Seguir o O MINHO

Cávado

Pai e filho condenados a 7 anos de prisão por agressões a vizinho em Terras de Bouro

em

O Tribunal Judicial de Braga condenou esta segunda-feira a penas de 7 anos de prisão dois homens, pai e filho, por agressões à facada e à paulada a um vizinho, em 2013, em Terras de Bouro.

Os arguidos foram condenados por homicídio qualificado, na forma tentada.

O mais novo é bombeiro há 14 anos nos Voluntários de Terra de Bouro.

O tribunal deu como provado que os arguidos e a vítima mantinham há algum tempo um conflito por causa do regadio dos campos de cultivo, um conflito terá subido de tom a 5 de junho de 2013, com uma discussão pública.

Entretanto, uns dias antes, a mulher do arguido mais velho “fez constar” que a vítima a teria tentado violar, o que, sublinha a acusação, “enfureceu os arguidos e fez despoletar a sua fúria”.

A 6 de julho, quando estava a apascentar o gado num local isolado, num baldio em Chamoim, a vítima foi atacada pelos dois arguidos, que o agrediram “de forma reiterada” à facada e à paulada, atingindo-a na cabeça, no tórax, no abdómen e nos braços e pernas.

“Acordaram tirar-lhe a vida”, refere o acórdão.

A vítima caiu ao chão, “pela violência dos golpes e pelo sangue perdido”, mas os arguidos “continuaram” a agredi-la e empurraram-na a até uma ribanceira, onde a projetaram num silvado, “convencidos” de que ali morreria, e abandonaram o local.

A vítima acabou por ser encontrada “por circunstâncias fortuitas e imprevisíveis” e foi socorrida, o que terá evitado a sua morte.

Consequência das agressões, o homem teve de efetuar três cirurgias e esteve 391 dias de doença.

Para o tribunal, os arguidos “evidenciaram o que há de mais desprezível na natureza humana, que é a absoluta falta de respeito pela vida do outro”.

Os arguidos terão ainda de pagar uma indemnização de 4000 euros.

Os advogados dos arguidos já anunciaram que vão recorrer da decisão, considerando que a pena é “excessiva” e “desfasada” em relação àquilo que se passou.

Para os defensores, o tribunal manifestou um completo desconhecimento do que é a vida na serra e do que são os conflitos entre pastores.

“É o resultado de se julgar em Braga algo que se passou na Serra do Gerês”, disse o advogado João Nuno Catalão.

O arguido filho disse que agiu em defesa do pai, depois de alegadamente constatar que ele estava a ser agredido.

“Nunca quis matar, só quis defender o meu pai e defender-me a mim”, referiu aos jornalistas, garantindo ainda que pretende continuar ao serviço dos Bombeiros Voluntários de Terras de Bouro.

Bombeiros de Terras de Bouro mantém o voluntário

O presidente e o comandante dos Bombeiros de Terras de Bouro afirmaram que, por eles, o voluntário da corporação “irá continuar ao serviço”.

“É um bombeiro cumpridor, respeitador, leal e extremamente útil, pelo que, por mim, não vejo qualquer tipo de problema em que continue ao serviço da corporação”, disse o presidente dos Bombeiros de Terras de Bouro.

Manuel Tibo sublinhou que os factos que conduziram à condenação desta segunda-feira “não têm rigorosamente nada a ver” com a sua conduta enquanto bombeiro.

“Nada fez que justifique a sua expulsão”, acrescentou, destacando o “arcaboiço físico” do bombeiro em questão e o seu “profundo conhecimento” da serra, que fazem dele “um homem de extrema utilidade e eficiência nomeadamente no combate aos fogos florestais”.

O comandante dos Bombeiros de Terras de Bouro, José Dias, mostrou-se “estupefacto” com a decisão do tribunal e sublinhou que, por ele, Martinho Lopes também continuará a integrar o corpo ativo da corporação.

“Como bombeiro e como homem, só tenho a dizer bem dele”, frisou.

Antes desta condenação, Martinho Lopes já tinha sido condenado por dois crimes de condução de veículo sem habilitação legal.

Notícia atualizada às 16h41.

logo Facebook Fique a par das Notícias de Terras de Bouro. Siga O MINHO no Facebook. Clique aqui

Anúncio

Barcelos

Infetados de casa de saúde mental em Barcelos novamente testados segunda-feira

Covid-19

em

Foto: DR

Os utentes e funcionários da Casa de Saúde S. José, em Areias de Vilar, Barcelos, infetados com covid-19 serão novamente testados esta segunda-feira, apurou O MINHO.

