Seguir o O MINHO

Barcelos

Misericórdia de Barcelos quer assumir-se como referência na área da Saúde

Dor no ombro esteve em discussão este sábado

em

Fotos: Misericórdia de Barcelos

Médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, de várias clínicas e outras unidades de saúde do norte do país, participaram numa conferência sobre saúde, promovida pela Misericórdia de Barcelos.

Numa lógica de complementaridade e de trabalho em equipa, até porque, “além dos protocolos, prescrições e alertas, importa manter o diálogo entre diferentes profissionais de saúde”, a instituição barcelense promoveu uma manhã de
trabalho, debate e troca de impressões acerca da dor no ombro.

“Os profissionais estão mais formatados para reabilitar membros inferiores do que membros superiores”, notou, na sessão, o ortopedista Nuno Vieira Ferreira, pelo que importa clarificar problemáticas e práticas. O especialista sublinhou ainda que os ortopedistas gostam de “estar perto dos fisiatras e dos fisioterapeutas, porque são as peças-chave do dia a dia do tratamento de cada doente” e esclareceu ainda que, qualquer que seja o caso, importa, primeiro, “recuperar a mobilidade passiva, depois, a mobilidade ativa e, por fim, a força muscular”.

“Os bons resultados da cirurgia do ombro dependem, 50% da qualidade da cirurgia que foi feita e, os restantes 50%, da reabilitação”, sublinhou Nuno Vieira Ferreira.

Pegando nessa afirmação do conhecido ortopedista, o Provedor da Santa Casa considera que “obviamente que a Misericórdia de Barcelos quer estar, cada vez mais, a contribuir para o sucesso das reabilitações e para uma melhor saúde, no caso, em termos musculares e articulares”.

Nuno Reis reforça também o “desejo de a Misericórdia de Barcelos ir, cada vez mais, ao encontro daquilo que são as
necessidades da população. Um melhor conhecimento deste tipo de patologias é cada vez mais decisivo para o sucesso dos tratamentos que a instituição desenvolve, já hoje, no Centro de Medicina Física e de Reabilitação (CMFR)”.

A conferência sobre saúde contou com a participação dos ortopedistas Tânia Pinto Freitas e Nuno Vieira Ferreira, bem como de profissionais do CMFR e, considera o provedor, Nuno Reis, foi “um pretexto interessantíssimo, não só para dar a conhecer a dois médicos ortopedistas de referência o que estamos a fazer aqui, mas também para eles, de alguma forma, trazerem ao CMFR o que, do ponto de vista cirúrgico, está a ser feito de vanguarda na nossa região.

Anúncio

Barcelos

Novo hospital privado de Barcelos já tem data de abertura

Ficará localizado junto ao parque da cidade

em

Foto: DR / Arquivo

O novo hospital privado Trofa Saúde de Barcelos, que ficará situado junto ao parque da cidade, já tem data de abertura, conforme se pode ler numa tarja colocada junto ao edifício. De acordo com a informação, a nova unidade abre portas a 02 de março de 2020.

O MINHO sabe que, a breve prazo, será divulgada a nova unidade de saúde através de promotores – que já estão a ser contratados para o efeito -, nos diferentes hipermercados do concelho, entre outros locais.

O grupo Trofa Saúde, criado em 1999, quer expandir-se e abriu mais um hospital de dia em Guimarães e outro em Braga [no shopping Nova Arcada], seguindo-se depois novas unidades no Porto, em Aveiro, em Valença, Barcelos, e na área metropolitana de Lisboa.

Grupo Trofa Saúde abre hospital no centro comercial Nova Arcada, em Braga

Atualmente, a Trofa Saúde possui sete hospitais e cinco hospitais de dia e emprega cerca de cinco mil pessoas.

Tem unidades em Alfena, Amadora, Braga, Famalicão, Gaia, Loures, Maia, Matosinhos, São João da Madeira, Trofa, Vila do Conde e Vila Real.

Continuar a ler

Barcelos

Artesã de Barcelos apurada para a final do “prémio carreira” em concurso nacional

Promovido pelo IEFP

em

Foto: Arte Popular Portuguesa de Ana a Zé

A reconhecida artesã Júlia Côta, de Galegos Santa Maria, concelho de Barcelos, foi selecionada para a fase final do concurso “Prémio Nacional do Artesanato 2019”, anunciou a organização, a cargo do Instituto do Emprego e Formação Profissional.

