portugal, ‘estacionou’ nos 99, em 164 jogos. Falta um para novo número histórico.

Continuar a ler

Populares