Seguir o O MINHO

Ave

GNR bloqueia carros estacionados nos passeios em Cabeceiras de Basto

Comerciantes insatisfeitos

em

Fotos cedidas por Rádio Voz de Basto

Várias viaturas foram alvo de bloqueio e reboque por parte de militares da GNR, em Cabeceiras de Basto, por estarem estacionadas em cima de passeios.

A ação de fiscalização rodoviária da GNR foi levada a cabo nesta segunda-feira, causando polémica por entre a população local, sobretudo por parte de comerciantes que pedem “mais lugares de estacionamento”.

Foto cedida por Rádio Voz de Basto

De acordo com a Rádio Voz do Basto, a fiscalização incidiu, sobretudo, na Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, uma das principais avenidas daquela vila minhota.

Alguns comerciantes, através das redes sociais, manifestaram desagrado, indicando que este tipo de ações afastam os clientes do centro da vila.

Foto cedida por Rádio Voz de Basto

Segundo a mesma estação de rádio, a vinda dos emigrantes portugueses no período de agosto aliado as obras num dos principais locais de estacionamento da vila, tem complicado a procura por um lugar vago por parte de automobilistas.

Foto cedida por Rádio Voz de Basto

A mesma rádio indica que, no mesmo dia, decorria a feira semanal, havendo mais lugares de estacionamento suprimidos.

Alguns condutores foram alertados para a situação, conseguindo impedir o reboque das viaturas, mas outros, que chegaram tarde, não tiveram a mesma sorte.

Anúncio

Guimarães

Guimarães evoca “garra vimaranense” para atrair mais turistas

Autarquia prepara 12 projetos e 48 subprojetos envolvendo a comunidade

em

Centro Histórico de Guimarães. Foto: Divulgação / CM Guimarães

A Câmara de Guimarães vai desenvolver uma estratégia de promoção e turismo centrada no tema “Garra Vimaranense” para “reforçar o papel da atividade turística”, levando a cabo 12 projetos, 48 subprojetos e envolvendo a comunidade.

Apresentada nesta terça-feira, a estratégia para promoção e captação de turismo, que quer envolver os 158.124 vimaranenses e surge depois de uma estudo sobre o posicionamento da marca Guimarães, assenta em três eixos: Programa Identitário, Valorização Territorial e Conhecer Guimarães.

O estudo serviu ainda para identificar obstáculos ao desenvolvimento da cidade como ponto de turismo, apresentando também soluções, sendo que os obstáculos mais apontados foram “a curta estadia no território vimaranense, a concentração no centro da cidade, alguma perda de notoriedade junto dos mais jovens, bem como algum desconhecimento fora de Portugal”, lê-se no documento.

“São estes obstáculos que nos propomos derrubar com esta estratégia, atraindo mais pessoas para o território municipal de Guimarães e contagiando-as com esta ‘Garra Vimaranense'”, afirmou na sessão o presidente da autarquia, Domingos Bragança.

O autarca salientou o “orgulho” dos vimaranenses na sua história, a “forma única como se recebe quem visita” a cidade.

“Mas também o espírito de união que nos leva a defender o que é nosso, que é o território que desde pequenos nos ensinaram a amar e do qual nos orgulhamos”, apontou.

Segundo a promotora do estudo, “a estratégia apresentada conta com o envolvimento da população que foi auscultada durante os últimos meses e que, desta forma, pode também contribuir, desde o primeiro minuto, para a missão de posicionar Guimarães no mapa enquanto destino turístico, não só a nível nacional, mas também internacional”.

Quanto aos eixos orientadores, o primeiro é o Programa Identitário: “Programa responsável por desenvolver, ampliar e disseminar a ‘Garra Vimaranense’. Alberga todos os projetos que asseguram o futuro desta Ideia Central, nomeadamente os que se relacionam com as Bases, a Representação e a Projeção desta Identidade única”.

Este programa “envolve os mais jovens, mas também todos os agentes que contactam com o turismo e até mesmo quem chega agora ao território. Este ativo imaterial que representa a identidade de Guimarães é parte indissociável da visão do município e da projeção do mesmo”.

