Seguir o O MINHO

Braga

Pandemia cancela maior presépio vivo da Europa, em Braga

Presépio Vivo de Priscos

em

Foto: DR

A edição deste ano do Presépio Vivo de Priscos foi cancelada face ao risco de contágio por covid-19. O evento, o maior da Europa no género, deve voltar em 2021.

Em comunicado enviado à nossa redação, o padre João Torres, organizador do evento, explica que esta medida surge após consulta por entre as centenas  de figurantes habituais do presépio, levando assim a que o mesmo seja adiado para o próximo ano.

“Assim, e tendo como prioridade a protecção da saúde pública, todas as sessões previstas no âmbito desta décima quinta edição, ficam sem efeito, tendo por base as recomendações da Direção-Geral de Saúde”, escreve João Torres.

O pároco explica que prevalece a cautela, dando conta de que seria “impossível garantir o cumprimento das medidas preventivas no decorrer da iniciativa, a partir da entrada e distanciamento social em cada cenário, porque os envolvidos são realmente muitos, mais de 600 figurantes e entre 100 a 144 mil visitantes”.

“Infelizmente, o povo de Priscos não poderá mergulhar na atmosfera natalícia da representação viva do Presépio, entre o silêncio e a iluminação suave, pessoas trajadas e artesanatos ancestrais”, acrescenta.

Segundo o pároco, o Natal “sem presépio não tem o mesmo sabor, porque a beleza do Natal em Priscos é ter dez mil rostos estranhos nas ruas da nossa aldeia, em cada sessão, que graças à magia do Natal são todos irmãos”.

“Não queremos que a nossa mensagem de vida, esperança, salvação e amor, se transforme em dor, lágrimas e cinzas. E é precisamente por este espírito, pela vontade de celebrar a vida e pela alegria de estarmos juntos que queremos proteger a saúde de todos, adiando o nosso encontro para o próximo ano”, reforça João Torres.

O pároco apela ainda aos cristãos para se comportarem com  “responsabilidade, respeitando o trabalho de todos os médicos, enfermeiros, pessoal de saúde e todos aqueles que nos deixaram por causa deste vírus infame”.

“Respeitamos o que nos pedem para fazer e voltaremos, quanto antes, para ficarmos juntos”, finaliza o padre.

Populares