Montenegro “não faria o mesmo” que Costa no caso de Miguel Alves

Ex-presidente da Câmara de Caminha e atual secretário de Estado
Foto: DR / Arquivo

O presidente do PSD assegurou hoje que, se fosse primeiro-ministro, “não faria o mesmo” que António Costa relativamente ao caso do secretário de Estado Miguel Alves, investigado pelo Ministério Público por uma decisão tomada quando era autarca em Caminha.

“Eu sei o que faria se fosse primeiro-ministro. Não faria o mesmo que faz o doutor António Costa e não vou dizer mais do que isso”, afirmou Luís Montenegro, em Ponte da Barca.

O líder do PSD reiterou depois que, face à “falta de explicação” sobre o caso em que está envolvido Miguel Alves, a situação “é de molde a retirar-lhe a plenitude da sua capacidade de exercer, com toda a autoridade, a função de membro do Governo”.

“O doutor António Costa faz o que entender e o senhor secretário de Estado também toma as decisões que entender quanto às condições nas quais está a exercer o seu mandato”, afirmou.

Em causa está um contrato-promessa de arrendamento para fins não habitacionais, aprovado em 2020, que previa a construção de um Centro de Exposições Transfronteiriço (CET) na quinta do Corgo, em Vilarelho, mas o projeto foi inviabilizado pelos herdeiros dos terrenos que recorreram aos tribunais por não concordarem com o valor de venda proposto.

De acordo com aquele contrato, quando o CET estivesse construído e a câmara outorgasse a licença de utilização, a autarquia comprometia-se a arrendar o espaço, durante 25 anos. Findo aquele prazo, o município podia exercer o poder de preferência de aquisição.

O acordo previa que os 300 mil euros avançados pelo executivo municipal, então liderado por Miguel Alves, ficavam por conta das rendas do 25.º ano.

A construção do Centro de Exposições Transfronteiriço (CET) esteve inicialmente prevista para a quinta do Corgo, na freguesia de Vilarelho, mas o projeto foi inviabilizado pelos herdeiros dos terrenos que recorreram aos tribunais por não concordarem com o valor de venda proposto.

Miguel Alves está a ser investigado pelo Ministério Público por causa daquele contrato-promessa que celebrou quando era presidente da Câmara de Caminha. PSD e Chega já entregaram pedidos de audição urgente do governante no parlamento.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Artur Jorge diz que "projeto não pode ser posto em causa por um jogo"

Próximo Artigo

Tribunal rejeita pedido de indemnização de mulher atropelada fora da passadeira em Guimarães

Artigos Relacionados
x