Família de Vila Verde impedida de ‘resgatar’ corpo de jovem emigrante morto no Luxemburgo

Foto: DR

O corpo do emigrante vila-verdense de 34 anos que morreu no Luxemburgo e foi sepultado no cemitério municipal de Hesperange, naquele grão-ducado, não vai regressar já a Portugal, uma vez que os esforços “para tentar exumar” o seu corpo foram infrutíferos.

De acordo com a agência funerária Valbonense, de Vila Verde, que estava encarregue da tentativa de trasladação do corpo de Márcio André, a autorização não foi concedida pelo Ministério da Saúde do Luxemburgo porque “segundo o parecer desse mesmo ministérios, constitui um caso de perigo para a saúde pública abrir uma sepultura onde se encontra um corpo em estado de decomposição antes de cumprir o prazo legal de sepultamento de 3 a 5 anos”.

A agência explica que é necessário aguardar esse período para “ser possível fazer a trasladação das ossadas (…) para Portugal”.

Como O MINHO noticiou, Márcio Rodrigues estava desaparecido desde 20 de junho. O corpo já tinha sido sepultado e só três semanas depois é que foi identificado e as autoridades avisaram a família.

O caso está a ser investigado pelas autoridades luxemburguesas.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Morreu Shane MacGowan, autor de uma músicas de Natal mais populares de sempre

Próximo Artigo

Médicos recuam e asseguram funcionamento da urgência de Monção

Artigos Relacionados
x