No total, são 47 os casos positivos que foram registados há duas semanas – 42 utentes e cinco funcionários – e que agora farão novos testes, coordenados pelo ACES Cávado III Barcelos / Esposende.

O vírus terá sido propagado naquela instituição através de um funcionário.

Quando foram confirmados os casos positivos, o Instituto S. João de Deus, que gere a casa de saúde mental, referiu que, “nos casos concretos de infeção, os utentes encontram-se isolados e estão todos sem sintomatologia”.

Casa de saúde mental em Barcelos com 42 utentes e 5 funcionários infetados

A Casa de Saúde de S. José assiste 216 utentes com doença e deficiência mental e emprega 104 colaboradores. “Tendo sido detetados casos positivos de covid-19 entre os seus colaboradores, procedeu-se de imediato à testagem de toda a sua população (colaboradores, utentes e ainda prestadores de serviços)”, sublinhou na altura a instituição.

Portugal contabiliza 1.316 mortos associados à covid-19 em 30.623 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

Relativamente ao dia anterior, há mais 14 mortos (+1%) e mais 152 casos de infeção (+0,5%).

O número de pessoas hospitalizadas baixou de 550 para 536, das quais 78 em unidades de cuidados intensivos (menos dois).

Devido a uma alteração dos procedimentos de contabilização, o número de doentes recuperados passou agora de 7.705 para 17.549.

Continuar a ler

Cávado

Longas filas mas distanciamento assegurado na praia de Ofir

Calor

em

Foto; Pedro Silva / O MINHO

Centenas de pessoas dirigiram-se até ao concelho de Esposende para desfrutar das praias marítimas do distrito de Braga. Grande parte preferiu o areal de Ofir, com longas filas de trânsito a formarem-se nas imediações.

Apesar da grande adesão, foi possível verificar que, no areal, o distanciamento não só foi cumprido como ainda alargado, com distâncias de mais de cinco metros entre grupos de veraneantes. O mesmo sucede na água, com o respeito pela distanciamento social.

Foto: Pedro Silva / O MINHO

Foto: Pedro Silva / O MINHO

Foto: Pedro Silva / O MINHO

Foto: Pedro Silva / O MINHO

Foto: Pedro Silva / O MINHO

Foto: Pedro Silva / O MINHO

Os utentes das praias devem assegurar um distanciamento físico de 1,5 metros entre diferentes grupos e afastamento de três metros entre chapéus de sol, toldos ou colmos, a partir de 06 de junho, determinou o Governo.

Relativamente ao estado de ocupação das praias, vai existir “sinalética tipo semáforo”, em que a cor verde indica ocupação baixa (1/3), amarelo é ocupação elevada (2/3) e vermelho quer dizer ocupação plena (3/3).

Segundo o Governo, a informação sobre o estado de ocupação das praias vai ser “atualizada de forma contínua, em tempo real”, designadamente na aplicação InfoPraia e no sítio da APA.

Continuar a ler

Barcelos

Barcelos cria “park & ride” na periferia para diminuir trânsito na cidade

Mobilidade

em

Foto: DR / Arquivo

A Câmara de Barcelos abriu hoje um espaço “park & ride” em Vila Frescainha S. Martinho, que pretende assegurar resposta de estacionamento e de transporte público a quem se desloca para o centro da cidade.

Em comunicado, a câmara refere que a infraestrutua significou um investimento municipal superior a 145 mil euros e inclui um parque de estacionamento livre, uma gare de paragem para transportes coletivos de passageiros e passagens de peões.

“Com a construção deste parque numa zona mais periférica da cidade, pretendeu-se dar resposta aos munícipes que se deslocam para a cidade, permitindo-lhes ter estacionamento diurno de longa duração e não estar dependente do estacionamento na zona mais central da cidade”, acrescenta o comunicado.

O interface será realizado com o transporte coletivo (Barcelosbus) e com os modos suaves (a pé e bicicleta).

“Sendo o centro urbano um forte polo habitacional, comercial e de serviços, com o uso do automóvel como principal meio de transporte, gera-se uma pressão sobre as vias de comunicação, ao nível da circulação e do estacionamento, que importa resolver”, refere ainda o comunicado.

O espaço tem 117 lugares de estacionamento, incluindo quatro destinados a pessoas com mobilidade reduzida, áreas ajardinadas e cerca de quatro dezenas de árvores.

Citado no comunicado, o presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes, refere que este projeto se insere nas políticas municipais de melhoria da mobilidade urbana, com soluções que integram a transferência modal de transporte individual para transportes públicos e para modos suaves”.

Miguel Costa Gomes destacou também o facto de a requalificação permitir o aumento da capacidade de estacionamento para os residentes daquela zona.

Continuar a ler

Populares