Município de Mondim de Basto lança apoio para agricultores lesados pelos javalis

Foto: Lusa

A Câmara de Mondim de Basto atribuiu um apoio financeiro a 61 agricultores que viram as culturas de milho, feijão e feno destruídas pelo javali na última época venatória, foi hoje anunciado.

“A câmara assume os prejuízos causados pelos javalis, principalmente em culturas agrícolas”, afirmou à agência Lusa o presidente do município, Bruno Ferreira, que destacou que os prejuízos aconteceram nas “zonas mais altas do concelho” e que se trata, essencialmente, de “culturas de subsistência” para as famílias.

Na época venatória 2022/2023, que terminou a 31 de maio, o município de Mondim de Basto, no distrito de Vila Real, garantiu a “atribuição de um montante global de 5.144 euros aos agricultores e produtores do concelho lesados pelas investidas de javalis”.

Os serviços do Gabinete de Apoio ao Agricultor procederam ao levantamento dos prejuízos, tendo avaliado 72 participações ‘in loco’, correspondentes a 61 queixosos, que viram as suas culturas de milho, feijão e feno “destruídas”.

A época venatória 2023/24 arrancou a 01 de junho e prolonga-se até 31 de maio.

Bruno Ferreira explicou que o apoio da autarquia “pretende ser uma compensação para os prejuízos causados pelos javalis”.

“A situação gravosa que muitos agricultores e produtores têm vindo a enfrentar em resultado do poder destrutivo da investida de javalis sobre culturas agrícolas tem sido cada vez mais visível de norte a sul do país”, referiu ainda a câmara, em comunicado.

O autarca anunciou que o município irá continuar a “apoiar todas as iniciativas que minimizem os estragos provocados por esta espécie cinegética”.

“Sendo uma cultura de subsistência para estas famílias, este é um apoio que acaba por ser importante para estas famílias e, por isso, a câmara continuará a assumir esta ajuda”, referiu o autarca.

O Plano Estratégico e de Ação do Javali, apresentado a 30 de maio, em Évora, concluiu que Portugal tem uma sobrepopulação de javalis, que se estima entre os 300 mil e os 400 mil exemplares, e que é preciso reduzir o número de animais para mitigar prejuízos na agricultura e a ocorrência de acidentes rodoviários.

O estudo foi promovido pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e elaborado por especialistas da Universidade de Aveiro.

Bruno Ferreira referiu que o município está já a preparar uma montaria ao javali, para acontecer ainda este ano, com vista à correção do número de animais no concelho.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Morreu jovem de 18 anos que teve acidente de moto 4 na Póvoa de Lanhoso

Próximo Artigo

Jovem violada sob ameaça de arma branca no centro de Guimarães

Artigos Relacionados
x