Seguir o O MINHO

Alto Minho

Mulher morre atropelada por camião em Ponte de Lima

Acidente

em

Foto: O MINHO / Arquivo

Uma mulher, com mais de 60 anos, foi atropelada mortalmente por um camião, na manhã desta segunda-feira, em Fojo Lobal, Ponte de Lima, apurou O MINHO junto de fonte dos bombeiros.


A vítima mortal, moradora naquela freguesia, seguia naquela via municipal quando, segundo relatos, terá caído e sido colhida pelo camião.

O óbito foi declarado no local.

O comandante Carlos Lima explicou à Agência Lusa que “o condutor do veículo pesado ficou em estado de choque”, tendo sido enviada para o local uma Viatura de Emergência Médica (VMER) estacionada no hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo, para que possa “receber acompanhamento médico”.

O alerta foi dado às 09:08.

Prestaram socorro os Bombeiros de Ponte de Lima, com dois operacionais e uma viatura, com apoio da SIV de Ponte de Lima e VMER de Viana do Castelo.

A GNR está a investigar as causas do acidente.

Anúncio

Alto Minho

Lar com 64 infetados em Ponte de Lima vai ter Brigada de Intervenção Rápida

Vai ser constituída ainda hoje

em

Foto: DR

A Segurança Social vai constituir uma Brigada de Intervenção Rápida para prestar auxílio no Lar Nossa Senhora da Conceição (Casa da Caridade), em Ponte de Lima, onde há 64 infetados – 53 utentes e 11 funcionários. A autoridade de saúde fará, ainda esta quarta-feira, uma visita ao lar para perceber se há condições para os idosos permanecerem nas instalações, separando os casos positivos dos negativos.

Esta medidas foram adiantadas a O MINHO pelo presidente da Câmara de Ponte de Lima, Victor Mendes, após reunião, esta manhã, da comissão municipal de Proteção Civil para avaliar o caso.

Uma vez que um terço dos colaboradores da Casa da Caridade, entre os quais dois enfermeiros, se encontram infetados, a diretora do Centro Distrital da Segurança Social “assumiu o compromisso de, ainda hoje, ativar uma equipa denominada Brigada de Intervenção Rápida, que tem técnicos de saúde, auxiliares de ação direta e auxiliares de serviços gerais, que pode eventualmente não estar completa ainda hoje, mas procurará que o mais rapidamente possível seja ajustada às necessidades da própria instituição”, adianta Victor Mendes.

50 utentes e onze colaboradores infetados na Casa da Caridade em Ponte de Lima

Uma vez que esta Brigada de Intervenção Rápida tem “um prazo limitado, que pode ser prorrogado” conforme as necessidades, a própria instituição terá que “contratualizar alguns recursos”, o que deverá ser feito com recurso a um programa de financiamento que cobre 90% do valor, ficando os restantes 10% a cargo do município.

Na reunião desta manhã também ficou decidido que os técnicos da saúde pública visitarão a Casa da Caridade para “avaliar a proposta apresentada pela própria instituição” – e que esta adotou de imediato – para manter, no próprio lar, os utentes positivos e negativos separados.

“Essa avaliação será feita durante o dia de hoje e compete à autoridade de saúde pública decidir se a proposta apresentada pela instituição reúne condições para poder ser executada ou, se não reunir, apresentar outra solução que, em primeira análise, passe pelo aproveitamento do próprio espaço físico, que é o desejável”, realça o presidente da Câmara.

Porém, caso a autoridade de saúde entenda que não existem condições no lar, terá que ser encontrada uma “solução alternativa” que passará por colocar os utentes em estruturas de retaguarda.

Essa questão “será abordada amanhã” numa segunda reunião, por videoconferência, da comissão municipal de proteção civil.

O presidenta da Câmara de Ponte de Lima considera “nota importante” que a Unidade Local de Saúde do Alto Minho, também representada na reunião, “está a proceder ao acompanhamento e monitorização apertada da saúde de todos os utentes”.

Continuar a ler

Alto Minho

Dois funcionários da Câmara de Melgaço infetados

Covid-19

em

Foto: CM Melgaço

A divisão contabilística e financeira da Câmara de Melgaço foi hoje encerrada após um segundo caso de infeção pelo novo coronavírus e mais de 80 funcionários camarários vão ser testados durante a tarde, disse o presidente da autarquia.

Contactado pela agência Lusa, Manoel Batista disse que “foram enviados para casa” os “oito funcionários daquela divisão” em que se registaram dois casos de covid-19 e que funciona nos Paços do Concelho.

O autarca socialista adiantou que “a primeira funcionária a testar positivo já não está a trabalhar desde sexta-feira passada, e a segunda viu hoje confirmada a infeção”.

“Face a esta segundo caso decidimos encerrar a divisão e enviar as funcionárias para casa. Durante a tarde vamos testar todos os funcionários do edifício central, cerca de 60 pessoas e ainda todos os funcionários da divisão de obras e serviços urbanos, cerca de 20 pessoas. Os elementos permanentes no executivo municipal, três pessoas, serão também testados. Eu serei o primeiro”, destacou.

O autarca socialista disse que os resultados dos testes permitirão “ter uma noção exata do grau de contaminação na autarquia e da gestão de recursos e serviços é que terá de ser feita a partir de quinta-feira”.

“Só depois de teremos a noção exata é que tomaremos medidas adicionais”, referiu adiantando que a reunião de câmara presencial marcada para as 14:30, vai ser realizada por vídeo conferência”.

Segundo o último relatório epidemiológico da Unidade Local de Saúde do Alto Minho, de segunda-feira, Melgaço registava nove casos ativos.

Desde o início da pandemia, o concelho registava um acumulado de 98 infeções, 77 recuperados e 12 óbitos.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.371 pessoas dos 124.432 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Notícia atualizada às 13h14 com mais informação.

Continuar a ler

Alto Minho

Junta em Arcos de Valdevez vai ornamentar campas de quem não pode ir ao cemitério

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / DR

A Junta de Freguesia de Cabana Maior, em Arcos de Valdevez, decidiu ornamentar as campas que, por causa da pandemia (e não só), vão ficar ‘abandonadas’ durante os cinco dias de restrição de circulação face ao elevado perigo de contágio da covid-19.

Em declarações a O MINHO, o presidente da Junta, Joaquim Campos, aponta que algumas sepulturas estão “em abandono total” e que esta ação serve para “homenagear as pessoas sepultadas” que não estão a ter acompanhamento pelos familiares.

O autarca explica que, face à pandemia, algumas pessoas deixaram de ornamentar as campas, havendo várias com flores secas e ar de descuido.

“Muitas dessas pessoas estão no estrangeiro e não podem cá vir”, existindo ainda várias famílias que vivem noutros concelhos e não se vão poder deslocar pela altura dos Finados aquele cemitério.

Joaquim Campos refere que o cemitério não vai encerrar naqueles dias, mas existirá um limite máximo de 25 pessoas em simultâneo, para além de outras restrições.

“Vamos ter uma pessoa à porta do cemitério a indicar quais as medidas a adotar”, como o uso de máscara, desinfeção com álcool-gel à entrada e saída e e assegurar o distanciamento social entre diferentes agregados familiares.

Entre 30 de outubro e 03 de novembro estará proibida a circulação entre concelhos, e quem o fizer necessita de uma declaração, sendo as exceções as mesmas que foram aplicadas na Páscoa.

Continuar a ler

Populares