Seguir o O MINHO

Conteúdo Patrocinado

Os melhores treinadores de sempre da seleção portuguesa de futebol

Futebol

em

Foto: DR / Arquivo

Com o cargo de selecionador nacional na ordem do dia, após Fernando Santos, o atual treinador da seleção portuguesa, ter falhado o apuramento direto para o Mundial de 2022, no Catar, começam a surgir na imprensa alguns nomes de treinadores que o poderão substituir.

Embora seja considerado um dos melhores selecionadores da história da seleção portuguesa de futebol, o certo é que, ultimamente, os resultados, tal como as exibições, não têm sido as melhores, razão pela qual nomes como André Villas-Boas ou Luís Castro começam a surgir nas cogitações para o substituir. Curiosamente, é um mercado que até poderá vir a estar disponível para apostar, podendo, se for o caso, tirar depois partido do código promocional Betclic para apostar. É possível também a plataforma JohnnyBet para mais códigos de bónus, com os quais pode usufruir de promoções exclusivas.

O play-off poderá ser fundamental para decidir o futuro do selecionador nacional. Mas, enquanto Fernando Santos continua no cargo, O MINHO preparou uma lista com os cinco melhores treinadores de sempre da seleção portuguesa de futebol.

Fernando Santos

Antes de chegar ao cargo de selecionador, é preciso lembrar que Portugal nunca tinha ganho qualquer título significativo na seleção sénior, apesar de todos os sucessos nas seleções mais jovens. Tal mudou, contudo, com a chegada do “Engenheiro”, que, ao contrário de todas as expetativas, conseguiu levar Portugal à vitória no Euro 2016, bem como na Liga das Nações em 2019. Apesar de depois a seleção ter caído de produção, tal não apagará os feitos inéditos que Fernando Santos conseguiu enquanto esteve ao leme da seleção portuguesa.

Luiz Felipe Scolari

Até à chegada de Scolari ao comando técnico da seleção nacional, Portugal nunca tinha estado na partida final de uma grande prova de seleções. Grande motivador, conseguiu colocar todo um país a apoiar incondicionalmente a seleção, num percurso que teve como ponto alto a final do Euro 2004. Essa, de resto, foi uma prova em que, apesar de a seleção ter estado em grande plano, com um leque de jogadores de grande nível, não encontrou a fórmula mais indicada para ultrapassar uma Grécia que surpreendeu tudo e todos, servindo de pouco consolo o facto de se ter sagrado vice-campeã europeia.

Humberto Coelho

Apesar de ter estado poucos anos à frente do comando técnico da seleção, a verdade é que Humberto Coelho é recordado com saudades. É verdade que não conseguiu chegar a uma final, mas esteve bastante perto e conseguiu que a seleção praticasse um futebol de grande qualidade. Tal foi demonstrado no Euro 2000, prova em que Portugal derrotou, categoricamente, seleções como a Inglaterra e Alemanha, sucumbindo somente na meia-final da prova frente a uma França, seleção campeã mundial em título, liderada pelo carismático Zidane.

Fernando Cabrita

Embora tenha passado pela seleção nacional por um período bastante curto, o certo é Fernando Cabrita, como selecionador, ficou para a história, contribuindo para o feito que a seleção conseguiu no Euro 1984. A turma portuguesa após assegurar a passagem à fase final de forma algo surpreendente, deixando para trás a Alemanha e a Roménia, acabaria por perder frente à França, por 3-2, após prolongamento, num jogo que ficaria nos anais da história, com uma geração que contava então com jogadores como Jordão ou Chalana.

Otto Glória

Otto Glória será também para sempre recordado como um dos mais bem-sucedidos técnicos a assumirem o comando da seleção portuguesa. Em 1966, com uma seleção de grande nível, composta por muitos jogadores do grande Benfica europeu de então, conseguiu o melhor resultado de sempre da seleção nacional num Mundial, um terceiro lugar. A seleção de Eusébio, Coluna, Torres e outros grandes nomes do futebol nacional não conseguiu bater nas meias-finais uma Inglaterra que jogava em casa e tinha um Bobby Charlton em grande forma, perdendo por 2-1. Contudo, mesmo assim, no jogo de atribuição do terceiro e quarto lugar, conseguiu vencer a União Soviética, cujas redes eram defendidas pelo mítico Lev Yashin, a “aranha negra”.

Populares