A votação, aberta ao público até dia 13 de dezembro, decorre na aba “PNA 2019 – Votação”, na página oficial daquele instituto, na secção de artes e ofícios.

Júlia da Rocha Fernandes de Sousa, conhecida por “Júlia Côta”, é uma barrista barcelense que nasceu na freguesia de Galegos Santa Maria, no concelho de Barcelos, em 26 de dezembro de 1935, e é hoje um vulto maior do artesanato de Barcelos.

Recorde a entrevista da artesã ao portal Arte Popular Portuguesa de Ana a Zé.

As categorias a concurso são Grande Prémio Carreira, Prémio Inovação, Prémio Empreendedorismo Novos Talentos, Prémio Investigação, Prémio Promoção para Entidades Privadas e Prémio Promoção para Entidades Públicas.

O galardão “Grande Prémio Carreira” já foi, anteriormente, atribuído a uma artesã de Barcelos, Júlia Ramalho, que venceu o prémio em 2017.

Continuar a ler

Barcelos

Barcelos pede “6 ou 7” milhões de euros para novo hospital, ministra não se compromete

Orçamento de Estado 2020

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

O presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes (PS), pediu, esta sexta-feira, à ministra da Saúde a inclusão de “seis ou sete milhões de euros” no próximo Orçamento do Estado para início da construção do novo hospital local.

Na resposta, Marta Temido não assumiu qualquer compromisso, afirmando apenas que é preciso saber “onde é que os portugueses consideram prioritário pôr os seis ou sete milhões”.

Na abertura do 1.º Congresso Recovery Portugal 2019, Costa Gomes reiterou a necessidade de construção de um novo hospital em Barcelos, sublinhando que a câmara está “definitivamente” pronta para “fazer a sua parte”, designadamente a disponibilização do terreno.

O autarca pediu, “encarecidamente”, à ministra para fazer um “forcing” para começar a resolver o problema, arrancando com a construção do novo hospital.

Um “forcing” que, para Costa Gomes, passaria pela inscrição de “seis ou sete milhões de euros” no Orçamento do Estado para 2020.

Marta Temido respondeu que “é tudo uma questão de prioridades”.

“Não quer dizer que as escolhas não venham a ser feitas, mas a questão é perguntar por onde vamos começar no ano de 2020”, referiu, lembrando que o Orçamento ainda está a ser preparado.

A funcionar num edifício propriedade da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, o hospital dá resposta a 154 mil habitantes daquele concelho e de Esposende.

Em 2007, o Governo e a Câmara de Barcelos assinaram um protocolo para a construção do novo hospital daquela cidade.

Segundo o protocolo, à câmara caberia adquirir os terrenos necessários para o efeito.

O projeto do hospital seria depois apresentado publicamente pelo então secretário de Estado da Saúde, Manuel Pizarro.

No entanto, o processo nunca saiu da gaveta.

Em finais de 2018, a Câmara de Barcelos ofereceu galos em cerâmica a vários decisores políticos, para os sensibilizar para a necessidade de incluir a construção de um novo hospital na cidade no Orçamento do Estado (OE) para 2019.

Ícones do artesanato de Barcelos e símbolos de Portugal, os galos em cerâmica acompanharam uma carta que Miguel Costa Gomes enviou para o presidente da Assembleia da República, primeiro-ministro, ministros das Finanças, da Saúde e do Planeamento e das Infraestruturas, líderes dos grupos parlamentares e todos os deputados pertencentes à Comissão de Saúde.

A carta sublinhava a aprovação na Assembleia da República, em 12 de julho de 2018, por todos os grupos parlamentares, de quatro projetos de resolução que pugnavam pela construção de um novo hospital público em Barcelos.

Segundo a Câmara de Barcelos, o atual hospital “apresenta uma estrutura física antiquada, funcionalmente desequilibrada e desarticulada, estando longe de dispor das condições apropriadas para prestar cuidados de saúde de acordo com os melhores padrões de qualidade e segurança do Serviço Nacional de Saúde”.

Continuar a ler

Populares