Seguir o O MINHO

Braga

Petição: Estudantes exigem segurança junto à UMinho em Braga

Alunos lançaram uma petição online.

em

Foto: Imagem enviada pela JS/Braga a O MINHO no dia 19/11/2018

Um grupo de alunos da Universidade do Minho (UMinho) lançou esta segunda-feira uma petição online, onde é exigida segurança na zona envolvente do Campus de Gualtar, em Braga, “face aos crescentes episódios de violência que a comunidade vem presenciando”.

No site peticaopublica.pt, o apelo lançado ao autarca de Braga, Ricardo Rio, ao reitor da Universidade, Rui Vieira de Castro, ao vice-presidente da Câmara de Braga Firmino Marques, e aos autarcas das freguesias de Gualtar e S. Vítor, João Vieira e Ricardo Silva, contava esta quarta-feira, cerca das 15:00 horas, com quase 1.400 assinaturas.

No domingo, o jornal “Diário do Minho”, dava conta que “duas rixas terminaram em esfaqueamento na zona da UMinho e num bar”, que “fizeram ainda mais sete feridos, quatro dos quais também esfaqueados”.

Na sequência desses incidentes, a Juventude Socialista de Braga, veio esta segunda-feira apelar “para que possam ser repensadas medidas estruturais e preventivas de segurança para o espaço público”, “seja através do reforço do policiamento, seja através da melhoria das condições de iluminação do espaço público ou da videovigilância”.

Segunda informação avançada, já esta quarta-feira, pelo “Jornal de Notícias”, o presidente da Associação Académica (AAUM), Nuno Reis, tem já agendada uma reunião com a PSP, na próxima semana.

Petição

Foto: Divulgação

“Exmo. Presidente, da Câmara Municipal de Braga, Dr. Ricardo Rio;
Exmo. Reitor da Universidade do Minho, Dr. Rui Vieira de Castro,
Exmo. Vereador da Câmara Municipal de Braga, Dr. Firmino Marques,
Exmo. Presidente da Junta de Freguesia de Gualtar, Dr. João Vieira,
Exmo. Presidente da Junta de Freguesia de S. Vítor, Dr. Ricardo Silva ;

Nós, abaixo-assinado, estudantes da Universidade do Minho, jovens do concelho de Braga, e demais entidades que, no seu quotidiano, frequentam a zona envolvente do campus de Gualtar da Universidade do Minho, vimos requerer a V.Ex.ª que reavalie o estado de segurança da área envolvente supramencionada, nomeadamente, nas áreas residenciais e onde se situam a maioria dos estabelecimentos de restauração e bebidas (ou bares) do espaço referido.

Face aos crescentes episódios de violência que a comunidade vem presenciando, vimos requerer que a V.Ex.ª possa atuar, junto das autoridades competentes, nomeadamente das forças policiais e de segurança pública, para que o sentimento de desconfiança e insegurança possa ser, rapidamente, transformado no clima ordeiro e seguro com que Braga sempre se distinguiu.

Pedimos, portanto, que possam ser repensadas ou reforçadas medidas de policiamento da área em questão, sobretudo em horário noturno nos dias de maior movimento local, bem como pensadas medidas estruturais de reforço da segurança da área que circunda a Rua Nova de Santa Cruz, designadamente através da maior iluminação do espaço público.
Deste modo, solicitamos de V.Ex.ª a maior compreensão para o exposto na esperança de que os eventos ocorridos no passado presente sejam prevenidos e evitados”.

A petição está disponível em https://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT91152.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

Braga: BE critica poluição visual, ruído e excessiva ocupação do espaço público

“Perplexidade”.

em

A Comissão Coordenadora Concelhia de Braga do Bloco de Esquerda manifestou, esta terça-feira, em comunicado, a sua “perplexidade pela invasão desenfreada e exagerada do espaço público no local mais procurado pelos bracarenses: as Arcadas e a Avenida Central”.

“A ocupação da principal sala de visitas da cidade por tendas cada vez maiores impede o usufruto do espaço público pelos munícipes e por quem visita Braga. O centro da cidade tornou-se numa feira e numa festa permanentes, cheio de obstáculos visuais e de barreiras à circulação”, afirma Alexandra Vieira, da Comissão Coordenadora Concelhia de Braga do BE, referindo-se às tendas montadas por causa da Taça da Liga.

O Bloco condena, ainda, “o modo desrespeitoso como é tratado o espaço público e toda a envolvente da Praça da República e da Avenida Central, nomeadamente no que diz respeito ao património edificado e natural do local”.

