Seguir o O MINHO

Guimarães

Metade das empresas portuguesas na maior feira de têxtil-lar do mundo são de Guimarães

41 empresas vimaranenses

em

Foto: CM Guimarães

Conhecida mundialmente como o maior expositor de produtos têxteis para o lar e hotelaria, a Heimtextil volta a ter uma grande representatividade pela parte das empresas de Guimarães. Num total de 82 empresas portuguesas neste certame, a decorrer de 08 a 11 de janeiro, 50% são oriundas de Guimarães, num total de 41.

As empresas do projeto “Guimarães Marca” marcam presença em grande número como são os casos da “Solinhas”, “Pereira & Freitas”, “Fábrica de Tecidos do Carvalho”, “Lasa”, “Sampedro”, “Be Stitch”, “Lameirinho”, “Têxteis Penedo”, “Villafelpos”, “Mi Casa Es Tu Casa”, “JF Almeida”, “Lumatex”, “NeiperHome”, “António Salgado”, “MoreTextile Group”, “ACL Impex”, “Domingos de Sousa & Filhos”, “Crishometex”, “Rosacel” , “Apertex” e “ Leiper”.

Em representação do Município de Guimarães está o Vereador da Divisão de Desenvolvimento Económico, Ricardo Costa, e a Chefe de Divisão, Marta Mota Prego. Recorde-se que no passado mês de setembro, Guimarães projetou as tendências da Heimtextil 2019/2020, com uma sessão que decorreu no Centro Cultural Vila Flor.

“O sucesso desta indústria é evidente e é importante a participação das nossas empresas no sentido de acompanharem as tendências no plano internacional, mas também estarem atentas à constante inovação”, salientou o Vereador Ricardo Costa.

As empresas “Guimarães Marca” presentes na Heimtextil 2019 caraterizam-se (exercício de 2016) por notável poder de criação de riqueza, grande equilíbrio financeiro e elevada capacidade competitiva comercial face a congéneres internacionais. Em termos de números acumulados, destaque para mais de 2500 postos de trabalho e um volume de negócios de cerca de 251 milhões de euros.

No primeiro dia do certame, destaque para a visita da comitiva do Governo, representada pelo Secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, e pelo Secretário de Estado da Economia, João Correia Neves.

Ao longo destes dias, são esperados mais de 60 mil visitantes nesta Feira, onde Portugal destaca-se como principal fornecedor europeu de roupa de cama e banho. As 82 as empresas portuguesas ocupam 5.896 m2 de espaço de exposição, um valor recorde para a indústria portuguesa.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Guimarães

Westway Lab permite “lentamente recuperar o tempo perdido” na internacionalização da música portuguesa

Festival vimaranense referenciado em Lisboa

em

Centro Cultural Vila Flor. Foto: Divulgação / Arquivo

Nos últimos anos Portugal despertou para a internacionalização da música portuguesa e está a recuperar o tempo perdido, afirmou à agência Lusa Gonçalo Riscado, um dos programadores da convenção-festival MIL, que acontece esta semana em Lisboa.

Durante três dias serão abordadas questões sobre direitos de autor, financiamentos, enquadramento legal na União Europeia, tecnologia, ambiente, relação entre mercados.

“Acho que, nestes últimos cinco anos, parece que Portugal despertou para esta questão da internacionalização a um nível transversal a quase a todos os novos agentes e ‘managers’, e isso está a notar-se na disponibilidade dos artistas”, opinou o programador.

Westway Lab Festival transforma Guimarães na “cidade da música”

No entender de Gonçalo Riscado, iniciativas como o MIL, o Westway Lab, de Guimarães, e o projeto de exportação Why Portugal permitem “lentamente recuperar o tempo perdido” em matéria de divulgação internacional da música portuguesa.

“O esforço de internacionalizar uma carreira exige muito e os resultados são incertos e é um grande investimento. Hoje em dia há essa vontade de correr esse risco e de fazer esse investimento”, disse.