Com o eixo de Valorização Territorial, o objetivo é “tornar todo o território vimaranense num reflexo da visão do município de Guimarães”, assentando o programa “no princípio de continuar a aperfeiçoar Guimarães, sem dissociar a identidade do território”.

Para isso, estão a ser desenvolvidos projetos no âmbito do Território Unificado, Guimarães Verde e Garra no Território: “Esta linha orientadora mostra o seu máximo expoente na defesa, preservação e vivência do território. As distinções e honras de que é alvo constante não são um acaso, mas sim uma consequência de um trabalho meritório constante”, explica o programa.

Na terceira vertente, Conhecer Guimarães, pretende-se “desenvolver e dar a conhecer um leque de experiências que vão espelhar não só a monumentalidade do território, mas também dos vimaranenses”.

O programa destaca que “a humanização da experiência turística é uma batalha perdida” por muitos destinos modernos.

“Em Guimarães, no entanto, há uma vontade assumida da população em ser parte do destino, em mostrar, ajudar e participar”, conclui o estudo.

Continuar a ler

Guimarães

GNR apreende 2.650 peças de roupa contrafeita na feira em Guimarães

Em Caldas das Taipas

em

Foto: GNR

O Comando Territorial de Braga da Guarda Nacional Republicana (GNR), através do Posto Territorial de Caldas das Taipas, identificou 3 homens e 3 mulheres com idades compreendidas entre os 26 e os 57 anos nesta segunda-feira, pela prática do crime de contrafação, em Caldas das Taipas, Guimarães.

De acordo com a GNR, no âmbito do combate à contrafação, os militares realizaram uma operação de fiscalização à feira semanal daquela localidade, detetando diversas bancas com artigos contrafeitos que ostentavam marcas registadas conhecidas.

Segundo nota enviada a O MINHO, a GNR revela que apreendeu nesta operação 2.650 peças de vestuário, 213 pares de calçado e 109 acessórios.

Os suspeitos foram constituídos arguidos e os factos remetidos ao Tribunal Judicial de Guimarães.

A ação contou com o apoio de militares do Destacamento Territorial de Guimarães e do Destacamento de Intervenção de Braga.

Continuar a ler

Guimarães

Tribunal julga 11 polícias por agressão a adepto do Boavista em Guimarães

Caso remonta a 2014

em

Foto: Divulgação / PSP

O Tribunal de Guimarães começa na quarta-feira a julgar 11 efetivos do Corpo de Intervenção da Polícia de Segurança Pública (PSP) acusados de agressão, em 2014, a um adepto do Boavista naquela cidade, cegando-o de um olho.

Os arguidos respondem pelo crime de ofensa à integridade física grave qualificada, por factos que remontam a 03 de outubro de 2014, quando a formação boavisteira jogou no terreno do Vitória Sport Clube (SC), em jogo da edição de 2014/15 da I Liga de futebol.

A acusação, deduzida pelo Ministério Público (MP), diz que os 11 arguidos tinham sido destacados, enquanto efetivos do Corpo de Intervenção da PSP do Porto, para, em Guimarães, zelar pelas questões de segurança colocadas pelo jogo.

Acrescenta que, à chegada dos autocarros que transportavam os adeptos do Boavista, um dos arguidos abordou um destes, instando-o a que se movimentasse para determinado local.

Como este não obedeceu de imediato, “derrubou-o ao solo, colocou-lhe um joelho por cima das costas e fê-lo permanecer deitado no solo de cara para baixo”, refere.

Diz ainda que, de seguida, ele e outros dois arguidos “bateram no referido adepto, nomeadamente com cotoveladas, pontapés, socos e pancadas de cassetete, enquanto os demais arguidos os integraram no interior de um círculo que formaram e assim impediram que lhe fosse prestado socorro”.

Um juiz de instrução criminal do Tribunal de Guimarães tinha ditado o arquivamento dos autos, por considerar que não era possível identificar os agressores.

O MP e a vítima recorreram, tendo o Tribunal da Relação de Guimarães pronunciado os arguidos pelo crime de ofensa à integridade física grave qualificada.

O adepto agredido é assistente no processo.

Continuar a ler

Populares