Lembra, por isso, “ao executivo municipal que a requalificação do antigo PEB, com a expulsão da feira semanal do recinto exterior e a remoção de todas as construções, foi fundamentada na necessidade de espaços ao ar livre para este tipo de eventos”.

A pergunta que se impõe – fiz – “é a de saber as razões que levam a concentrar no coração da cidade todo o tipo de atividade, havendo espaços criados para esse efeito. Além do espaço do agora designado Fórum Braga, ainda existe o espaço exterior do Estádio 1º de Maio”.

Do ponto de vista urbanístico, – prossegue o partido – “é desejável que se criem outras centralidades. Tal como acontece noutras cidades, os habitantes podem usufruir de atividades em locais que não o centro, dando vida e dignidade a outras zonas da cidade. Além disso, a definição de novas centralidades e espaços de fruição públicos distribui o incómodo que toda a parafernália instalada, poluição visual e ruído inerente coloca aos moradores daquela zona, agora de modo quase permanente”.

O Bloco constata – a terminar – “que o número de eventos ao ar livre, cada vez mais opulentos e onerosos, tem vindo a aumentar e a prolongar-se no tempo. Se estas atividades visam estimular a vinda dos bracarenses ao centro incentivando o consumo no comércio local, ainda assim, é excessiva a ocupação e a frequência. Por isso, recomenda ao executivo municipal maior parcimónia na quantidade e no tamanho das atividades e que procure distribuí-las por outras zonas da cidade”.

Continuar a ler

Póvoa de Lanhoso

Sete armas apreendidas a suspeito de perseguir ex-mulher na Póvoa de Lanhoso

Mulher de 47 anos “temia pela sua própria vida”

em

Foto: GNR

A GNR apreendeu esta terça-feira várias armas de fogo e munições, na Póvoa de Lanhoso, na sequência de uma denúncia de violência doméstica, informou hoje o Comando Territorial de Braga.

Numa nota enviada a O MINHO, aquela força de segurança refere que a apreensão resultou da queixa apresentada por uma mulher de 47 anos, que era “perseguida pelo seu ex-marido e que temia pela sua própria vida”, uma vez que o homem possuía aquele conjunto de armas.

Na sequência dessa denúncia, a GNR da Póvoa de Lanhoso levou a cabo uma investigação que culminou no cumprimento de um mandado de busca à residência do suspeito, da qual resultou a apreensão de sete armas – duas caçadeiras, duas espingardas de ar comprimido, dois revolveres e uma carabina – e 350 munições – 171 cartuchos, calibre 12 e 179 munições de diferentes calibres.

O suspeito foi constituído arguido e sujeito a termo de identidade e residência.

Os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial da Póvoa de Lanhoso.

Continuar a ler

Braga

Braga segue no pelotão da frente na votação para “Melhor Destino Europeu 2019”

Quando faltam duas semanas para fechar a votação. Vencedor do ano passado recolheu 41.148 votos

em

Foto: Divulgação

Braga já está entre as cinco primeiras nas votações para Melhor Destino Europeu 2019. A revelação é da organização do evento que coloca a cidade dos arcebispos no top 5 com Málaga, Budapeste, Metz e Monte Isola (Itália).

Braga nomeada para European Best Destination 2019. Vote já em: http://vote.ebdest.in

Ainda segundos os critérios divulgados pela organização, a escolha de Braga para o prémio foi feita através da selecção de um painel de visitantes que entre 50 cidades escolheu 20, entre as quais Bracara Augusta.

A avaliação da reputação online de Braga, assim como a evolução da popularidade do destino nas redes sociais”, tendo sido encontrado um “claro aumento” como tendência (+29% em referências directas no Instagram, por exemplo), foram outros dos critérios.

Braga enfrenta 19 concorrentes, entre elas algumas estrelas-guias do turismo europeu como Londres, Atenas, Berlim, Florença, Bruxelas, Budapeste, Viena, Genebra, Bratislava ou Riga.

As vencedoras nem sempre são as mais populosas ou as mais conhecidas, como provaram, as edições anteriores, mas aquelas que mais mobilizaram as pessoas para votarem on-line ou investirem em publicidade juntos dos votantes.

Promovidos pela European Consumers Choice (ECC) – “organização sem fins lucrativos de consumidores e especialistas” com sede em Bruxelas dedicada a “avaliar produtos e serviços”, os prémios European Best Destinations têm um historial assinalável de vitórias portuguesas: Lisboa foi o primeiro Destino Europeu do Ano, na edição de estreia da disputa, em 2010; o Porto, três vezes nomeado, três vezes vencedor – em 2017, 2014 e 2012.

A votação decorre até dia 05 de fevereiro.

Continuar a ler

Populares