Para a terceira edição, que decorrerá de quarta a sexta-feira, o MIL – Lisbon International Music Network reforçou o programa de formação, com mais debates, ‘workshops’ e conferências com alguns protagonistas da cena musical portuguesa e da indústria internacional, e alargou a oferta de concertos, com mais de 70 artistas.

Espalhado por várias sals e clubes noturnos do Cais do Sodré – com duas novas entradas no roteiro, do Titanic Sur Mer e do espaço Time Out -, o MIL é apresentado por Gonçalo Riscado como um ponto de encontro entre quem produz, promove, pensa, cria e vende música e integra o mercado.

“O objetivo é ‘networking’ e esta oportunidade de internacionalização. No mesmo espaço, durante três dias reúnem-se agentes, promovemos ‘speed meetings’. Existe uma ferramenta, uma aplicação onde todos os delegados estão registados com os seus contactos; uma semana antes acontece a marcação de reuniões”, exemplificou o programador.

A vertente de convenção contará com mais de 30 debates, apresentações, oficinas de música e ‘masterclasses’. Entre os convidados, o programador destacou o músico José Mário Branco, o crítico de música Simon Reynolds, que falará sobre jornalismo musical, o produtor britânico Peter Kember e o produtor brasileiro Pena Schmidt.

Do programa de concertos do MIL, estão confirmadas atuações de nomes como Beautify Junkyards, Conan Osiris, Paus, Filho da Mãe, Conjunto Corona, A Negra, Scúru Fitchádu, Rubel, Reis da República, Octa Push e Ghost Hunt – todos eles nomes da música portuguesa – e vários artistas estrangeiros, como Annie Sama, Ibaaku, Monolithe Noir e Omar Jr.

Este ano, a organização não só fez as suas escolhas de artistas para os concertos, como também recebeu candidaturas. “Foram quase 700 candidaturas de dezenas de países, o que nos mostrou que o MIL já está no circuito internacional e bem visto como um ponto importante de encontro e de ‘network'”, disse Gonçalo Riscado.

Uma das novidades deste ano do MIL é o Jump, um programa europeu do qual a organização faz parte, co-financiado pela Europa Criativa, e que servirá de incubadora para dez projetos de caracter inovador e relacionados com música.

Toda a programação do MIL, com as vertentes de formação e de concertos, está disponível em www.millisboa.com.

Continuar a ler

Guimarães

Jovem de 16 anos detido por suspeita de tráfico em Guimarães

Cocaína e heroína

em

A PSP deteve em Guimarães um jovem de 16 anos suspeito de tráfico de estupefacientes e apreendeu-lhe cocaína e heroína suficientes para 39 doses, anunciou hoje aquela força.

Em comunicado, a PSP acrescenta que, durante aquela diligência, constatou que sobre o suspeito pendia um mandado de condução para internamento em comunidade terapêutica na zona de Estarreja.

Por isso, o suspeito foi conduzido para aquela comunidade.

Continuar a ler

Guimarães

Ex-Procuradora Geral da República Joana Marques Vidal fala, em Guimarães, sobre poder e corrupção

IV edição da Nova Ágora

em

Foto: DR

Os “Olhares sobre o Poder e Corrupção” é o tema da conferência que conta com a participação de Joana Marques Vidal, Procuradora-Geral Adjunta no Tribunal Constitucional, no Paço dos Duques.

Marcada para as 21:30, participam, ainda, na IV edição da Nova Ágora, Luís de Sousa, Subdirector e Investigador Auxiliar no Instituto de Ciências Sociais (ICS-ULisboa), e Paulo de Morais, Professor Universitário e Presidente da “Frente Cívica”. A moderação fica a cargo do jornalista António Mateus.

Na sexta-feira seguinte, dia 29 de Março, é a vez dos “Populismos” serem debatidos, desta vez na Casa das Artes, em Famalicão.

A terceira e última conferência deste ano acontece novamente no dia 05 de abril, em Braga, no Espaço Vita. “Migrações” é o tema que encerra o ciclo de conferências desta Nova Ágora.

Continuar a ler
Anúncio

ÚLTIMAS

Reportagens da Semana

EM FOCO

Populares