Seguir o O MINHO

Futebol

Hoje é o primeiro dia da carreira do mister César Peixoto

Ex-jogador, natural das Taipas, estreia-se como treinador, depois de ter jogado em vários clubes de topo, nomeadamente no SC Braga, Vitória e, por fim, no Gil Vicente

em

César Peixoto, novo treinador do Varzim, da II Liga portuguesa de futebol, considerou hoje que a equipa poveira “tem qualidade para fazer mais e melhor” e sair dos lugares de despromoção.

O ex-jogador, de 38 anos, natural da vila das Taipas, em Guimarães, que se estreia no comando técnico de uma equipa, sucedendo a Fernando Valente no banco do Varzim, foi hoje oficialmente apresentado, mostrando “confiança na capacidade dos jogadores e da equipa técnica”.

“Temos uma ideia de jogo bem assimilada e sabemos o que queremos para a equipa. Conhecemos bem o plantel a nível individual e coletivo, fizemos um estudo pormenorizado e percebemos que havia qualidade para fazer mais e melhor”, começou por dizer César Peixoto.

O novo técnico do conjunto da Póvoa de Varzim ‘herdou’ a equipa nos lugares de descida de divisão, ocupando o 16.º posto, com 27 pontos, menos um do que o SC Braga B, que ocupa o lugar imediatamente acima da ‘linha de água’, algo que, segundo César Peixoto, não será um entrave ao seu trabalho.

“[O Varzim] Não está numa posição confortável, mas eu acredito muito na equipa, nos jogadores e no clube. É um clube com história, que ainda no domingo levou muita gente a fazer 1.200 quilómetros para ir ver o jogo a Faro. É por eles que temos que dar tudo e acho que há qualidade para poder fazer um bom trabalho e cumprir os objetivos”, afirmou.

César Peixoto, que possui o curso de treinador de nível 3 da UEFA, disse que tem como referências treinadores como Pep Guardiola [Manchester City], Maurizio Sarri [Chelsea] e os portugueses Jorge Jesus e Paulo Fonseca, partilhando a sua visão como técnico.

“Tenho uma ideia de jogo bem assimilada e quero implementá-la. Sei que nesta fase da época não é fácil e não as vou conseguir pôr todas em prática, porque tem que haver prioridades. Mas pretendo uma equipa positiva, que seja protagonista, com bola, que vai com certeza fazer golos e jogar bem. Quero, sobretudo, que os meus jogadores saibam o que fazer em todas as posições e em todos os momentos”, afirmou o treinador.

O novo técnico dos poveiros, que assinou um contrato válido até ao final da temporada e já orientou hoje o seu primeiro treino com o plantel, mostrou-se confortável com a pressão deste primeiro desafio da sua carreira como técnico.

“Gosto de viver com pressão e preciso dela. Poderia ter escolhido outra carreira dentro do futebol, mas quis ser treinador. É o homem com mais pressão, mas acho que pode ser importante, desde que canalizada e filtrada de forma positiva”, vincou.

Já Pedro Faria, presidente do Varzim, disse que César Peixoto foi o único treinador com quem falou após a rescisão com Fernando Valente, partilhando uma curiosidade sobre a opinião que recolheu.

“Perguntei-lhe apenas, por escrito, se ele conhecia os jogadores do Varzim e a história do clube. E, por incrível que pareça, ele respondeu-me em muito pouco tempo. Fiz a minha avaliação e revejo-me em tudo o que escreveu. Além disso, conforta-me que, enquanto jogador, o César tenha sido treinado pelos melhores técnicos da atualidade”, afirmou o dirigente.

Para este desafio, César Peixoto traz consigo os adjuntos João Correia, José Pedro, Diogo Coutinho e Joaquim Leonardo, integrando na sua estrutura os técnicos da casa Paulo Cunha, Vitoriano Ramos e Sérgio Campos.

O treinador fará a sua estreia no banco do Varzim já este domingo, no jogo da 26.ª jornada da II Liga, em casa, frente à Oliveirense.

Populares