Seguir o O MINHO

Guimarães

Providência cautelar para “parar obras” em parque de estacionamento de Guimarães

em

Os artistas com ateliê num dos prédios afetados pela construção do novo parque de estacionamento em Guimarães interpuseram uma providência cautelar para que lhes seja “reconhecido o direito ao arrendamento e assim parar as obras“.

Em declarações à Lusa, o advogado dos artistas que trabalham num dos prédios do quarteirão habitacional da Caldeiroa, onde a autarquia quer construir um parque de estacionamento com 400 lugares (Parque de Camões), Diogo Ribeiro, defendeu que os artistas deviam ter sido “ouvidos e tidos em conta” no processo de expropriação do edifício, pelo que querem que esse direito lhes seja reconhecido pelo tribunal.

À Lusa, o advogado da Câmara Municipal de Guimarães, Miguel Oliveira, afirmou que a autarquia ainda não foi notificada da referida ação e que “seguiu todos os trâmites legais” na expropriação, sendo que as obras de construção do parque começaram na segunda-feira.

“A providência cautelar tem como objetivo ver reconhecido o direito ao arrendamento e assim parar as obras naquele espaço, naquele edifício”, explicou.

Isto porque, defendeu, “no âmbito do processo de expropriação, na qualidade de arrendatários, os artistas deviam ter sido ouvidos e tidos em conta” explanando que a providência cautelar “aparece por não ter havido essa postura da parte do município”.

O causídico referiu ainda que face à providência cautelar interposta “a câmara devia ter uma atitude sensata e suspender as obras pelo menos naquele pavilhão“.

Segundo Diogo Ribeiro, “apesar da informação que o proprietário deu de que não havia inquilinos, a autarquia sabe, desde pelo menos abril,” que há arrendatários.

“Nós [os artistas] não somos nenhuns ocupas, demos conhecimento à autarquia de depósitos bancários, recibos de água e luz, a vizinhança reconhece-nos como arrendatários”, afirmou.

Contactado pela Lusa, Miguel Oliveira referiu que a autarquia ainda não foi notificada da referida providência cautelar.

Não fomos ainda notificados pelo tribunal de nada, formalmente e legalmente não temos conhecimento de nada”, disse.

No entanto, o advogado da autarquia deixou uma garantia: “A câmara seguiu os trâmites legais de expropriação e não está em causa a obra em si, salvo se surgirem factos que nos levem a ponderar de forma diferente”, salientou.

O parque, considerado de “estratégico” pela autarquia, vai ficar num quarteirão habitacional correspondente às ruas de Camões, da Caldeiroa e da Liberdade, terá cobertura ajardinada acessível, zona envolvente arborizada, ventilação e desenfumagem natural, albergando cerca de 400 lugares de estacionamento e terá um custo de cerca de 5.5 milhões de euros.

O projeto, no entanto, não é consensual entre a população, tendo sido constituída uma Assembleia Popular como forma de contestação e segunda a qual aquela infraestrutura não vai resolver os problemas de estacionamento no centro de Guimarães e vai ainda criar novos problemas.

Em contraponto, moradores da zona e comerciantes têm outra proposta para a zona: “Propomos, em alternativa a um projeto tão pouco sustentável e ecológico, a criação de um jardim público que irá contribuir também para a melhoria da saúde pública, pois, um jardim com árvores e plantas purifica a atmosfera do atual centro de Guimarães”, explicou o representante daquela assembleia, Max Fernandes, à Lusa.

Em resposta, o presidente da autarquia, Domingos Bragança, defendeu, na última reunião do executivo camarário, que o projeto já foi a votos e foi aprovado.

“Nós já sufragamos o parque de Camões na eleição de 2013 e novamente em 2017 e o centro precisa. É necessário o aparcamento para a pedonalização do Centro histórico, é estratégico”, disse o autarca.

Populares